14/12/2015

Maioria dos belemenses é contra a redução dos horários de funcionamento de bares e casas noturnas


O instituto de pesquisa Doxa publicou pesquisa sobre o envolvimento dos moradores de Belém com a violência urbana e aproveitou para perquirir a receptividade do cidadão para com a proposta do Ministério Público Estadual de reduzir o horário de funcionamento de bares, restaurantes e casas noturnas que, segundo o órgão, poderia diminuir a criminalidade na cidade.

A Doxa esclarece que "antes de fazer a pergunta chave da pesquisa" indagou "se o entrevistado costuma sair à noite para bares, restaurantes e casas noturnas" e obteve os percentuais abaixo:


Vistos os percentuais do quadro acima, A Doxa avaliou o envolvimento dos entrevistados com a violência através da pergunta: “Você ou alguém da sua família já se envolveu em algum tipo de violência em bares/restaurantes/casas noturnas ou ruas aqui em Belém?”. 

Abaixo as respostas:


A somatória positiva do quadro acima revela uma situação peculiar: 80,5% dos belemenses já se envolveram em algum tipo de violência. A maioria, 64,6%, viu-se envolvida com alguma face da violência em via pública, contrastando com uma minoria de 11,6% que se envolveu em violência no interior de um bar ou casa noturna.

Aos que se envolveram em algum tipo de violência, a Doxa perguntou o horário da ocorrência, resultando o quadro abaixo:


A proposta do Ministério Público do Estado é reduzir o horário de funcionamento de bares, restaurantes e casas noturnas em Belém de 11h às 23h, de segunda a sexta e aos finais de semana esses estabelecimentos funcionariam até as 2h da madrugada.

A Doxa fez a seguinte pergunta aos entrevistados: “Você é contra ou a favor da proposta do Ministério Público de reduzir o horário de funcionamento de bares, restaurantes e casas noturnas em Belém de 11h às 23h, de segunda a sexta; e aos finais de semana, até as 2h?”. As repostas estão abaixo:


A pesquisa auscultou o mérito da medida, ou seja, se a proposta do MPE for implantada, na opinião do entrevistado, vai reduzir a violência em Belém? Abaixo os percentuais das repostas:


A Doxa perquiriu, na opinião dos entrevistados, as causas da violência. Os percentuais das respostas estão abaixo:


A Doxa avaliou a atuação do governo do Estado no combate à violência na cidade de Belém. Abaixo os percentuais obtidos nas respostas: 


O quadro acima revela que 69,5% da população desaprova a política de segurança pública do governo do Estado.

A pesquisa ouviu 600 pessoas no município de Belém, entre os dias 02 e 04 de dezembro. A margem de erro é de 4 pontos percentuais.

2 comentários:

  1. Bom dia!!! A aparência do 5.7 ficou ótima...apesar de como já te disse, não gostar muito das mudanças de aparência nestes recantos virtuais.

    ResponderExcluir
  2. Seria um absurdo. Logo em seguida, alguém proporia a proibição de vendas e circulação de veículos, para evita a violência no transito. Depois não seria mais permitido a comercialização de facas, facões, garfos, estiletes e todos os assemelhados para evitar a violência por arma
    branca. Talvez fosse necessário a restrição ao comercio de cordas para diminuir os suicídios. Desculpe, a brincadeira, só assim mesmo para viver num estado sem segurança. Quem deve receber restrições são os foras da lei, não os cidadãos trabalhadores.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.