02/04/2015

A Embraer é um orgulho nacional e a Petrobras, se lhe seguisse o rumo, poderia ser também

A Embraer, terceira maior fabricante de aeronaves comerciais do mundo, atrás apenas da norte-americana Boeing, a primeira, e da europeia Airbus, a segunda, talvez estivesse sofrendo do mesmo mal que a Petrobras atravessa se não tivesse sido privatizada.

Screen

No mercado, a empresa coleciona tentos: quando as duas primeiras operacionalizam prejuízos, a Embraer acaba de anunciar lucro líquido de US$ 347,7 milhões em 2014, 0,4% a mais que 2013.

Em tempos de vacas magras para as montadoras aeronáuticas, a brasileira segurou as pontas com US$ 20,9 bilhões em pedidos confirmados em 2014, o que foi um incremento de propostas firmes de 15% em relação a 2013.

Enquanto a Boeing e a Airbus resfolegam com o baixo retorno de encomendas para projetos de longo curso que custaram bilhões (787 Dreamliner e A380), a Embraer baila com as suas aeronaves domésticas de tiro curto, que são sucesso no mundo inteiro.

Na segunda-feira, por exemplo, a brasileira recebeu pedido firme da KLM Cityhopper, a low cost da Air France-KLM, de 17 aviões (15 E175 e 2 E190) e opção de compra de mais 17, o que significa uma entrada certa de US$ 764 milhões e, caso a opção de compra se torne pedido firme, a entrada dobra.

Para quem não sabe, a Embraer foi fundada, como estatal em 1969 (e foi pertinente a sua fundação como estatal, pois se assim não fosse não teríamos uma indústria aeronáutica nacional) e privatizada em 1994. O governo brasileiro manteve apenas uma cadeira no conselho de administração da empresa.

Para o governo do PT e para muitos brasileiros, é um sacrilégio falar em privatização da Petrobras, mas o PT, que vende mil vezes melhor que o PSDB (o arrecadado com todas as privatizações feitas pelo PSDB – e foram muitas - soma menos do que um único aeroporto vendido pelo PT), poderia aproveitar a deixa e colocar placa de venda na petroleira, que por ser uma empresa de altíssimo valor agregado, alcançaria um ótimo preço e alavancaria uma recuperação rápida, podendo, em pouco tempo, fazer brilhar a bandeira do Brasil como o faz a Embraer.

3 comentários:

  1. Francisco Màrcio02/04/2015 20:34

    Eu apoio sua proposta. O problema é que com sua proposta Vossa Excelência vai continuar no ostracismo, sem lenço e sem documento. Seu chefe arranjou a prole ( está correndo risco, mas isso é outra história ), mas desse jeito, Vossa Excelência vai continuar a fazer muito oragami e palavras cruzadas. Haja papel!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu nasci nu, sem lenço, sem documento, sem origami, sem palavras cruzadas e sem papel. Imagine se eu me avexo.

      Excluir
    2. Só o Parsifal mesmo! A Petrobrás é uma empresa estratégica e patrimônio nacional, e não pode ser privatizada. Esse absurdo de privatizar as nossas Empresas Estatais, começou no governo do maçom FHC; o mesmo entregou de graça as nossas Estatais, e agora a PTralhada quer fazer o mesmo com a Petrobrás. A verdade é que os políticos corruptos e, antinacionalistas, já foram comprados e muito bem pagos com dinheiro Sionista, para sucatearem a Petrobrás e vende-la a preço vil, e fazer do Brasil, um país subserviente, e totalmente dependente da escória do mal!!!

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.