11/07/2015

Omar Sharif

Screen 010

Faleceu na sexta-feira (10), na cidade do Cairo, aos 83 anos, Michel Demitri Shalhoub. Esse nome, todavia, não seria reconhecido nas manchetes que se abriram no mundo inteiro, pois, após converter-se ao islamismo, para se casar, Michel Shalhoub mudou o nome para Omar el-Sherief.

A fama, como um dos pioneiros atores de origem árabe a conquistar Hollywood, mudou a grafia para Omar Sharif, que depois do sucesso alcançado como ator coadjuvante em um dos mais espetaculares filmes de todos os tempos, "Lawrence da Arábia" (7 Oscars), passou a ser um dos mais requisitados atores do cinema mundial.

Screen 011

Omar Sharif estreou em 1954, como um promissor ator da indústria egípcia de cinema – sim, o Egito já teve uma indústria de cinema – no filme “Shaytan al-Sahra”, que foi veiculado nos EUA com o título de “Devil of the Sahara”. Depois disso fez mais 15 filmes com temáticas árabes até que em 1962 Hollywood o chamou para ser o coadjuvante Sherif Ali, de “Lawrence da Arábia”. Dali pra frente Hollywood submeteu-se à tez fortemente peculiar de Omar Sharif.

Depois de Lawrence da Arábia, em 1965, veio o que, para mim, foi a obra prima de Omar Sharif e uma das melhores produções de Hollywood: a adaptação do magnífico romance épico do russo Boris Pasternak, “Doutor Jivago”, para o cinema, que arrebatou cinco Oscars. Sharif, no papel de Jivago, contracenou com a bela e talentosa Julie Christie, no papel de Lara.

Screen 012

Na verdade, o nome do personagem de Julie Christie em Doutor Jivago é Larissa, chamada de Lara no romance e no filme, como um diminuitivo carinhoso. Quando vi “Doutor Jivago”, em 1974, decidi que colocaria, em uma filha que viesse a ter, o nome de Larissa, que é o nome da minha filha do meio.

Os créditos de “Doutor Jivago” são superlativos e o cinema jamais conseguiu, de novo, reunir tanto talento e estrelato em um só filme. A direção foi de David Lean, a produção foi de Carlo Ponti, o roteiro foi de Robert Bolt, os atores principais foram Omar Sharif, Julie Christie, Geraldine Chaplin, Rod Steiger e Alec Guinness.

A trilha sonora foi um talento à parte. O “Tema de Lara”, composta por Maurice Jarre, é uma das mais belas composições já feitas para o cinema e a mais terna de todas as valsas, abaixo defendida pela batuta do maestro Sir Colin Davis, da The Royal Philharmonic Orchestra of London (pra você, lalinho):

Desde “Shaytan al-Sahra”, no qual estreou aos 22 anos, até o seu último trabalho, no início de 2015, no qual ele foi o narrador no ainda inédito no Brasil, “1001 Inventions and the World of Ibn Al-Haytham”, Sharif, em 61 anos de carreira, fez, entre filmes e séries de TV, 89 trabalhos.

Apesar de ter dividido residências na França, Itália e EUA, Sharif, há dois anos, depois que começou um processo de Alzheimer, que foi confirmado pelo seu filho, Tarek, no início de maio desde ano, mudou-se para o Cairo, alegando que queria morrer no país em que nasceu.

Screen 014Que a terra lhe seja leve….

Um comentário:

  1. É tão triste quando uma pessoa que nos provação tantas emoções como um ótimo ator se vai.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.