11/03/2015

Até o último limite

Shot 004

Crentes que o governo agiu para incluir-lhes os nomes na lista de Janot (embora eu não creia na hipótese há elementos fáticos suficientes que podem ser índice da manobra) os presidentes do Senado e da Câmara Federal seguem se abespinhando com o Planalto.

Ambos desancam publicamente os articuladores políticos da presidente, Aloizio Mercadante e Pepe Vargas e não se rogam a tecer públicas e ácidas críticas ao governo, o que dá combustível à oposição e fragiliza ainda mais a presidente na ruas.

Hoje foi a vez do presidente do Senado fazer a salga do dia: ao ser indagado pela imprensa sobre a derrota do governo, que se viu obrigado, para não ver o veto presidencial derrubado, a negociar um escalonamento da correção da tabela do Imposto de Renda, Calheiros disparou:

"Esse governo parece que envelheceu e a base de sustentação da presidente, continua capenga".

Esclarecendo que falava “pelo Congresso” e não “pelo partido”, Renan, reafirmou que o seu papel é zelar pelo Congresso e que está “disposto a zelar pelas prerrogativas [do Congresso] até o último limite."

Qual será o último limite?

4 comentários:

  1. Em minhas elucubrações, faço um leitura diferente. Os caciques do PMDB não estão pressionando o Governo por acreditar que ele tenha trabalhado para incluí-los na lista do Janot, até por que onde tiver uma teta a ser mamada, lá estará o PMDB desses senhores.
    Eles sabiam que estariam na lista e começaram a pressionar o Governo para garantir uma provável absolvição.
    E o Governo já vem trabalhando nisso a muito tempo.
    O atraso na indicação do novo Min. do STF já seria um indicativo dessa estratégia, ou por que não teria um candidato confiável para indicar ou manteria o numero par na 2ª câmara beneficiando os réus ou mesmo o que aconteceu colocando um homem de confiança do Governo para Presidir a comissão, em uma manobra teatralmente ridícula.
    E a visita, sem vergonha, do Ministro Dias Tofolli à Presidente no dia seguinte foi para dar o recado aos políticos de que está tudo dominado.
    Teoria da conspiração, coisa de doido.

    ResponderExcluir
  2. Nobre Deputado,
    Lauro Jardim, escreve hoje, que um conhecedor das profundezas da alma do PMDB decifra o realmente o quer o partido:

    - O PMDB não quer o impeachment de Dilma. O PMDB quer que a Dilma precise desesperadamente do PMDB.

    Ou seja, o PMDB continua muito preocupado… preocupado consigo mesmo.

    ResponderExcluir

  3. Infelizmente quem tem se arvorado a defender não o faz com legitimidade, visto que defendem tudo menos o PMDB, partido que surgiu baseado, principalmente, no direito à defesa. Michel Temer faz discursos fervorosos a favor do governo. A genética política do Renan Calheiros e Eduardo Cunha não os credenciam para tal. Sinto falta do Pedro Simon.

    ResponderExcluir
  4. O PMDB colocou o PT no Planalto. Sem o apoio do PMDB Dilma não se reelegeria. Dilma tem que entender que o PMDB quer ajudar o governo mas seus auxiliares diretos não deixam, ou ela mesma não ajuda.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.