15/07/2015

Imprensa retifica manchete sobre veículos apreendidos do senador Fernando Collor

Shot 012

O açodamento com que a imprensa desdobra manchetes, para alimentar a esteira das notícias, fez com que ontem (14), logo após anunciar a busca e apreensão dos veículos de luxo do senador Fernando Collor (PTB-AL), a imprensa abrisse outra manchete: “Carros de luxo encontrados na casa de Collor não foram declarados à Justiça Eleitoral”.

É que os jornalistas foram até a declaração de bens de Collor, obrigatória à Justiça Eleitoral, e não leram lá listados os três veículos apreendidos, concluindo, então, que foram sonegados.

Hoje (15), toda a grande imprensa teve que se desmentir, pois os três veículos apreendidos não estão no nome do senador e sim de empresas das quais ele faz parte e a declaração exigida pela Justiça Eleitoral são as dos bens da pessoa física, por isso, inclusive, os veículos, provavelmente, terão que ser devolvidos.

Mas para não deixar de dar uma marretada na ferradura, a Folha de S. Paulo, publicou a relação dos veículos em nome pessoal de Collor, declarados à Justiça Eleitoral e seus respectivos valores:

Só faltou na relação aquele fatídico Fiat Elba… 

12 comentários:

  1. Francisco Marcio15/07/2015 22:02

    Eu me esforço pra ter um saber, mas é em vão. Não vejo motivos para imprensa ter corrigido-se, afinal, os veículos não constam no IRPF do honorável senador. Por quê? Porque não está no nome da pessoa física e sim no nome de pessoa jurídica, simples assim. Ora pois... a imprensa não disse nenhuma inverdade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é simples assim. A imprensa deu a manchete como sendo mais um crime de Fernando Collor, que é o de sonegar bens à Justiça Eleitoral e assim ela foi lida por todos. Portanto a retificação era necessária, pois Collor não cometeu crime algum em não declarar os veículos, visto que não são dele e sim de empresas.

      Excluir
    2. Então não há nada demais no Joaquim Barbosa desfrutar de um apartamento em Miami comprado por uma empresa no nome dele.

      Excluir
    3. Pela sua ótica, então, o Joaquim Barbosa é da mesma laia do Collor.

      Excluir
    4. Francisco Márcio16/07/2015 12:48

      Qual a laia de quem abre uma empresa com o único fito de beneficiar-se das questões tributárias em compra de apto, em atentar para o verdadeiro fim social de uma empresa?

      Aqui não achamos anjos - inclusive eu não o sou.

      Excluir
    5. nós brasileiros somos malandros por natureza!!

      Excluir
  2. Collor se elegeu após um grande estelionato eleitoral em que prometia acabar com os 'Marajás da República'. Pelo visto ele não só abandonou a caçada aos marajás, como tornou-se um deles, e sabe-se lá se através das propinas da Petrobrás também. Realmente a pensão da ex-esposa Rosane é uma mixaria; pois um cara com dezenas de carros de luxo desses, poderia pagar o dobro ou o triplo brincando.

    ResponderExcluir
  3. No caso então, as empresas são "os laranjas" do digno senador.

    ResponderExcluir
  4. Francisco Marcio16/07/2015 07:03

    Não li em jornal algum: Collor cometeu crime por ter ocultado bens... Li que "Elle" não declarou seus carros no IRPF. E isso ocorreu, certo? Qual o motivo da não declaracao? Cabe ao Senador explicar - o que prontamente ele fez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. “Carros de luxo encontrados na casa de Collor não foram declarados à Justiça Eleitoral” = "Collor sonegou bens à Justiça Eleitoral". Esta é a leitura crítica. Tanto sabem o Globo, Folha e Estadão, que assim foram lidas as suas manchetes, que os três as retificaram para esclarecer.

      Excluir
  5. Francisco Márcio16/07/2015 12:42

    = "Collor sonegou bens à Justiça Eleitoral". O sinal de igualdade é por sua conta. Quanto a retificação, é mero receio das retaliações/ ações judiciais... V.Excelência sabe: pensar não é crime e é livre...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é por minha conta o sinal de correspondência. E se os jornais, após verem o equivoco, retificaram por "mero receio das retaliações/ações judiciais..." é porque sabem que seria lido com esse sinal de correspondência, por pessoas maldosas como eu.
      Não foi só pensado: foi escrito, e lido, por mentes maldosas como a minha, como a notícia de um crime de sonegação.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.