14/08/2014

O tempo passa…

Encarcerada em regime fechado há 12 anos, Suzane von Richthofen, 30 anos, que foi condenada em 2006, a 36 anos de prisão por coautoria na morte dos pais, em um crime que chocou o Brasil, conseguiu ontem (13) autorização judicial para cumprir o restante da pena em regime semiaberto.

Shot 025

Suzane já pedira por duas vezes a progressão do regime, mas a Justiça negou. Ontem, todavia, a juíza das execuções criminais de Taubaté, concedeu o pedido alegando que Suzane “encontra-se presa há 12 anos, não apresenta anotação de infração disciplinar, exerce atividade laborterápica com bom desempenho e ganhou moção de elogio na unidade prisional onde se encontra”.

Shot 024

O promotor da Vara de Execuções, que deu parecer contrário à progressão, declarou que vai recorrer pedindo o cancelamento do benefício alegando que embora Suzane “tenha sido equilibrada no exame criminológico, ela não passou no teste de Rouchet, que analisa o perfil da personalidade do sentenciado.”.

No regime semiaberto, o apenado pode passar o dia trabalhando e após a jornada de trabalho se deve recolher ao presídio.

5 comentários:

  1. A juíza deveria levar esse anjinho pra casa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. amigo, a moça ja cumpriu a sua pena e como todos tem direito ao que a lei prescreve...lembre-se que não existe pena de morte no país e após o termino da pena a "anjinha" voltará ao nosso convivio...

      Excluir
  2. Deputado,
    Tudo indica que esse promotor vai levar peia. No Brasil, nocivo depois do crime vira herói. Leia o livro o Quinto mandamento o qual a heroína faz parte. Só falta ela receber direitos autorais como o monstro do goleiro do flamengo.

    ResponderExcluir
  3. Parsifal;

    Me intriga o fato da mãe desta moça ser psiquiatra e não conhecer a própria monstrinha que criou.

    Esta menina representa toda uma ou mais gerações que estão aí na sociedade, cujo pouquismo em relação as tradições mais elementares de respeito à vida alheia e aos direitos humanos, me faz achar que toda essa discussão em torno de "penas alternativas", "maioridade penal", "regimes especiais", se aplica ao planeta habitável mais próximo do nosso, quem sabe na constelação de centauro.

    ResponderExcluir
  4. O direito à progressao tem requisitos objetivos, previstos na LEP, qualquer avaliaçao psicologica soh terá efeito se desaguar em doença, o q nao é o caso dessa jovem.
    Ela merece o novo regime, e que se exploda o Datena e Rachel Sherazayd, com suas pseudas doutrinas maximalistas, que pretendem voltar a idade da pedra e extrair a ultima gota de sangue do apenado. Se houvesse uma maquina do tempo, esses sensacionalistas deveriam retornar à idade media! Viva aos poucos apenados que conseguem se recuperar!!!!!!

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.