15/07/2015

O Paradoxo do burro

Shot 001

Alguém assalta o Banco Central e de lá leve R$ 100 milhões. O país onde fica o banco, em dificuldades para fechar as contas e sem expediente para recuperar o dinheiro, propõe ao ladrão que pague ao tesouro 35% dos R$ 100 milhões e em troca poderá gozar dos R$ 65 milhões restantes.

É esse tipo de anistia que o governo propõe na medida que possibilita a repatriação do dinheiro evadido do Brasil sem a devida declaração à Receita Federal.

O ministro Joaquim Levy, ao tentar explicar que apenas o dinheiro de origem legal gozará da medida, enquadra-se no paradoxo do burro barato que é caro:

1.Um burro bom e barato é raro.
2.Tudo que é raro é caro.
3.Logo, um burro bom e barato é caro.

Primeiro porque não é possível elaborar a cadeia dominial dos aproximados R$ 300 bilhões expatriados sem declaração.

Segundo porque todos os valores transferidos a depósitos para fora do Brasil, sem a devida declaração à Receita Federal, são ilegais, independendo para tal enquadramento se eles foram adquiridos por procelas ou por bonanças, portanto, o que a medida faz, tecnicamente, é anistiar um crime mediante o pagamento de um percentual.

Se é melhor ter R$ 100 bilhões agora do que R$ 300 bilhões não se sabe como e nem quando, é outra história e é com essa veste que a questão deve ser discutida, sem purpurinas reluzentes a dourar a pílula que se deseja servir.

Quanto a mim, sem problemas, desde que, na mesma medida, atendendo ao princípio da igualdade constitucional, estenda-se a anistia a todos os réus da operação Lava Jato e assemelhados que hoje respondem processos com repercussões monetárias, inclusive de ordem tributária interna.

Se todos pagarem 35% sobre o que supostamente subtraíram e puderem ir gozar a sobra como lhes aprouver, os R$ 100 bilhões seriam troco, pois seria possível acrescer uns R$ 500 bilhões na tulha (só os valores em depósitos judiciais oriundos de bloqueios dariam mais que isso), e ainda de quebra aliviaríamos o Poder Judiciário em quase metade dos seus processos.

Já que estamos, por dinheiro, a perder o pudor, como disse o dramaturgo Nelson Rodrigues, “vamos fazer dele a mais afrodisíaca das virtudes”.

6 comentários:

  1. Francisco Marcio15/07/2015 08:36

    É o pior - ou seria o melhor?!? - com a "politeía" nem isso o congresso aprovará. Atrapalha seus planos Excelência, essa não aprovacao?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como sempre na física, depende do referencial.
      Eu não estou incluso na medida. Como eu já disse, sou o único brasileiro que adora pagar imposto. Deve ser um desvio de personalidade.

      Excluir
  2. Na gestão desses ********* nunca saberemos o que está por trás. Duvido que seja apenas uma maneira de engordar as receitas públicas? Realmente, se quem remeteu ao exterior dinheiro ilegalmente, vamos acabar no Brasil com o crime de evasão de divisas.

    "Efetuar operação de câmbio não autorizada, com o fim de promover evasão de divisas do país:

    Pena- reclusão, de 02 a 06 anos, e multa.

    Parágrafo único: Incorre na mesma pena quem, a qualquer título, promove, sem autorização legal, a saída de moeda ou divisa para o exterior, ou nele mantiver depósitos não declarados à repartição federal competente.

    ResponderExcluir
  3. o erro a que o nobre politico se refere, que foi usar a palavra legal, é apenas um problema de semantica.
    se uma pessoa pega o dinheiro de seu salario e converte parte em dolares e deposita em banco no exterior (sem passar pelo banco central), não é exagero dizer que o dinheiro é de origem legal, embora seja ilegal por causa de não seguir o caminho previsto pelas leis.

    eu suponho que o ministro não conseguira repatriar praticamente nada, e ele sabe disso. Na atual conjuntura brasileira, menos de 1% dos que tem dinheiro no exterior gostariam de trazer de volta, tanto os bons como os ruins, eu suponho.

    outrossim, não gosto de ver o ministro de olho as heranças.
    parece que esse pessoal do pt não aprendeu a emitir dinheiro, em vez de emitir, fazem coisas que são piores.
    a inflação é de origem comportamental e psicologica. Exemplificando: a presidente certa vez falou com o "dono" da cosan, de repente não gostou do que ouviu e encerrou abruptamente a conversa. O efeito inflacionario dessa grossura é equivalente a emissão de :
    a) 20 bilhões de reais
    b) 30 bilhões de reais
    c)...

    com essa grossura, um certo numero de empresarios diminui os investimentos, reduzindo a oferta de bens e serviços, o que tem um efeito inflacionario.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se alguém pega o seu salário, compra dólares e deposita em uma conta no exterior sem declarar isso à Receita Federal, aí está o paradoxo do burro: um dinheiro legal que é ilegal, ou seja, quem faz isso sujou o próprio dinheiro. É a lavagem invertida.

      Excluir
  4. Se aprovada essa aberração, o Brasil oficializa na Receita Federal a maior lavandeira do mundo.
    Parafraseando Lula: Nunca na história deste país se usou tanta maquiagem para esconder roubalheira...
    O Brasil não precisa de mais nada...bastam fábricas de cosméticos

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.