14/11/2014

PF faz prisões, detenções e busca e apreensão em desdobramento da Operação Lava-Jato

Shot 001

Na esteira da Operação Lava-Jato e das delações premiadas já assinadas, a Polícia Federal deu hoje mais um chute no balde da corrupção na Petrobras, já chamada de Petrolão.

Nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pernambuco, Paraná e Distrito Federal, foram cumpridos ao raiar do dia seis mandados de prisão preventiva, 21 de prisão temporária, nove de condução coercitiva e 49 de busca e apreensão.

> Operação se volta às empreiteiras

Pela primeira vez a PF pula para o outro lado do balcão da corrupção e prende, além dos políticos corrompidos, a nata do empresariado nacional, os corruptores, todos com altos cargos nas maiores empreiteiras nacionais.

Nesta leva a PF prendeu o ex-diretor de Serviços e Engenharia da Petrobras Renato Duque, os empresários Ricardo Pessoa, presidente da UTC, José Ricardo Breghirolli, presidente da OAS, Edson Fonseca, da Galvão Engenharia, Othon Zanoide Filho, diretor da Camargo Corrêa, Oto Garrido Sparenberg, diretor da Iesa Óleo e Gás e Sergio Cunha Mendes, vice-presidente da construtora Mendes Junior.

Abaixo os mandados que ainda estão sendo cumpridos pela PF contra empresários e suas respectivas empresas:

Os contratos da Petrobras com as empresas dirigidas pelos empresários acima referidos somam cerca de R$ 59 bilhões.

Shot 002

Houve ainda a condução coercitiva, para prestar esclarecimentos, de Marice Corrêa Lima, irmã cunhada do Tesoureiro do PT, João Vaccari Neto.

> Valor desviado é calculado em R$ 10 bilhões

A Operação Lava-Jato investiga a lavagem de cerca de R$ 10 bilhões em um esquema de propina envolvendo contratos e negócios da Petrobras, e até agora foi decretado o bloqueio judicial de aproximadamente R$ 720 milhões em bens pertencentes a 36 investigados.

4 comentários:

  1. A política brasileira, realmente não nos surpreende. Claro que haverão constatações insossas de que a política não teria nada com isso, entre outras baboseiras. Na verdade, tem sim! Há uma consentida promiscuidade entre grandes empresas e políticos, que quase sempre dão em escândalos e a nossa histórica é sempre pródiga em exemplos. Dia desses, partidos políticos e a imprensa amestrada dizia a plenos pulmões que a Veja usou politicamente as lambanças na Petrobrás, tentando beneficiar o Aécio, com a publicação de matéria onde dizia explicitamente que o doleiro afirmou que Dilma e Lula sabia do Petrolão. Pois eis que a história, novamente sempre pródiga, nos dá hoje o exemplo reverso. Se partidos governistas diziam que a reportagem de Veja tinha viés político, a operação de hoje da PF desmente essa afirmação e vai além. Seria de bom tom agora a oposição dizer que as ações da PF hoje foram retidas para não prejudicar os governistas? Ou que os dados sobre os desmatamento na Amazônia e o balanço fantasioso da Petrobrás idem? Aliás, tem muita gente por aí sem dormir em face do Departamento de Justiça do Tio Sam investigar aleivosias na Petrobrás, que certamente vai esbarrar em adjacências... E não venham com esse papo de invasão ianque, pois as Leis de lá facultam a investigação de malandragens em empresas que negociam papéis pras bandas de lá. Quem tiver culpa, que pague. Simples, assim.

    ResponderExcluir
  2. Charles. Gostaria que você escrevesse no seu blog alguma coisa sobre um ilustre desconhecido de 99,9999999999% da população do Pará. Um cara de 5 letras de quem se ouve falar menos... do que... a vida sexual dos caranguejos da Nova Zelândia. Um fantasma pós-eleição. Ignorância total vira crime, leva facada, sem nenhuma parcela de perdão político ou tecnocrata.

    ResponderExcluir
  3. Parsifal , não seria Marice Corrêa Lima, cunhada do Tesoureiro do PT, João Vaccari Neto em vez de irmã?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é a cunhada. Os jornais já corrigiram e eu esqueci de corrigir aqui. Vou retificar.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.