14/02/2015

Banalizando o impeachment

Shot 001

Um jantar ocorreu na quarta-feira (11), no Rio de Janeiro, com as principais lideranças do PMDB.

O prato principal foi a reaproximação do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral e a aproximação do presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), ao ex-presidente Lula.

Os presentes, como sempre tem ocorrido em petit comité com Lula, deitaram críticas à presidente Dilma e Lula, como sempre, confidenciou que ela não o tem procurado para discutir problemas do governo e nem se aconselhar sobre o escândalo na Petrobras.

Como todas as paredes que assistem reuniões de políticos têm ouvidos e não guardam o que ouvem, na quinta-feira (12) a presidente Dilma convidou Lula para um lanche, em São Paulo.

O encontro durou quase três horas e Lula aconselhou a presidente a sair do brete, partir para a elaboração de uma agenda positiva e escalar quantos valetes de espadas possa para rebater os ataques no Congresso e da imprensa.

A imprensa pratica o seu esporte predileto: fomentar uma dentada na jugular da presidente Dilma, no terceiro turno mais longo já visto na história do Brasil.

É fato que o escândalo na Petrobras tem o maior peso específico no desgaste do governo, que oxida a passos largos, soltando ferrugem à esmo, mas embora juristas conservadores, que desfilariam no abre alas da TFP, montem teses bizarras sobre a pertinência, não há elemento que autorize o impeachment da presidente.

Portanto, como de barro é o santo da democracia, é bom esse pessoal tomar chá de erva-cidreira e esperar a próxima eleição, pois banalizar um dos mais caros e severos institutos da representação popular, a cassação de mandato, é fruto não de um torque de civilidade, mas de um arroubo de ganância.

11 comentários:

  1. o impeachment e um dos pilares da democracia, para apear, autoridade corruptas do poder foi assim com o collor, e tambem pode acontecer com a atual presidente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E você acredita mesmo que o Collor foi cassado porque era corrupto?

      Excluir
    2. Essa lenda ainda existe deputado?

      Excluir
    3. É ambíguo o seu texto deputado, o sr fala dos juristas conservadores da TFP que ventilaram o impeachment de Dilma mas nenhuma linha disse a respeito de Eduardo Cunha.

      Excluir
    4. É ambígua a sua réplica. Eu não sei se o Eduardo Cunha desfiliaria na TFP, mas ele já declarou, com todas as letras, que é contra qualquer tentativa de impichar a presidente.
      A propósito. Nada tenho contra juristas conservadores: apenas não concordo com eles nesse específico tema, mas tenho um monte de coisas contra o Eduardo Cunha.

      Excluir
    5. Anônimo das 14:02,

      Você já viu alguma lenda morrer? Lendas existem para sempre.

      Excluir
  2. CLARO! Tão corrupto quanto Dilma, Lula, Sarney e outros bandidos que traem um povo vendendo programas e falsas pesquisas da REDE GLOBO, QUE BEM REMUNERADA, COBRA SEU PREÇO PARA MENTELOS NO PODER.
    Viva a REDE GLOBO são 50 anos de poder, o resto é resto.

    ResponderExcluir
  3. Maria Aparecida Cavalcante16/02/2015 17:17

    Tu, como sempre, usando de muita lucidez. Dilma não tem a vivência política de Lula e, cá entre nós e todos os teus leitores, não é nada carismática. Então, tem qye recorrer a Lula se quizer ter apoio no Congresso e junto a população.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é maricota. O problema é que o gabinete civil virou um drama hamletiano com o Mercadante, que arredou toda a influência do Lula no Planalto.

      Excluir
  4. quando divulgas(corretamente) as trambicagens do jatene nao é terceiro turno e no caso nacional é terceiro turno?? sei sei... abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O ponteiro da sua bússola está descalibrado. Criticar é papel da imprensa. Fomentar impeachment sem fundamento que indique nexo causalidade provado com a presidente é outra.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.