07/08/2015

Ministério Público afirma que a filha do Almirante preso abriu conta secreta em Luxemburgo

Shot004

O juiz federal Sergio Moro manteve ontem (6) a prisão do almirante Othon Luiz, ex-presidente da Eletronuclear, acusado de ter recebido propina de pelo menos R$ 4,5 milhões no exercício do cargo.

Encarcerado desde 28 de junho julho em Curitiba e vencidos os 10 dias inicialmente assinados, Moro prorrogou a prisão para evitar “concertação fraudulenta de versões" entre os investigados e conceder mais tempo ao Ministério Público para comprovar a afirmação de que “a filha de Othon e representante da empresa Aratec abriu uma conta secreta em Luxemburgo”.

É claro que a Polícia Federal já tem os comprovantes da conta mantida pela filha do Almirante e isso está claro no próprio despacho de Moro, que em certo trecho lavra:

“Esses documentos, revelados pelo MPF, indicam que Othon Luiz mantém contas secretas no exterior e que podem ter sido utilizadas para recebimento de propina, ocultação e dissimulação do produto do crime, sendo de se destacar que uma delas foi aberta ainda no segundo semestre de 2012”.

O que o juiz quer mesmo é dar tempo à PF para puxar mais o fio da meada, pois é sabido que nessa manga têm mais divisas.

3 comentários:

  1. o juiz decidiu que a mantença não se justificava.
    não admiro essa decisão...
    os traficantes são piores que os estelionatarios e ladrões do erario publico porque geralmente são responsaveis por lesões e mortes.
    http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/justica-solta-um-dos-maiores-traficantes-de-sao-paulo

    ResponderExcluir
  2. a prisão do almirante foi em julho e não junho, correto? acho q precisa consertar o texto! abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Correto. Já está corrigido. Obrigado.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.