04/08/2014

Desinteligências palanqueanas

Shot 007

Dirimir querelas entre candidatos encima de palanques é um dos mais nervosos momentos das campanhas.

Nas campanhas municipais, onde os nervos estão à flor da pele, já apartei bate-bocas e desforços físicos, mas o mais singular evento foi, há mais de 10 anos, quando um candidato a vereador que discursava foi cutucado.

Ele virou ao cutucador oficial e alertou que o deixasse falar. Passados uns 3 minutos, o cutucador exerceu a função de novo. O candidato arribou a camisa revelando um reluzente Taurus calibre 38. Sacou a máquina e apontou ao cutucador bradando com a arma em uma mão e o microfone em outra:

- Se cutucar de novo leva tiro!

Entre o saque da arma e o aviso, ficou apenas eu, o candidato e o cutucador, sobre o caminhão. Os demais saltaram da carroceria feito bezerro novo em invernada.

Como dizia o meu pai, com um 38 na mão o mofino vira valente e com um 38 na frente, o valente vira covarde.

16 comentários:

  1. Couto interrompido

    ResponderExcluir
  2. Francisco Marcio04/08/2014 19:02

    HAHAHAHA. É por essas e outras que sou um assíduo leitor do blog, mesmo estando de férias ( plebeu também tem férias ), não vou pedir para V.Exa dar nomes ao bois, porque já sei a resposta: aguarde meu livro...

    ResponderExcluir
  3. Cada vez mais tenho certeza que meu pai pouco letrado diz" me diga com quem andas que eu te direi quem és"

    ResponderExcluir
  4. Parsifal;

    Legal! Conte mais desses casos.

    ResponderExcluir
  5. será que com essas barbeiragens o Paulo rocha já não tá eleito! kkkkkkkkk é claro que tá.

    ResponderExcluir
  6. Qual dos dois portava o 3 oitão?

    ResponderExcluir
  7. Passei na frente de duas escolas estaduais tradicionais da capital que estão passando por reformas: Escola Deodoro de Mendonça na Av. José Malcher, e o Instituto de Educação do Pará, na Av. Serzedelo Correa. O que me chamou a atenção? Os valores das reformas. Na primeira, com recursos integralmente do Estado, o custo da obra passou de R$ 2,5 milhões, na segunda, com dinheiro do Governo Federal, custo da obra de pouco mais de R$ 700 mil. Não entendi ainda como se gasta tanto para apenas pintar, com tinta de péssima qualidade, fachadas de escolas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo 23:38;

      Você tem percepção de uma coisa que está acontecendo há muito tempo na saúde pública também. Para distribuir medicamentos nos hospitais e unidades da SESPA, Simão Jatene contratou - por milhões de reais - uma empresa paulista chamada UniHealth. Depois que o dreno nas finanças foi estabelecido, a qualidade da oferta caiu, caiu, caiu, a ponto de faltarem hoje, medicamentos que nunca faltaram na saúde pública, nem nos piores momentos do governo Ana Júlia.

      Excluir
  8. Isso de não se entenderem é balela eu já vi o Mario pedir votos pro Jatene e o Jatene para o Mario , um em uma creche e o outro em um cemitério !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MCB;

      É como diz o 'cutucador oficial do PSDB' (Abdon): "é tudo farinha do mesmo saco".

      Excluir
  9. talvez te interesse essa informação: A ministra do meio ambiente admitiu que o orçamento do ministério é limitado e que por isso montou um sistema para gerir a milionária verba da compensação ambiental, percentual que empreiteiras de grandes obras de infraestrutura têm que destinar ao MMA para compensar danos ambientais causados. De 2011 a 2014 empresas destinaram R$ 780 milhões para o governo. Desse montante, R$ 140 milhões foram encaminhados para a resolução de conflitos fundiários dentro das áreas de preservação.

    ResponderExcluir
  10. Parsifal;

    Falando em 'cutucadores', quando é que o seu candidato vai começar a se manifestar em relação aos podres da saúde pública? Nem avisando os russos a coisa muda mais. Lá no telhado da Santa Casa centenária algumas árvores já passaram dos 5 metros de altura, cujas raízes arrombaram portas e janelas abandonadas. O auditório está cada vez mais irrespirável de tanta umidade e tanto mofo.

    ResponderExcluir
  11. Mais uma tragédia anunciada está pra acontecer no trânsito maluco, violento, sem fiscalização e impune de Belém: No trecho da Pedro Alvares Cabral a partir da ponte do galo até o cruzamento com a rodovia Artur Bernardes os veículos e motos não respeitam as lei de transito e trafegam em alta velocidade, principalmente a noite. Ali não há sinalização e deveriam ter lombadas ou passarelas. Às vezes alguns malucos trafegam na contra-mão e usam até nas ciclovia. A via e muito larga e muitos pedestres têm de atravessá-la. Agentes da Amub (CTBEL) ali não se vê nem a sombra. Tá dado o recado, Sra. Maysa Tobias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo o cara que passar lá a noite em velocidade MODERADA é louco e não existe lombada diurna, quanto a passarela só se for com um PM BOX na base ou vira ponto fixo de assalto e trafico, já estão lançando bicicleta contra os carros , o motorista para pensando que atropelou alguém ai mano fica de tanga porque só a cueca que os caras não levam!
      Uma pergunta , Qual o motivo de não ter dois policiais em uma moto? Até os bandidos sabem que moto só é funciona com dois, um para pilotar outro para agir!

      Excluir
    2. lombada?? velocidade moderada?? = a assalto!

      Excluir

  12. E por falar em AMUB (Ctbel), gostaria de saber se nessa instituição há corregedoria e se atua, pois conversando com alguns condutores de vans que trafegam do jurunas ao ver-o-peso, dizem que os agentes desse órgão municipal “pegam ponta” ( propina) constantemente pra libera-las e fazem vista grossa. Vai ver que é por isso que vemos inúmeras latas velas irregulares, sem freio, sujas e trafegando em alta velocidade e, algumas dirigidas por adolescentes sem habilitação, nas vias do Guama, São Bras, Jurunas, Cidade Velha, Comércio... Essa situação e grave! O risco de novos acidentes e mortes são iminentes.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.