06/10/2016

Relativismo contábil

shot 001

Consta que o manejo da República, além de enterrar Dilma Rousseff, também resolveu dançar sobre o seu caixão.

Ontem (06), pelo segundo ano consecutivo, o Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou por unanimidade, parecer pela rejeição das contas de 2015 da ex-presidente.

O motivo do parecer pela rejeição continuam sendo as pedaladas fiscais, coisa que o TCU verifica desde as contas de Deodoro da Fonseca e nunca opinou, por isso, pela rejeição, mas não mais que de repente resolveu apontar a tunga contábil como insanável.

Mas eis que nas mesmas contas o TCU deixa o rabo o gato de fora ao modificar a parte do parecer técnico que também apontou como irregularidade insanável as edições de medidas provisórias “não atendiam a critérios constitucionais de urgência e imprevisibilidade”.

E por que o relator, ministro José Múcio Monteiro, deixou este ponto de fora da lista de irregularidades? Porque, igual à Dilma, o atual presidente Michel Temer também editou medidas provisórias com características semelhantes.

3 comentários:

  1. TCU, como o conhecemos, foi previsto na CF 1891 e efetivamente criado e regulamentado pelo Decreto 1166, governo Floriano Peixoto. Sua assertiva parece não estar correta sobre Deodoro. A não ser que eu seja o equivocado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você não está equivocado. Eu usei uma força de expressão para sugerir que este tipo de irregularidade, desde o primeiro presidente da República é praticado.

      Excluir
  2. tudo foi orquestrado para consuma o golpe

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.