11/10/2014

Cantareira: onde o mar virou sertão

Ontem o volume de água útil do sistema Cantareira, que abastece a maior cidade do Brasil e uma das maiores do mundo (São Paulo), chegou à marca histórica de meros 5,1% da sua capacidade regular.

Shot 005

O que se aprecia no Cantareira é de uma irresponsabilidade não somente do governo de São Paulo, mas do Brasil: o assassinato de um sistema de águas através da sangria do seu volume.

É como se fosse enfiada uma agulha de grosso calibre na jugular de um ser humano e deixasse a extremidade da vazão esvair o sangue até a voluptuosidade do nada. Foi assim, através da sandice da insustentabilidade, que feneceram prósperas civilizações pretéritas.

Mas, diante de tão desmesurada boçalidade, houve ontem (10) a ação do juiz federal Miguel Florestano Neto, que determinou, liminarmente, que a Agência Nacional de Águas (ANA) e o Departamento de Águas e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (DAEE) restrinjam o uso do Cantareira.

A liminar proíbe ainda que o Governo de São Paulo aumente o calibre da sangria através do uso da segunda parte do volume morto, ou seja, impede que o governo, além de enxugar o sistema, torça-o até desidratá-lo completamente.

O pior é que assistimos a morte de um sistema como se isso fosse algo coloquial. Parece que não progredimos em nada na percepção de que não deveríamos estar a singrar os céus se estamos a perder a terra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.