05/08/2015

O guardador de segredos

Shot 010

O título da postagem não se refere à ótima coletânea que David Arrigucci Jr. fez de vários textos de renomados autores da literatura nacional e internacional, publicados no livro “O Guardador de Segredos”, mas a uma matéria assinada por Ricardo Balthazar, publicada na Folha de S. Paulo de ontem (2).

Reporta Balthazar que o almirante Othon Luiz, preso na Operação Radiatividade, na semana passada, é uma das poucas autoridades no Brasil que acompanhou o desenvolvimento do programa nuclear brasileiro.

Sugere a matéria que Othon Luiz guardou não só os segredos do enriquecimento de urânio que propiciou a instalação da planta nuclear de Angra, como os supostos escaninhos das contas secretas mantidas pelos governos militares para operar o programa.

De fato, como tudo na ditadura militar, a instalação de Angra 1 foi uma caixa preta. Eu vivi a construção da Usina Hidrelétrica de Tucuruí e da Transamazônica e assisti a festança que se fazia com o erário.

Angra, por conseguinte, não foi diferente e quem comandou todo o programa foi o almirante Othon Luiz e se ele, de fato, fez o pau em Angra 3, pode ter feito a jangada em Angra 1.

E por que um almirante em Angra? É que o estoque de tecnologia nuclear brasileira foi absorvido pela Marinha, com a finalidade de realizar a construção de um submarino de propulsão nuclear, hoje desenvolvida em parceria com a França e, adivinhem, a Odebrecht.

De volta à matéria, reporta Balthazar que Othon Luiz, que é engenheiro com especialização no MIT, nos EUA, guarda em seu poder “dezenas de caixas com documentos dos segredos tecnológicos nucleares do Brasil”.

Se isso for verdade, por si só constitui-se um crime, pois a tecnologia, e toda a sua documentação, é propriedade do Estado e tem repercussão na segurança nacional.

Mas essa não é a parte que envolve corrupção. Quanto a isso, reporta a matéria, Othon Luiz também teria toda a contabilidade extraoficial do programa, que teve “quase um terço do dinheiro circulado por contas secretas, incluindo uma que ele administrava pessoalmente”.

Seria ótimo para a história do Brasil, pois que os crimes da ditatura militar estão todos prescritos e alcançados pela anistia, se o almirante Othon decidisse fazer uma delação premiada não só a respeito de Angra 3, mas de todo o programa nuclear brasileiro.

2 comentários:

  1. Essa cumbuca pode começar a prender muitas mãos...agora talvez comecemos a conhecer além dos roubos indo no rumo dos assassinatos. PERIGO! MUITO PERIGO!

    ResponderExcluir
  2. Dr Nelson Medrado, do MPE, Uruará precisa de sua justiça.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.