08/04/2015

Do Planalto ao Jaburu

Shot001

A tentativa da presidente Dilma Rousseff de levar o ministro da Aviação Civil, Eliseu Padilha (PMDB), para a Articulação Política, na segunda (6) e a recusa deste na terça (7) demonstra a gravidade da situação política do governo.

A presidente jamais poderia fazer um convite sem antes estar certa de que o convidado aceitaria, pois a recusa cria uma fratura exposta no centro de uma coalizão com osteoporose.

Todavia, dizem as paredes, o vazamento do convite feito a Padilha não veio do Planalto, mas da Câmara Federal: o presidente Eduardo Cunha (PMDB), a quem Padilha procurou para ouvir, teria informado a imprensa e iniciado movimentos que levassem Padilha a recusar a oferta.

O vazamento do colóquio fez com que Pepe Vargas, locatário da pasta de Articulação Política, soubesse pelos portais que estava rifado, o que lhe fez cancelar as agendas e apresentar, ontem (7), sua carta de demissão à presidente.

Para remendar o rasgado, a presidente ofertou a Vargas a pasta dos Direitos Humanos, o que criou outro problema: a atual titular, Ideli Salvatti (PT), só soube que seria defenestrada depois que metade do corpo estava para fora da janela. Ou seja, o governo está tão derivado que se equivoca até quando quer ardentemente acertar.

A saída encontrada pela presidente Dilma para sentar a poeira, também pode ser um equívoco e coloca o vice-presidente Michel Temer (PMDB) no centro do redemoinho: a pasta da Articulação Política será extinta e o próprio vice-presidente está encarregado de lhe fazer as vezes desde o Palácio do Jaburu, a residência oficial da vice-presidência da República.

Temer, um gentleman, entendeu que não poderia se negar a pegar na rodilha, mesmo sabendo que não é possível assegurar que pode com o pote, pois o movimento está contaminado com a mesma inconveniência apontada sobre Padilha: o PMDB não marcha unido sob Temer, que cometeu um equívoco ao se contrapor a Eduardo Cunha na eleição da liderança do PMDB na Câmara Federal. Cunha venceu a queda de braço e, desde ali, tomar de Temer a presidência do PMDB passou a ser o seu sonho de consumo.

Sobre o novo arranjo do Palácio do Planalto, Eduardo Cunha já se manifestou: marretou o prego dizendo que agora o Planalto está melhor servido de articulação, e emendou castigando a ferradura ao avisar que o deslocamento da articulação política do Planalto para o Jaburu não muda em coisa alguma a postura dele e da Câmara Federal com relação ao governo.

Um provérbio português ensina que “onde quebrou o pote, lá se procura a rodilha”. O governo tem dois potes quebrados: um na Câmara e outro no Senado. Insistir em procurar a rodilha em lugares outros é um pecado original que continuará fazendo da solução, problemas.

5 comentários:

  1. Parsifal;

    A 'Solução Final' para o mérito profissional dos não apadrinhados pela politica.

    Enquanto o congresso nacional não perde tempo em transformar milhões de profissionais brasileiros em "blue collars" terceirizados, o supremo jogou água sanitária nas letras que contrariavam o mais escancarado nepotismo e agora está com uma injeção de botox pronta para afrouxar a musculatura do CNJ, que ainda luta contra o nepotismo, a venda de sentenças, a bandidagem de toga.

    Considerando a tradição secular dos empresários brasileiros em remunerar empregados num patamar muito abaixo e exigir que os mesmos se sacrifiquem muito além do serviço público (com exceção de alguns setores na capital de São Paulo). A criação da "Zona-Franca-de-Terceirização", válida em todo o território nacional, dá uma rasteira em milhões de brasileiros que almejam chegar a um cargo no serviço público com remuneração menos indigna e menos instável.

    O projeto a médio prazo é transformar o serviço público numa coisa menor e mais ociosa; porém suficiente para albergar filhos e apaniguados dos políticos (em caráter permanente) e curral eleitoral (temporário) para votantes. graças a oferta de empregos que não exigem concurso e que certamente serão melhor remunerados; uma vez que os profissionais competentes e sem nenhum pistolão político serão despachadas para os "campos-de-terceirização".

    Se eu visse hoje um "Urutu" municiado em frente a rampa do Congresso anunciando um novo golpe militar, iria saudar os granadeiros com muitas palmas. A imoralidade atual fede muito mais que a ditadura.

    ResponderExcluir
  2. Esse pessoal está tão perdido que parece câmara municipal de município pequeno com prefeito novato na lissa

    ResponderExcluir
  3. nessa contenda toda ,quem ficou de bobo da corte foi o ministro ,pepe vargas,ele dizia que tinha sido convidado pra sdh ,logo ficou sabendo que tinha sido demitido por telefone, o cabra trapalhao da porra.

    ResponderExcluir
  4. É o PMDB do Pará votou contra os trabalhadores na Lei da Terceirização.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.