01/12/2015

O Haidar está totalmente drenado, encerrando a primeira etapa da salvatagem

carimbo-esgotado

A Mammoet Salvage, empresa contratada pelo P&I (clube de seguradoras) para retirar o óleo dos tanques do Haidar, naufragado em Vila do Conde desde 06.10.15, oficializou ontem (30.11) à CDP, que a drenagem está concluída.

O esgotamento já havia ocorrido desde a quarta-feira (25), todavia, encerrada a drenagem, a empresa obriga-se a revisar os tanques para se certificar de que não há resíduos, para só então emitir o laudo da drenagem.

A Mammoet Salvage, em 33 dias (a efetiva drenagem iniciou em 22.10), drenou 536 toneladas de óleo, que estão armazenados em uma balsa tanque à disposição do P&I, que, após o desembaraço legal, dará destinação ao estoque.

Durante a operação ocorreu uma única inconformidade que merece ser anotada: o navio movimentou-se de encontro ao píer onde está naufragado, avariando 9 pilares do berço, que terão de ser reconstruídos.

Com a finalização da drenagem afasta-se totalmente a probabilidade de danos ambientais que poderiam surgir caso houvesse ocorrido alguma grave inconformidade na operação.

A derradeira etapa da salvatagem, a remoção da carga e do navio do leito, que também está a cargo do P&I, deverá iniciar nos próximos dias e deverá durar cerca de três meses, o que não foge ao prazo inicial de quatro meses calculados pela Maommet Salvage para completar toda a operação.

Embora se noticie o contrário, a CDP protocolou na Semas, nos prazos assinados, toda a documentação exigida para a desinterdição do embarque de carga viva por Vila de Conde.

A prova inequívoca disso está no ofício da Semas, datado de 19.10.15, no qual acusa o recebimento da documentação da CPD e opina que “o documento não apresenta as informações necessárias para atendimento do solicitado”, assinando prazo de 60 dias para a retificação conforme um Termo de Referência no qual se deve basear a CDP.

Há, portanto, um fluxo burocraticamente necessário entre a CDP e a Semas, que faz às vezes de um novo licenciamento do porto de Vila do Conde para movimentar carga viva, mas a política se encarrega de dar as bipolares versões a esse fluxo.

Do ponto de vista técnico não há o que discutir com a Semas e sim fazer o que ela demanda, pois nessa relação aluno/professor, ela é quem tem a palmatória. E como a Semas demora de dois a três anos para licenciar a escavação de um poço, a eventual expediência exigida torna tensa a correção da prova.

Não há crítica de mérito na sala de aula, pois os órgãos ambientais necessitam ser absolutamente severos ou o poder econômico sequestra o nitrogênio da atmosfera e a CDP, in casu, desejaria fazer a movimentação sem as salvaguardas agora exigidas, para ontem, depois que o navio afundou.

Do ponto de vista político, e não há significado partidário no termo, a Semas se equivoca ao represar uma atividade consolidada no Estado. O embarque de gado em Vila do Conde poderia ser retomado na semana subsequente ao naufrágio, sem prejudicar a salvatagem e as demais ações que estão sendo demandadas pelos órgãos competentes.

A continuidade da interdição de carga viva afasta qualquer raciocínio lógico, pois, a seguir a motivação do evento, a queda de um avião interditaria, sine die, um aeroporto, e um acidente de carro fecharia, idem, a circulação para os demais. O silogismo levaria ao absurdo de fechar as fábricas de aviões e de automóveis, pois o que se está fazendo é extinguir a atividade no Pará.

Se é esse o intuito, devemos discuti-lo pela lógica da conveniência da atividade em si mesma e não aproveitar um caso fortuito para destitui-la da cadeia econômica na qual se insere.

13 comentários:

  1. Noto que a CDP está empurrando com a barriga este desastre ecologico, mas tudo acontece no Brasil sem que os responsaveis estejam na cadeia, veja o caso de Mariana! Uma vergonha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não houve "desastre ecológico" como muitos desejavam. Quem atesta isso é o próprio Laboratório Central do Estado, Labocen. Todo o óleo que vazou no naufrágio foi recolhido pela CDP e o óleo dos tanques está retirado. A carga é orgânica, portanto biodegradável, não causou dano algum ao meio ambiente e será retirada juntamente com o navio.
      Se você tiver uma maneira de retirar a carga e o navio que dure menos de 4 meses, por favor entre em contato comigo, pois as maiores empresas de salvatagem do mundo avaliam que é esse o prazo.

      Excluir
    2. quando os novos guardas portuarios irão entram os 27

      Excluir
    3. a respeito de retirar a carga em menos de 4 meses, tenho duas sugestões:
      a) passar o serviço para o f. beira mar. ou alguem do mesmo ramo
      b) passar o serviço para o cunha, neste caso, a carga seria transferida com rapidez para a suiça.

      Excluir
    4. Os novos guardas deverão entrar, após todas etapas cumpridas e cronograma expedido pela propria CDP, final de abril inicio de maio.

      ATT

      Cileno Borges

      Excluir
  2. Francisco Márcio01/12/2015 09:52

    "Não há crítica de mérito na sala de aula, pois os órgãos ambientais necessitam ser absolutamente severos ou o poder econômico sequestra o nitrogênio da atmosfera e a CDP, in casu, desejaria fazer a movimentação sem as salvaguardas agora exigidas, para ontem, depois que o navio afundou."

    "A continuidade da interdição de carga viva afasta qualquer raciocínio lógico, pois, a seguir a motivação do evento, a queda de um avião interditaria, sine die, um aeroporto, e um acidente de carro fecharia, idem, a circulação para os demais. O silogismo levaria ao absurdo de fechar as fábricas de aviões e de automóveis, pois o que se está fazendo é extinguir a atividade no Pará."

    Quando houver crítica me avise!

    Mas não é só:

    "Do ponto de vista político, e não há significado partidário no termo..."

    Como alguém que está presidente por indicação política, um dos cardeais do PMDB-Pa ( também, não chega à tanto... ), fiel escudeiro do chefe mor, envolvido até o último fio de cabeça com campanhas majoritárias no estado, pode emitir - numa situação dessa - juízo sem questões partidárias? Existe mais de um Parsifal?


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu avisei no início do segmento, não há "crítica de mérito". Claro que o parágrafo é uma crítica adjetiva.
      Não, que eu saiba só há um Parsifal (mas, de repente, sou bipolar e não sei) e eu sei dividir o discurso partidário do valorativo. Quando eu quiser subir no palanque e esculhambar os termos serão outros e assino embaixo da mesma forma. Não é o caso até agora, mesmo porque acho que a Semas está certa, tecnicamente, ao agir como age, ou a casa de mãe Joana fica até sem a Joana.

      Excluir
  3. Mas que coisa... É para ficar de queixo caído ao ler esses comentários, que mais parece de bate-boca de lavadeiras à beira do rio, cumprindo seu ofício. Quem mantém um Blog e retruca comentários de seus leitores, usando uma certa pitada de irritação, deveria deixar de fazê-lo. Especialmente quando os comentários levam o vivente a lustrar o próprio ego. No caso do naufrágio do Aidar, é fato que o governo do Estado foi inábil, preguiçoso como sempre, mirou no PMDB e acertou na economia. Governo vesgo é assim mesmo. Dia desses procedeu-se um embarque em porto maranhense, de bois saídos no Pará. Não há lógica que explique uma sandice assim. A alma que imaginou essa aleivosia, se da parte do governo, é incompetente. Se da parte dos exportadores, idem. Enquanto a águas vão e vem, o distinto público fica sem entender tanta idiotice junta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Blogs são assim mesmo: trocas de impressões pessoais. Não sou jornalista. O blog é pessoal, aliás, personalíssimo. Por isso, posso me irritar, rir, chorar e tudo o mais que uma pessoa pode sentir.
      Esse sou eu: tudo o que é escrito é por mim e tudo o que é respondido nos comentários sou eu quem respondo. E eu sou uma pessoa.
      No resto, concordo plenamente.

      Excluir
  4. Francisco Márcio03/12/2015 09:45

    Um aviso: por mim, pode continuar a dar os seus "pit`s" a vontade. Até porque, a resposta, quando julgo necessário, é na mesma medida...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse blog é uma ótima coisa que inventei. No mínimo uma terapia de auto conhecimento. Aqui eu já descobri que sou bipolar e que "dou piti". Seria necessário uns dois anos pagando psicólogo e psiquiatra para concluir isso. Economizei.

      Excluir
  5. Francisco Márcio03/12/2015 16:55

    Concordo. Esse blog é uma ótima coisa mesmo. Onde eu poderia dialogar com um político profissional e, ainda ter as respostas, com pessoalidade ( eu acredito )? Por isso, pode dá chilique, piti, espirro... Fique a vontade, afinal, a casa é sua.

    Só mais um detalhe: o melhor mesmo é que é de graça. Já faço um esforço descomunal para pagar mensalmente R$29,90 da FOLHA DE SP. V.Exa não sabe o quanto é oneroso isso para um plebeu...

    ResponderExcluir
  6. Parabenizo o Sr. Parsifal...seus comentários são elegantes...julgo ser de uma pessoa letrada, leitor assíduo de bons livros e com esmerado domínio do vernáculo...está bem perto de fazer juz a um título de especial distinção...talvez Dom ???...assim, seria chamado: Dom Parsi...ou Mecier Parsifeau...aquele menino das margens do Tocantins ainda vai muito mais longe do que se imagina...

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.