06/11/2014

PT e PSDB fazem acordo para poupar seus quadros na CPI da Petrobras

Shot 002

Eu sempre digo que CPIs são pantomimas e acordos de bastidores: a CPI mista da Petrobras, mais uma vez, ratifica-me a afirmação.

O PT e o PSDB já fizeram um acordo para blindar os seus respectivos próceres citados pelos delatores premiados como receptores de propinas advindas de recursos da Petrobras.

Pelo acordo, o PT não terá convocados para depor a senadora Gleisi Hoffmann, que tanto Alberto Youssef quanto Paulo Roberto Costa delataram como receptora de R$ 1 milhão para campanha em 2010, o esposo dela, ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, e o tesoureiro do partido, João Vaccari Neto.

O PSDB participa da comandita na garantia de que não será convidado a depor na CPI o empresário Leonardo Meirelles, um dos laranjas de Youssef, que também requereu delação premiada e afirmou em depoimento que vários parlamentares tucanos também receberam propina do Petrolão.

O relator da CPI, deputado Marco Maia (PT-RS), confessou o acordo PT-PSDB ontem (5) ao responder a repórteres que ocorreu “um acordo político, feito por todos os presentes, que se resolveu, em função da falta de densidade das denúncias".

Quando os repórteres correram ao encalço do deputado do PSDB de São Paulo Carlos Sampaio, esse também confessou que o PSDB “abriu mão de ouvir Gleisi e Vaccari.”

Enquanto o PSDB fazia o acordo com o PT para alcovitar seus respectivos primus inter pares, o senador Aécio Neves, na base daquele dito do bardo de que até o “diabo pode citar as Escrituras quando isso lhe convém”, fazia um duro discurso no Senado exigindo rigorosa apuração do Petrolão.

Então tá…

6 comentários:

  1. Deputado, quem está falando a verdade então:

    http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/nao-existe-acordo-entre-governo-e-oposicao-na-cpi-para-preservar-politicos/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O artigo não desmente o acordo, pois é impossível afirmar que ele não houve, já que foi declarado tanto pelo relator, do PT, como pelo indicado do PSDB. O Reinaldo apenas tenta explicar que o PT e o PSDB estão corretos em não convocar os seus principais.
      Essa CPI já nasceu morta, pois quer investigar o que atinge os principais líderes do governo (PT-PMDB-PP) e da oposição (PSDB-DEM) e tanto o PT quanto o PSDB não têm vocação para suicídio.

      Excluir
  2. o deputado do psdb em entrevista a folha de sao paulo negou o acordo na quinta feira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Negou não, como é típico dos tucanos, ele apenas disse o que já tinha dito com outras palavras:

      Na quarta, 05, ele disse:

      "Vamos excluir os agentes políticos, aqueles que estão nas delações premiadas e vamos ouvir aqueles que estão na Petrobras, são agentes técnicos. Abrimos mão de ouvir Gleisi e Vaccari. Todo mundo concordou".

      Quando todo mundo concorda, há um acordo, ou mudou a definição de acordo?

      Na quinta, hoje, 6, depois da declaração de Aécio fingindo que ficou zangado com o acordo:

      “Não houve acordo para poupar políticos, apenas a construção de um roteiro de procedimentos diante do curto prazo para a conclusão das investigações, que terminam em dezembro.”

      Ou seja, acordo para o PSDB virou “construção de um roteiro de procedimentos” em comum.

      Excluir
  3. SERÁ QUE SÃO DOIDOS?

    Amigos me avisam que existe um boato que irá haver confisco ou no mínimo congelamento da poupança, eu tenho colocado que isso pode realmente acontecer nas contas correntes com saldos significativos, na poupança só iram mexer se além de LADRÕES forem também DOIDOS, falo isso porque nem Deus salva a Rainha o povo brasileiro já conhece o rumo das ruas e isso era ventilado como solução caso o governo perdesse no Supremo a ação referente aos planos Bresser, Color etc!

    (((MCB)))

    ResponderExcluir
  4. Parece que o acordo anda capengando:

    http://www.cartacapital.com.br/politica/janot-e-o-probo-aecio-neves-7870.html

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.