16/12/2015

Lava Jato chega a Belém em barcaça da Transpetro


Foi um alvoroço ontem, logo cedo, em Belém para saber onde foram as seis buscas e apreensões determinadas no Pará em mais um capítulo da Lava Jato.

Dez entre dez apostas eram de que elas se referiam ao senador Jader Barbalho, mas a desilusão dos desafetos foi maior que o tamanho do desejo: as buscas se referiam às dependências do Estaleiro Maguari, de propriedade da família do falecido ex-governador do Pará, Hélio Gueiros.

Além da empresa dos Gueiros, buscas foram cumpridas nas residências de Marcos Gueiros e Paulo Gueiros, filhos do falecido governador e de Fábio Vasconcelos, engenheiro do estaleiro Rio Maguari.

Os procedimentos foram originados em um processo, movido pelo Ministério Público Federal em Araçatuba, interior de São Paulo, denunciando um suposto esquema de fraude em licitação para a contratação de barcaças e empurradores para o transporte de etanol da Transpetro, uma subsidiária da Petrobras.

Segundo a denúncia do MPF, a fraude à licitação perpetrada pelo Estaleiro Maguari e os demais réus nominados na ação (27 réus), teria sido sobre um montante de aproximadamente R$ 800 milhões em valores históricos (entre 2008 e 2010), o que equivaleria a cerca de R$ 1,2 bilhão hoje.

O inteiro teor da peça inicial do PPF pode ser lido aqui.

Nesse mesmo capítulo da Lava Jato, o ministro do STF, Teori Zavascki, que relata os inquéritos de foro especial, determinou busca e apreensão que foram cumpridas nas residências do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), do deputado federal Aníbal Gomes (PMDB-CE), dos senadores Edison Lobão (PMDB-MA) e Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), do ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves e do ministro da Ciência e Tecnologia, Celso Pansera, ambos do PMDB.

Causou espécie a todos os desditados o fato de o procurador-geral da República, além dos deles, ter pedido busca e apreensão na residência do presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL) e o ministro Zavascki ter negado.

O burburinho é que o ministro do STF teria um peso e várias medidas nas costuras da toga. Por evidente, inobstante, o procurador-geral não deve ter levado ao autos elementos conviventes que autorizassem a medida a desfavor de Calheiros.

14 comentários:

  1. Enquanto as novelas, textos de ficção, caiem de audiência, as reais batem recordes de audiência.

    ResponderExcluir
  2. Voce sabe que brevemente a vez dele chegará. Nionguem fica rico do dia para noite!

    ResponderExcluir
  3. O fato de não ser alvo das operações da polícia é sinal de desprestígio para o "digníssimo" Senador Jader ***** Barbalho.

    ResponderExcluir
  4. Parsifal: Gosto de seu blog e de seu texto.
    Observações "catilinares":
    Você, iniciar o texto dizendo que "Foi um alvoroço..." é demais! "mutatis mutandis", "modus in rebus", há muito tempo que todos esperavam que esses meninos Gueiros (não os conheço pessoalmente, e nem quero conhece-los) dariam o "o ar de suas (deles, obviamente) graças" - nada engraçadas -. É a mesma coisa que você dizer que será surpresa quando os punguistas flexa ribeiro, paulo rocha e sócios também comparecerem na mídia (o que não tarda).
    Seu direito de resposta é garantido, constitucionalmente, mas, lembre-se, há situações que quanto mais se explica mais a "catilina" fede.
    Enquanto não prenderem, perpetuamente, todos os atuais políticos deste País, o Brasil não terá jeito.
    Aguardo, se quiser dar, sua manifestação.
    Divertir-me-ei bastante. Eu e os demais leitores de seu blog.

    ResponderExcluir
  5. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  6. poderias informar os três nomes ocultos - só vazaram os Gueiros - e de quem era o (pasmem!) o endereço falso que a PF 'se enganou'. Hum hum...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não se sabe ainda. Vez em quando ocorre, nas operações da PF, quando há muitos mandados, algum endereço ser passado errado.

      Excluir
  7. A Folha de S. Paulo publicou agora a note em manchete.

    Em delação, Cerveró diz que pagou propina a Renan, Jader e Delcídio

    Valor para Calheiros, que nega, e Barbalho foi de R$ 6 mi, disse ex-diretor da Petrobras

    ResponderExcluir
  8. O Cerveró já citou o teu Patrão Parsifal na rapinagem da Petrobrás; agora é só aguardar a chegada do japonês da Polícia Federal e levar o maior gatuno do Pará e quiça do Mundo que é Barbalhão. Já vai tarde, o Pará e o Brasil agradecem !!!!!

    ResponderExcluir
  9. Te cuida Parsifal pode sobrar pra ti. Parsifal, aqui em Santarém e acredito no Pará todo, é sabido que essa família se é que se pode chamar assim, é chave de cadeia; espero sinceramente meu amigo que tu não tenhas "rabo preso" com essa gente porque seria o teu fim.

    ResponderExcluir
  10. Calma deputado, ainda não chegou no Jáder, mas tá bem perto. Ah, ontem no programa do Nonato Pereira seu nome estava doce na boca dele. Inclusive disse ainda aguardar sua ida ao programa.

    ResponderExcluir
  11. Agora, com a delação do Cerveró, podemos atestar que o "digníssimo" Senador Jader ******* Barbalho continua com algum prestígio na política brasileira.

    ResponderExcluir
  12. Todos sabem que quem comandava a Transpetro era o PMDB, se eu fosse você meu nobre deputado parava de falar mal desse governo e cuidava de resolver os seus problemas ai em Barcarena isso sim, pois você pode ficar inelegível, outra coisa sua equipe é muito fraca lhe deixa na mão o MPF ta deitando e rolando em cima de você

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas como você não sou eu, continuarei "falando" o que penso e você, obviamente, comentando o que pensa. Fique à vontade.
      E como eu não sou você, continuarei com a minha fraca equipe, já que não posso ter uma a sua altura.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.