07/08/2015

Aquarela do Brasil

Shot003

Convencidos pelos seus consultores para assuntos de impeachment de que o processo só alcançaria a presidente Dilma Rousseff e alçaria o vice-presidente Michel Temer (PMDB) à presidente da República, o PSDB resolveu abandonar a tese, pregar a renuncia de Dilma e Temer e a convocação de novas eleições.

O discurso a ser proferido pelo PSDB é de que “a convocação de novas eleições é a solução para recuperar a estabilidade política e econômica do país”.

"O PSDB continua na defesa da soberania do voto popular, da necessidade de encontrar na nação e no nosso povo, através da legitimidade do voto, a escolha de um novo governo para que possamos tirar o país da crise", afirmou o líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB).

Assim como o governo perdeu o tento e não consegue reorganizar a sua base parlamentar para ter governabilidade, a oposição segue estrábica na visão da crise e acometida de câimbra mental na solução dela, elucubrando uma asneira atrás da outra, incitando a população a alucinar emendas em um soneto infindo.

A grande ideia já será posta em prática no próximo dia 16 de agosto, quando vários movimentos sociais irão às ruas, tendo como bandeira o impeachment de Dilma. Os tucanos acham que poderão mudar o tecido e as tintas das bandeiras para refletir a nova tese.

Em Dilma e Temer ouvindo os demiurgos e renunciando, claro que o candidato do partido, para terminar o mandato renunciado, seria o senador Aécio Neves, que então uniria o Brasil rumo ao futuro "em torno de um projeto de salvação nacional", afirmou um Cunha Lima empolgado com o elixir.

Já que todo mundo resolveu voltar ao jardim de infância na política brasileira, cada um pintando o sete com a cor que quiser e, em não tendo conseguido uma aquarela, arrancar a alheia para chamar de sua, eu tenho uma ideia melhor que a dos tucanos.

Todos os políticos do Brasil renunciam. Nenhum dos que renunciaram pode ser candidato e elegeremos novos “salvadores nacionais”. O “projeto de salvação nacional” eu elaboro, claro, pois a ideia foi minha.

10 comentários:

  1. Bom dia..na mesma toada.
    http://www1.folha.uol.com.br/colunas/vladimirsafatle/2015/08/1665348-deixe-os-mortos-enterrarem-seus-mortos.shtml

    ResponderExcluir
  2. A fala do Temer de que "o país precisa de alguém capaz de unifcá-lo" - ou algo nesse sentido - deixou muitos de orelhas em pé, por causa de uma ambiguidade criada a partir da atual conjuntura política do país. De repente, alguns interpretaram que o Vice estava se voluntariando para ser esse "Bismarck", e de que estaria "flertando" com o impeachment. Então, os tucanos perceberam que o impedimento da Presidenta poderia ameaçar as pretençoes do partido quanto às eleições presidenciais, já que Temer, de posse da máquina, teria a força necessária para lhes ameaçar o sonho do retorno ao "trono de ferro". Na verdade, o Cássio Cunha Lima (que até poucos dias era um árduo defensor do impedimento)sabe que a sua sugestão se trata de uma aberração, mas ele precisou dar início a uma mudança de estratégias porque "quando se joga o jogo dos tronos, ou você vence, ou você morre" e sem dúvida os tucanos estão desesperados para vencer. Eu, como mero observador disso tudo, já estou me divertindo com a divagação de ver um dia o PT e PSDB se aliando contra um PMDB na presidência, inspirado por Conan Doyle, através do seu eminente detetive: Considere todas as possibilidades, tudo pode ocorrer, mesmo a mais improvável; só descarte o impossível.
    Eis que surge a grande questão: Em se tratando de política, o impossível existe?

    ResponderExcluir
  3. gostei da sugestão no ultimo paragrafo, mas não concordo com as aspas nem com o "é claro", rs rs

    ResponderExcluir
  4. O roteiro do golpe paraguaio está pronto : dia 16.08 manifestação amplamente convocada pela TV e jornais com a participação de tudo o que é contra as mudanças dos últimos 12 anos - dos saudosos do golpe militar a qualquer desavisado que passe na rua; 19.08 - ouvindo o "clamor da ruas" e assentado em qualquer detalhe contábil, inclusive em oposição a sua jurisprudência, o TCU , a partir do voto de um ex-vereador da ARENA aprovará parecer rejeitando as contas da presidente referente ao primeiro mandato; moto-contínuo levam-se as contas para julgamento no Congresso e sacramenta-se sua rejeição ; protocola-se o pedido de impeachment, que será desta vez acolhido por Eduardo Cunha, que ainda dirá que está isento pois arquivou treze pedidos antes ( todos absolutamente ridículos) e aí começará a pressão voto a voto, sem afastar a hipótese de neste meio tempo ocorrer a prisão de Lula na "lava - jato" via teoria do "domínio do fato". Será vendida a idéia de um governo de alto nível ( José Serra ministro da Fazenda) comandada pelo vice Michel Temer. O problema todo é, como diria Garrincha, se já combinaram com os "russos" . Temer aceitará ser instrumento disto e gerir um governo tutelado pelo PSDB ? Isto ocorreria sem nenhuma reação de quem tem o mínimo de apreço pela democracia ? O STF assistiria calado este rasgar da constituição ? Do impeachment de Collor, como tragédia do afastamento por corrupção do primeiro presidente eleito após a democratização teremos a farsa da primeira presidente cassada por causa das partidas dobradas ? As apostas estão abertas.
    Carlos Botelho

    ResponderExcluir

  5. Presidente Dilma estaria com a carta-renúncia minutada. Foto: Lula Marques/PT


    Apesar de ter declarado que “suporta a pressão”, a presidente Dilma já teria preparado uma carta-renúncia. Fontes do Palácio do Planalto garantem que a redação da carta não foi um ato solitário, como é comum nesses casos: Dilma teria contado com a ajuda de dois dos seus ministros mais próximos, Aloizio Mercadante (Casa Civil) e José Eduardo Cardozo (Justiça), apesar de ambos serem contrários à ideia.

    Confirmada a renúncia de Dilma, o vice-presidente Michel Temer (PMDB) assumiria imediatamente o comando do Executivo.

    Além da renúncia, há outras hipóteses para a saída de Dilma: ação na Justiça Eleitoral e representação da oposição por crime financeiro.

    A ação eleitoral por financiamento ilegal de campanha pode culminar no cancelamento do registro da chapa. Assim, cairiam Dilma e Temer.

    Se prosperar a representação da oposição na Procuradoria-Geral da República por crimes financeiros, Dilma também poderia ser cassada. Leia mais na Coluna Cláudio Humberto

    ResponderExcluir
  6. Manifestação do Blog Rovai em relação ao boato sobre a carta renúncia da Dilma

    Na esfera pública das redes, pessoas que se achavam importantes no mundo jornalístico passaram a ter sua estatura real. Aparecem como são nos espelhos digitais da audiência: baixas.

    Para não sumirem, fazem malabarismos. Xingam Dilma e Lula. Falam do Foro de São Paulo, como se ele tivesse a importância de uma Internacional Socialista, e mandam seus adversários intelectuais para Cuba.

    Mas há também os que enveredam pelo circuito da disseminação de boatos e informações que não fazem o menor sentido, mas que viralizam porque há muitos idiotas que acreditam em qualquer coisa.

    Um desses é o ex-porta voz do presidente Fernando Collor, o jornalista do bateu levou, Cláudio Humberto.

    Ontem, o ex-porta voz mitou. Chegou ao limite da insensatez. Publicou uma nota afirmando que Dilma já escreveu sua carta de renuncia e que foi acompanhada na feitura pelos ministros Aloizio Mercadante e José Eduardo Cardozo, o que, segundo ele, é algo incomum.

    A informação não só não tem lógica. Não tem fonte. Mas o que importa?

    No circuito da boataria e do jogo sujo ela faz sentido. E é pra esses que Cláudio Humberto sempre escreve.

    Há um tipo de psicopatia informativa que cada vez mais vem ganhando força e fazendo escola.

    Isso precisa ser combatido. E aqueles que forem atingidos tem que fazer como Romário. Ir pra cima e exigir reparação. Este é um dos casos que deveria ser tratado como exemplar.

    Se esse tipo de coisa não for tratada de forma responsável e dura pelos atingidos, esse tipo de leviandade perde o limite,

    ResponderExcluir
  7. os acionistas de empresas não estão sendo respeitados.

    ResponderExcluir
  8. Legitimidade é uma coisa credibilidade é uma coisa bem mais profunda. O governo Dilma já acabou o que resta agora é constituir um outro governo mais democrático possível.
    Na falsa democracia em que vivemos, só nós resta perguntar quem a Rede Globo apoiaria, para que a gente vote contra.

    ResponderExcluir
  9. caso carf, que vergonha, só aceitavam os argumentos dos reclamantes mediante o pagamento de propina, e era gente lá colocada por indicação politica.

    ResponderExcluir
  10. Para a sorte da DILMA, a oposição que também é de esquerda igual a ela, caminha dividida e sem rumo.
    AÉCIO, quer ser Presidente através de decisão do TSE, pois, a chapa DILMA e MICHEL cairia.
    ALCKIMIN, quer ser Presidente em 2018, e torce que a DILMA, continue no poder, pois, até lá a mesma estará sangrando.
    JOSÉ SERRA, quer que DILMA reuncie, pois, MICHEL TEMER seria Presidente e ele seria um super ministro, com chance de ser candidato em 2018.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.