11/06/2015

A reforma política avança, para trás

Screen 010

Em um movimento contrário à tendência mundial das democracias consolidadas, a Câmara Federal aprovou ontem (10), em primeiro turno, emenda constitucional que amplia os mandatos de presidentes, governadores, prefeitos e vereadores de 4 para 5 anos.

Os senadores terão os seus mandatos reduzidos para 5 anos, assim, todos os políticos do país terão mandatos com duração idêntica a partir de 2022. Isso não significa, todavia, eleições coincidentes como alguns desejavam.

Abaixo, como ficarão as eleições nacionais caso a emenda aprovada ontem seja aprovada em segundo turno e, idem, passe no Senado:

1. Os mandatos atuais continuarão sendo de 4 anos;

2. Os deputados distritais (deputados do Distrito Federal), estaduais, federais, governadores e presidente da República, eleitos em 2018, ainda terão mandatos de 4 anos;

3. Os senadores eleitos em 2018 terão mandatos de 9 anos.

4. Todos os eleitos em 2022, inclusive senadores, passarão a ter mandatos de 5 anos;

5. Quanto às eleições municipais de 2016, caso a emenda constitucional seja promulgada até um ano antes da data da eleição, que deverá ocorrer em 02.10.2016, os prefeitos e vereadores já terão mandatos de 5 anos. Caso contrário, os eleitos ainda terão mandato de 4 anos e os mandatos de 5 anos valerão para as próximas eleições municipais, que ocorrerão em 2020.

A forma como foi feita a alteração, em nada aproveita a democracia brasileira, ao contrário, afasta ainda mais o eleitor do eleito, pois hoje há eleições a cada 2 anos, o que facilita um processo de depuração menos lento da maturidade democrática que buscamos.

Caso a nova modalidade tenha vigor, haverá eleições a cada 5 anos para presidente, governador, deputados e senadores e no ano seguinte para prefeitos e vereadores, ou seja, o brasileiro passará 4 anos sem votar e isso é péssimo, pois afasta ainda mais os debates nacionais do maior interessado neles, que é o povo.

7 comentários:

  1. pelo que eu to vendo o presidente eduardo cunha ta apertando os seus pares para trabalhar.nunca vi tanta votaçao de materias como agora ,o ele e o cara ou os outros eram frouxo.

    ResponderExcluir
  2. Foi um grande acordão. Desde o início esses ******** queriam apenas fazer firula. Incluíram mais um ano às suas legislaturas. Nós merecemos.

    ResponderExcluir
  3. Reforma Politica...Isso tá mais pra caiação. Já que macaqueamos tudo dos norte americanos, porque não imitemos os seu sistema eleitoral, a começar pela eleição presidencial. Lá, a eleição só será no final do ano que vem; mas já tem diversos pretendentes em pleno corpo a corpo eleitoral tentando viabilizar sua candidatura. Enquanto, por aqui, estão falando em reduzir o tempo de campanha. Ou seja, nunca se discutirá a sério os problemas nacionais. Por isso, não se terá condições de escolher alguém que tenha reais condições de dirigir a nação. Taí o recente exemplo da eleição passada, quando tivemos esse embuste, que foi a eleição da Dilma.

    ResponderExcluir
  4. Meu caro, vc que foi deputado (e dos bons), como fazer reforma sem ferir os interesses daqueles que estão “reformando”? `deve ser como raposa tomar conta de galinheiro.

    ResponderExcluir
  5. ****, viu??!! o brasil é desestimulante!! triste...

    ResponderExcluir
  6. Os diretores de relações institucionais das TVs abertas têm procurado senadores para saber se a CPI da CBF vai investigar também os contratos de transmissão dos jogos por emissoras nacionais. Pergunta que o autor Romário, ainda não respondeu. Somente será considerada séria se investigar os contratos da Globo, que possui poder de transmitir todos os jogos do Campeonato Brasileiro de Futebol em todas as séries, afora outros esportes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As pessoas pareceram surpresas, nas redes sociais, com uma declaração da jornalista Mariana Godoy, ex-Globo, sobre os apresentadores da emissora.
      Numa entrevista, ela se disse feliz com seu novo emprego na Rede TV porque, finalmente, pode fazer perguntas, e não simplesmente ler as que os outros fazem por ela.
      Outros não. Outro: Ali Kamel, diretor de jornalismo da Globo.
      As pessoas achavam que os apresentadores da Globo tinham luz própria para fazer alguma coisa além de declamar.
      Não.
      Mariana fez questão de incluir Bonner na lista dos que são papagaios de Kamel.
      Mariana Godoy apenas mostrou, para os iludidos, como é o ambiente dentro das redações: péssimo, como o jornalismo que sai delas. (trecho extraído do DCM)

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.