12/05/2015

Medo da chuva

Em maio de 2014, já com linguagem voltada à batalha eleitoral que se travaria em outubro, o PT veiculou a sua propaganda partidária com a estética do medo, simbolizada por uma chuva torrencial e uma música que remetia à tristeza.

Shot001

As peças mostravam um povo feliz, com as suas necessidades básicas providas. De repente, esse povo olhava para trás (os governos de FHC) e se via em uma noite escura de chuva, cada um com um guarda-chuva destroçado pela tempestade.

O narrador, com uma voz grave e tensa, avisava que “não era possível permitir a volta dos fantasmas do passado”.

No domingo (10), o PSDB começou a veicular a sua propaganda eleitoral, em comercias de 30 segundos.

Em uma delas, aparece uma família sob uma tempestade, em uma noite escura. O pai, a mãe, a filha e um bebê no colo da mãe, tentam se proteger com um guarda-chuva.

Shot002

O narrador observa, com uma triste música ao fundo: “Economia parando. Preços subindo. Desemprego aumentando”.

De repente, uma mão arranca o guarda-chuva, deixando toda a família à mercê da tempestade. O narrador retorna, indignado: “E, justo agora, o governo aumenta os impostos, a luz, os juros, a gasolina e quer cortar o seguro-desemprego. Quando mais você precisa, o governo quer que você pague a conta dos erros que ele cometeu”.

À falta de originalidade, o PSDB, com a mesma estética, cobra ao PT os olhos e os dentes que esse lhe arrancou em 2014.

Mas bem que o PT poderia cobrar os direitos autorais. Se bem que quem inventou esse negócio de medo da chuva foi o grande Raul Seixas.

12 comentários:

  1. Em São Paulo o PT já acabou, quando vai durar no resto do Brasil, logo saberemos.

    E o PSDB já foi pro brejo? E o PMDB que já foi sem nunca ter ido, agora vai pro brejo de vez.

    Uma hora povo acaba aprendendo.

    ResponderExcluir
  2. Enquanto se discute o autor do mau cheiro da ocasião.... o vaso está entupido e os de sempre são usados para desentupir.... como se dêles se originasse a porcaria. Por isso o filme não muda.

    ResponderExcluir
  3. http://brasil.elpais.com/brasil/2015/05/11/opinion/1431351138_436101.html

    ResponderExcluir
  4. penso que o psdb fez uma boa propaganda, quem dera a sua atuação no congresso também fosse do mesmo nivel.
    tenho duvidas se o psdb é realmente um partido de oposição.
    dispenso a originalidade, o psdb retribuiu na mesma moeda, isto é perfeitamente valido.
    quanto ao governo do pt, não penso que tudo está errado, a diferença entre o inferno e o paraiso está nos detalhes.
    já quanto a segurança publica, a filosofia do pt está totalmente e diabolicamente errada.

    ResponderExcluir
  5. Lindo é ver a mesma garota propaganda do PSDB do Pará nas eleições para prefeito e governador fazendo propaganda contra a greve dos professores pelo Governo do Estado. A cara nem treme!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Embora respeite sua posição, não acho justo confundir o exercício da profissão com a emissão de opinião, principalmente na política, quando as pessoas rotulam de vermelhos ou amarelos os profissionais que veiculam peças publicitárias de cunho político. Situação semelhante é julgar o caráter dos advogados que defendem criminosos, alguns deles, autores de crimes bárbaros e hediondos. O profissional do direito foi preparado para defender o direito que, constitucionalmente todos possuem.

      Por outro lado, estão os médicos e os professores. Não tenho ouvido ninguém condenar o cirurgião que salva da morte o bandido, como também não tenho notícia de professor que tenha se negado dar aula a aluno que sabidamente é ligado à marginalidade no seu bairro. Ironicamente, alguns ministram aula até em casas penais.

      Portanto, a rotulação por si só, já é um ato de injustiça. Aliás, para ser justo, quero dizer que não tenho nenhuma das profissões citadas. Sou Administrador.

      Excluir
    2. Ganha do PSDB para fazer campanha nas eleições, depois ganha do Governo eleito para fazer propaganda. Você, como Administrador, não acha muita coincidência?

      Excluir
  6. Parsifal;

    Programa eleitoral do DEM ontem à noite. Ronaldo Caiado defendendo "os trabalhadores, os estudantes e as famílias pobres". Inicialmente eu ri tanto que me engasguei. Depois refleti e pensei no presente e no futuro próximo do Brasil; que mudanças estão porvir; o que vai ficar pior; não importando qual partido vá governar.

    Desde 1998 essa "tempestade" vem caindo sobre nós. Começou com a reforma da previdência, que submeteu as perspectivas previdenciárias dos cidadãos trabalhadores a um cenário de perdas incríveis, de incertezas, de injustiças, de cálculos perversos sob a justificativa de falsas premonições atuariais.

    E o que se vê desde então são governos metendo a mão no tesouro nacional sem nenhuma prudência; e os maiores 'guardas-chuvas' foram armados para proteger os interesses dos próprios políticos, dos grandes latifundiários, dos banqueiros, de especuladores, e dos grandes conglomerados empresariais apoiadores do aparelho do poder.

    Gostaria de usar um minuto em rede nacional de televisão para responder a todos esses programas políticos. Começaria chamando todos de mentirosos; de manipuladores da ignorância e da fé dos mais pobres; de carreiristas na função de achacadores do poder; de mentalidades criminosas cujo maior objetivo é o patrimonialismo as custas do achatamento da qualidade de vida dos mais pobres.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seu desabafo vai para o frontpage no final da tarde.

      Excluir
  7. O PSDB é mesmo uma piada. Ontem na sabatina do Fachin os Senadores Aécio Neves e José Serra não compareceram, pois estavam em uma entrega de prêmio, no exterior, para o FHC. Se utilizaram desse estratagema para fugir, covardemente, da inquisição ao futuro Ministro do STF que, se saiu muito bem, no meu entendimento, mesmo considerando que ele foi "político".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pra que fugiriam??? nao entendi...e espero que tenhm viajado por conta propria!

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.