13/02/2015

Paulo Roberto Costa conta que Odebrecht lhe pagou US$ 31,5 milhões por bom relacionamento

Shot 001

As delações premiadas da Lava Jato vão sendo homeopaticamente impressas nos jornais nacionais.

O percentual de verdade delas é de difícil aferimento, pois delatores são pródigos em romancear narrações para dar a elas ares de veracidade. Como à polícia e ao Ministério Público é mais cômodo acreditar para finalizar as respectivas tipificações acabam os alcaguetes valendo o quanto dizem, principalmente depois que a Justiça Federal passa a pagar delatores em milhões de dólares.

Ontem, verbi gratia, reportaram os jornais um trecho da delação de Paulo Roberto Costa no qual ele afirmou, em depoimento no ano passado, que a empreiteira Odebrecht, que ainda não foi apanhada na Lava, embora esteja na mira do jato, fazia-lhe depósitos, “a cada dois ou três meses”, em contas mantidas no exterior.

E qual o motivo da propina paga pela empreiteira à Paulo Roberto Costa? Mera “política de bom relacionamento” da empresa com ele.

E quanto empreiteira pagou, entre 2008 e 2013, para ter “bom relacionamento” com Paulo Roberto Costa? US$ 31,5 milhões, o equivalente a R$ 88,2 milhões.

Ou seja, além da Odebrecht pagar a propina “de praxe” que, segundo Costa, era “repassada a partidos políticos”, ela ainda pagava ao operador um gentil ágio a título de política de bom relacionamento.

Esse pessoal é prosa mesmo. Se ter bons relacionamentos, de graça, já é ótimo, imaginem pagando, em dólares, e na Suíça…

3 comentários:

  1. Um estado amoral é tudo o que um governo imoral deseja:

    Considerando a democracia como um sistema de representação popular e um estado de direito; governar sem nenhum sentimento de obrigação com o que a sociedade e os seus representantes políticos estabeleceram em lei, norma, boa conduta, ética ideologia ou coisas como o compromissos sociais é um assunto para uma boa reflexão sobre o encontro entre Simão Jatene e Edmilson Rodrigues.

    É possível que depois deste encontro tenhamos mais um atentado contra a lei, a ética, a moral, e tudo aquilo que até hoje representou o serviço público estadual, que não vê seus direitos cumpridos - nem após decisões judiciais, que vive uma espera sem fim pelo plano de cargos e salários, que a cada dia se desvaloriza diante de um governo que não realiza concursos públicos e lota os órgãos com contratações politiqueiras, fazendo daquilo que a lei diz que seria uma carreira um bico.

    O golpe em andamento deve ser contra a previdencia dos servidores estaduais; mais um pacotaço de cortes a ser tramado nos próximos meses; para o qual antigos adversários - que na questão do trevo do entroncamento chegaram a se comportar como antípodas políticos - agora estão se juntando, se alinhavando, se costurando, para viabilizar mais essa canalhice contra o servidor público estadual.

    ResponderExcluir
  2. Francisco Márcio13/02/2015 11:58

    A inveja ( ainda que parcial...) mata...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não estou com inveja, porque agora, imagine, virou crime investir em um bom relacionamento.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.