01/08/2014

Faroeste caboclo

Sob o Sol que nos protege, um policial militar, na feira do Ver-O-Peso, na quarta-feira (30),  aborda o feirante Marcelo Rodrigues, 28 anos, e dispara-lhe um tiro na perna. 

Shot 011

Ainda não rogado, o policial subjuga o feirante, que estava desarmado, e desfere outro tiro, na outra perna, quando a vítima, sem sustentação devidos aos disparos, vai ao chão.

Shot 013

Subjugado o feirante, o policial ameaça os mais afoitos, que queriam socorrer o colega.

Shot 015

Nada justifica a truculência policial. O Estado não deve, e nem pode, ser truculento e está obrigado a agir em estrita obediência aos protocolos normativos. Se concordamos com tal desproporcionalidade de abordagem estaremos aquiescendo que o melhor para nós é a incivilidade.

As fotos são de Amaury Silveira para o “Diário do Pará.

35 comentários:

  1. Os policiais que nos protegem...meu deus...!

    ResponderExcluir
  2. Talvez a ação do policial tenha sido um ato inconsequente, mas em conversa com duas feirantes, disseram que o sujeito atingido e "barra pesada".

    ResponderExcluir
  3. Bora, pessoal, ninguém vai comentar uma barbaridade dessas? Isso é covardia. Cadê vcs?

    ResponderExcluir
  4. procure saber quem é o elemento, ele age fazendo terror no vero peso, a irma do mesmo ta presa por assassinato, esse pratica assaltos na área viu. condenar e fácil dificel e intender a situação, o povo não agunta mais tanto bandido infelizmente esse policial agora sera o bandido e o bandido sera o cidadão e a sociedade sofrendo na mãos desses bandidos, vagabundos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas nada justifica essa atitude do policial. Pelas imagens fica claro que o elemento já está rendido e não aparenta que vai reagir. O dever da polícia é prender e entregar para a justiça, independentemente do crime ou da pessoa que o cometeu.
      André Leal - Tucuruí

      Excluir
  5. Bandidos são bandidos: agem fora da lei. Polícia é polícia: tem que prender o bandido sem infringir a lei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ponto pra você deputado. O cidadão poderia ser o maior criminoso que existe, mas se estava desarmado e não apresentava perigo não poderia ser baleado como foi. Precisamos de PMs que façam seu trabalho, mas dentro da Lei. Quem defende o mesmo é tão infrator quanto ele.

      Excluir
    2. Parsifal estás com pena do vagabundo, leva ele pra tua casa! Esse vagabundo nunca mais vai fazer gracinha.

      Excluir
    3. Ele já está na minha casa, e na sua também: moramos em Belém.

      Excluir
  6. Atirou na perna? Esses vagabundos que aterrorizam a cidade têm de levar bala na cabeça, senão nunca chegaremos a essa tal "civilidade"...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bala na cabeça e civilidade não combinam.

      Excluir
    2. Parsifal, deixa de fazer política barata! Nós policiais, aprovamos integralmente a atitude do nosso companheiro de farda. Civilidade pra vagabundo não existe!

      Excluir
    3. Discordo do senhor! Civilidade só se aplica a pessoas de bem, e não a vagabundos.

      Excluir
    4. 13:14

      Não faço política barata e nem cara: tenho opinião, da mesma forma que você tem a sua. Não estamos aqui tratando de política ou de preços e sim de comportamentos. Civilidade existe para todos, sejam bandidos sejam policiais devem considerar que erros e truculências não se justificam quando a atitude é desproporcional.
      Defendo, sempre, a PM, pois ela é uma instituição necessária e deve ser honrada e não pode deixar de punir quadros despreparados.

      Excluir
    5. 13:36

      Pessoas de bem que tratam vagabundos com truculência se tornam, naquele instante, tão vagabundos quanto eles. Civilidade é um conceito absoluto e a brutalidade só pode ser usada na proporção exata da reação.

      Excluir
  7. -Verdade ninguem aguenta mais tantos bandidos inclusive os bandidos policiais. Dar 2 tiros nas pernas de uma pessoa desarmada tenha dó. Hoje é ele amanhã será qualquer um de nós. TENHO MEDO DE POLICIAL.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens medo de policial por quê? Só quem teme policial é bandido, se és um, tens toda a razão! Agora não generalize à todos! Em todas as profissões existem os bons e, o maus profissionais, e na Polícia Militar não é diferente, e eu me incluo nesses bons profissionais.

      Excluir
  8. César Lins01/08/2014 20:59

    Extremo absurdo. Mesmo que se trate de marginal, a arma letal só deve ser utilizada em último caso se houver perigo à vida dos policiais. Isto é caso de expulsão da PM e de processo criminal por lesão corporal grave quiçá tortura.

    ResponderExcluir
  9. julgar e fácil, quando vc não e vitima do bandido ok, e nem sua família, por isso eu digo bandido bom e bandido morto ta.

    ResponderExcluir
  10. Caramba... quantos aprovam este comportamento...estou ficando cada vez mais preocupado!

    ResponderExcluir
  11. Quando vc tiver uma armar apontada pra cabeça de seus filhos, como fizeram com minhas crianças, talvez pense de forma diferente...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você sabe absolutamente nada de mim. Eu já tomei um tiro de bandidos. Já tive uma filha assaltada e outra filha foi vítima de sequestro relâmpago em São Paulo. Graças a Deus estou vivo e as minhas filhas estão ótimas. Agradeço a Deus, sempre, porque Ele me permitiu passar por isso sem que o ódio entrasse no meu coração, pois ódio só gera ódio.
      Eu não defendo bandidos. Defendo as regras, pois quem as burla, seja bandido ou policial, está errado.

      Excluir
    2. E quem é o senhor pra falar em regras?! O senhor não passa de um demagogo, defensor de bandido como todo político! Reze para que o senhor não bata de frente novamente com os marginais, porque talvez o senhor não venha a ter a mesma sorte que teve.

      Excluir
    3. Pelo seu linguajar de valentia covarde, pois escondida atrás da máscara do anonimato para acostar aleivosias, talvez você seja pior que o atirador ou ao atirado, pois ambos não escondem o rosto. E com certeza é bem pior do que o autor do blog, pois você sabe exatamente quem sou.
      Mas, para a sua reflexão, aí vai o Salmo 140: "Livrai-me, Senhor,do homem perverso, guarda-me do homem violento,cujo coração maquina iniquidades e vive forjando contendas.".
      E como não alongo conversar com valentes covardes. Eduque-se, aprenda e debater com cordialidade, e volte querendo, pois com o seu tom mal educado, a conversa está encerrada.

      Excluir
  12. Luiz Mário de Melo e Silva02/08/2014 09:16

    Enquanto isso, os bandidos políticos profissionais, assistem, de seus camorotes refrigerados, o povo se esfolando...

    ResponderExcluir
  13. Desconfio que o Anonimo1 seja o policial das fotos.

    ResponderExcluir
  14. Desconfio que o Anonimo1 seja o policial das fotos.

    ResponderExcluir
  15. e isso ai companheiro, como diz joao plenário da praça e nossa, que pobre e igual mulher buchuda solteira chora de barriga cheia. pobre anda de van e politico de avião, pobre quando viaja para tratamento de saúde fica em casa de parente ou amigo, politico fica em hotel 5 estrelas. com hora marcado com medico, quem paga a conta e nos.

    ResponderExcluir
  16. O Çel Neil e o delegado Eder Mauro são candidatos a deputado estadual, será, caso eleitos, eles teriam coragem de fazer o mesmo na Assembleia com seus pares, o que eles fazem com os ladrões de galinha na periferia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eles nao fazem nada com os ladroes de galinha

      Excluir
    2. eles nao fazem nada com os ladroes de galinha

      Excluir
  17. Policial bom tem que usar a arma e não dá mole, bandido que não obedece tem é que morrer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo contigo mano; vagabundo que não obedece a autoridade da lei, tem que se lascar! E o policial ainda foi bonzinho, porque só atirou no pé.

      Excluir
  18. Lamentavelmente parte das forças policiais do Pará está impregnada de malfeitores e inábeis. Instituição permeada de contradições, que não mais inspira confiança, pois não é parceira da sociedade. Nela há grupos permissivos com a criminalidade já que muitos de seus integrantes moram e convivem socialmente com a população marginalizada das periferias e convivem numa linha tênue com a criminalidade.
    O crescente medo, desconfiança e descrédito com a justiça fez com que a maioria da população desacreditasse nessas corporações, fenômeno que fortalece a impunidade e o crime organizado, que por sua vez estende de fortemente seus tentáculos nessas instituições.
    Há um processo de inversão nessas relações quando a autoridade policial perde a sua autoridade legal, passa a adotar a prepotência em suas ações, seja por temor a represálias legais, seja por desmotivação funcional ou e pela omissa coexistência com o crime, tipo: “não invade o meu terreno, que eu te deixo em paz”.
    O destemor em relação às forças policiais traz como característica que é o comportamento cada vez mais ousado e agressivo, adotado pelos bandidos como nos casos de roubos de armas e assassinatos de policiais, talvez motivado pela política de redução do comercio ilegal e legal de armas no país e que acabou desarmando a sociedade de bem.
    Curioso que não vemos notícias de que policiais federais foram vitimas desse tipo de crime ou assassinados. Será que e pelo fato de serem bem remunerados? De serem mais bem treinados ou de possuíram um sistema organizado e inteligente?! De possuírem sindicatos fortes?! Não seria o caso de unificarem as forças policiais e de desmilitariza-las?! Além de unificar os salários com os federais (PEC 300)?!
    Por outro lado o colapso do sistema de educação, ausência de empregos e salarios de qualidade; falta de valorização e despreparo dos profissionais da educação; falta de planejamento e desestruturação familiar, alem da alienação consumista de produtos fúteis e vulgares. Os precários investimentos em infraestrutura e custeio na educação e cultura beiram ao ridículo.
    A juventude paraense esta perdida, esta violentada e violenta, esta nas mãos do trafico, nas mãos da mídia que os tornou abobalhados, ignorantes. Quando trabalham acabam absolvidos pelo subemprego ou no mercado informal, vendendo roupas falsificadas e DVD piratas, balas nos coletivos ou lanches em bicicletas, já que escolas técnicas são raridades por aqui e Universidades ainda são excludentes.
    Já imprensa sensacionalista, com seus animadores de audiência que atuam também como caricatos gurus motivacionais, policiais, acusadores, juízes e garotos propaganda, continua cometendo o mesmo erro em espetacularizar a banalizada violência todos os dias, dissimulando as reias origens desse fenômeno, tratando-o como algo inevitável e natural. Perdeu a capacidade de incentivar o debate com setores que estudam e convivem cientificamente com esses temas e apontar alternativas civilizadoras ao caso. O estado violência acaba sendo um produto valioso, pois vender sangue e a morte dá um lucro considerável para um pequeno setor.
    Aí aparecerão pessoas que irão defender que o fenômeno e nacional. Sim, também é. Mas num estado que ostenta os piores índices de desenvolvimento humanos, a situação e mais grave e requer mudanças urgentes na criação e condução de políticas publica e sociais, pois o atual modelo que aí está sendo conduzido por um governo a há cerca de 20 anos, faliu. Modelo que tem desprezo da própria policia e de professores, é o prenúncio da barbárie nesse faroeste Caboclo.

    ResponderExcluir
  19. E quando fazem greve...ainda querem o apoio da população. Masss assssimmmm.....

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.