09/06/2015

HSBC anuncia oficialmente a saída do Brasil

hsbc

Finalmente o HSBC anunciou a sua saída do Brasil através de fato relevante publicado ontem (08) na Bolsa de Valores de Hong Kong. No mesmo documento o banco anunciou a sua saída da Turquia.

Com a medida, anunciou o HSBC, será possível cortar US$ 5 bilhões em custos e “conseguir um retorno sobre o patrimônio líquido de mais de 10% até 2017.”.

Os recursos advindos da venda das operações no Brasil e na Turquia serão totalmente investidos nas operações da Ásia, com foco principal na China.

As posições do HSBC, com 853 agências e 21.479 funcionários no Brasil, estão sendo disputadas pelo Bradesco, Itaú e Santander. As apostas na mesa do jogo carregam no Bradesco, que ofereceu, até agora, o maior lance: US$ 10 bilhões. Creio que o Bradesco quer mesmo quebrar a banca, pois as posições do HSBC no Brasil não valem, eventualmente, R$ 32 bilhões, mas o Bradesco não mete prego sem estopa.

Embora a imprensa reporte que os 21.479 funcionários do HSBC no Brasil serão demitidos com a venda do banco, sugiro que isso é uma informação equivocada, pois não é possível que o comprador não mantenha o estoque de pessoal. Se houver demissões, isso não deverá passar de 20% do estoque, como ocorre nas sucessões.

Mesmo estes 20% já considero muito, pois pela divisão do número de funcionários por agência, temos 25 funcionários por agência, o que é pouco, mesmo para os padrões bancários, que espreme pessoal até a última gota se isso representar um centavo no lucro.

Mas a eventual venda do HSBC não o tira de todo do país, pois ele ainda tem a Losango, que também está à venda há cerca de 4 anos, mas não encontrou comprador até hoje. Segundo os corretores, a venda da Losango empaca no preço pedido, considerado alto pelo mercado.

A Losango tem, todavia, no seu portfolio, o financiamento fechado de todas as operações da CVC, das lojas Hering e da Colombo, o que é uma carteira que não pode, de fato, ser vendida a preço de virada.

7 comentários:

  1. está escrito no texto que a eventual venda não tira o hsbc do país, Que pena!

    as demissões são feitas aos poucos, a medida que vão fechando agencias.

    já vi funcionarios de bancos incorporados se surpreenderem com a voracidade nas demissões, que não são rapidas. Os bancos incorporadores consideram o funcionalismo do incorporado como um lixo a ser jogado fora a medida que os novos vão apreendendo o serviço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Demissões há, de fato, mas não creio que na totalidade, pois 80% das carteiras é mantida, pois é essa escala que o comprador busca. A sua observação, todavia, é arrazoada.

      Excluir
  2. o bradesco ja pagou a conta do proer?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Bradesco não acessou o PROER. Foi, na verdade, um dos escolhidos para ganhar (muito) com o programa: comprou, a preço de banana em fim de feira, as operações do Pontual e um outro que não lembro agora, além de um punhado de operações menores.

      Excluir
  3. Francisco Marcio10/06/2015 15:54

    Com ativos de 2,6 trilhões, maior banco da Europa, o que me impressiona é como o HSBC conseguiu ter prejuízo no Brasil. Se Itaú lucrou 20 bilhões de reais, Bradesco 15 bi, tudo em 2014. Como é que esses ingleses conseguiram essa proeza?
    Será que a (má) gestão era a mesma da Petrobras?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles claudicam até globalmente. Para o tamanho deles um lucro global de US$ 18,7 bi é pouco.

      Excluir
    2. esse banco foi fundado para trabalhar para os traficantes de opio, ha mais de um seculo atras. Parecia que isso era coisa do passado, até que descobriram nos estados unidos que o banco trabalhava para traficantes e terroristas. Por gentileza pesquisem antes de criticar essa informação. Coloquem no google os tags hsbc, drugs, terrorist.
      Esse banco maltrata muito os clientes. Claro que não é só esse, mas esse chega a extremos.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.