16/06/2015

Os lobos não dormem

Shot 005

A três anos da eleição presidencial, o tucanato nacional está em alvoroço desde que a sua alta plumagem abriu uma guerra intestina, por conta da indicação do PSDB à sucessão de Dilma Rousseff em 2018.

Leia-se como “alta plumagem” o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o senador por São Paulo, José Serra e o senador por Minas Gerais, Aécio Neves, que já percebeu que não é o candidato natural do PSDB à presidência da República, mas já avisou que não entregará os tentos candidamente.

A recente eleição do diretório regional do PSDB de São Paulo abriu a brecha para se enxergar a disputa publicamente: o palco lançou, sem meias ou interpostas palavras, Geraldo Alckmin para presidente.

Serra e Aécio não estão para prosas e uivam que não descartam, inclusive, a saída do PSDB. Tudo sem pressa, obviamente, afinal ainda rolarão três anos de águas por debaixo da ponte e se a enxurrada for grande até a ponte afoga-se rio abaixo.

O próprio Geraldo Alckmin tem o seu plano B: poderia ir para o PSB e o namoro com a sigla já tem um soslaio que asseguraria aos socialistas o apoio do governo de São Paulo para eleger Márcio França governador do Estado.

Aécio Neves trabalha na moita, pois, acostumado às conquistas fáceis das noites cariocas, não é chegado às articulações longas, que demandem muito amor platônico antes da consumação do ato.

José Serra troca olhares com o PMDB, o que tem posto octanagem nas faíscas estomacais da maior federação partidária do Brasil.

É que os alfas do PMDB, encabeçados pelo vice-presidente Michel Temer, não descartam receber Serra na sigla e lançá-lo candidato a presidente, mas eis que surgiu mais um alfa que quer formar a sua própria matilha: o presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha (RJ), que quer almoçar Temer para que esse não o jante ao anoitecer.

Depois de se fazer presidente da Câmara, mais por seu próprio muque que pelo PMDB, Cunha elegeu o líder do partido na Casa, derrotando o grupo de Michel Temer, cuja hegemonia parlamentar reside no Senado.

O objetivo de Cunha é tomar o comando do PMDB, tendo como aliado o grupo do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, que tem como sonho de uma noite de verão ser o candidato do partido à presidência em 2018.

O Palácio do Planalto tenta colocar algodão entre os cristais, em uma incomoda e inglória posição, pois o mero olhar para agradar um lado é visto pelo outro como preterimento.

Político que dorme, em qualquer lugar do mundo, mas especialmente em Brasília, acorda morto.

10 comentários:

  1. O PMDB poderia abrir as portas para GERALDO ACLKMIN, que tem mais chances de vitória. E o PMDB poderia desembarcar logo deste governo, que só faz utilizar o partido para fazer o trabalho impopular. ACORDA PMDB!!!!!
    A cada eleição, o PMDB vem diminuindo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o Helder vai fazer o que? Apresentar o Barra Pesada?

      Excluir
  2. Eduardo Cunha aparelhou e domesticou o legislativo com seu time de evangélicos.O estilo cesarista casa perfeitamente com o medievalismo de seus aliados pentecostais. Aos poucos, diante de pouca ou nenhuma resistência, eles foram entrando como ratos em cada cômodo da casa.

    ResponderExcluir
  3. o psdb so pensa em 2018,so que tao esquecendo de cuidar da base,o que fizeram com o empresario amarildo paulino em xinguara e uma grande sacanagem,entregaram o partido para o osvaldinho. que nao sabe se vai ou se fica.tam agindo da mesma forma do ex deputado giovanne queiroz que de tanto intervir nas comissoes municipais acabou na rua da amargura sem o cargo de deputado federal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Oswaldinho, conhecemos há bastante tempo desde quando era funcionário do Banco do Brasil. Ele não vai para o PSDB. Ele nunca saiu de lá. Ele apenas se aproveitou da sigla PMDB por uma temporada. Portanto ele apenas continua.

      Excluir
    2. realmente ele nao saiu da aba do psdb,so que quando o davi do pt, mandava em xinguara, durante 8 anos, quem levou as cipoadas plo psdb foi o amarildo.portanto nao e justo tomar lhe o partido e entregar ao prefeito bandoleiro osvaldinho.

      Excluir
    3. Infelizmente a política paraense é assim mesmo, nem sempre os que lutam pelo partido levam a preferência.Lembrando que na Revolução Francesa, os que luram por ela não serviram para governar.

      Excluir
    4. Nas eleições passadas, o PMDB do Pará fez isto em Castanhal e em outros municípios e o resultado foi lamentável. O muito esperto se dá mal com suas espertezas.

      Excluir
  4. Por que será? Agentes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) fazem operações em Parauapebas, Castanhal, Vitória do Xingu e em outros municípios, menos em Belém. Será algum tipo de blindagem muito especial?

    ResponderExcluir
  5. Enquanto isto o governo usa a Alepa para pavimentar as parcerias públicas privadas, que se avizinham com empresários paulistas principalmente na área de educação. Palestras acontecendo para limpar o trilho, para o trem correr tranquilamente. O TCU somente em um gasoduto da Petrobrás encontrou 1.800 % de superfaturamento. Todo o cuidado é pouco. O senador José Serra, disse que quando governador de São Paulo,não concordou com esta prática que somente serve para impedir licitação e aumentar em muito a corrupção.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.