07/08/2014

A desídia seria uma forma de corrupção?

O “Anonymous Pará” posta em seu sítio no facebook a fotos das 11 estações do que seria o BRT Belém, retiradas do local pela atual administração municipal, com a promessa de que seriam trocadas por um modelo diferente.

Na verdade, relata o “Anonymous”, as estações foram desprezadas “em um terreno a céu aberto localizado no Km 10 da Rodovia Augusto Montenegro, no Distrito de Icoaraci”.

Abaixo as fotografias, retiradas do facebook do “Anonymous”, de como a desídia pode afetar o erário, pois a deterioração das estações é prejuízo certo no bolso do contribuinte:

6 comentários:

  1. Penso que além da incúria com o Bem Público...o prefeito anterior e o atual batem na cara de todos aqueles que neles votaram.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Virgílio;

      Batem apenas não! Cospem, vomitam, urinam e defecam. A política nesta terra virou um escárnio coletivo.

      Excluir
  2. Νadzwyczаjnagłębiɑ-)

    Check out my homeƿage; effect b

    ResponderExcluir
  3. Parsifal;

    Como é que o Duciomar e o Zenaldo não têm uma gota de respeito pelo sofrimento daquelas pessoas que, três quadras abaixo da Av. Almirante Barroso, vivem debaixo de esgoto, literalmente em contato com lixo, animais mortos e dejetos humanos. Com o dinheiro posto fora no BRT, já teriam resolvido a situação da drenagem dos canais da parte baixa do bairro do Marco.

    ResponderExcluir
  4. Que BRT gente? BRT até onde sei, envolve ônibis especiais e terminais de integração. Aquilo é só um corredor pra ônibus sucateados que mata todas as semanas.

    ResponderExcluir
  5. A Prefeitura de Belém, por meio da Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém, informa que os abrigos exibidos pela reportagem são propriedade privada da empresa Andrade Gutierrez e em nada têm vínculo com a prefeitura municipal de Belém. O modelo, aos moldes dos abrigos de Curitiba e, por isso, inadequados ao clima de Belém, não foi aprovado pela Prefeitura de Belém nem pela Caixa Econômica Federal, financiadora do projeto, por isso foi retirado ainda em outubro em 2013 pela empresa sem ônus algum à prefeitura, portanto sem prejuízos aos cofres públicos. O processo de retirada foi inclusive acompanhado pela imprensa (veja, por exemplo, link do G1 http://g1.globo.com/pa/para/noticia/2013/10/semob-retira-paradas-de-onibus-implantadas-no-trajeto-do-brt.html)

    Os novos modelos de abrigo mais condizentes com o clima de Belém foram apresentados em audiências públicas realizadas em janeiro deste ano e serão licitados apenas quando o trecho do BRT Augusto Montenegro estiver concluído e os ônibus do BRT forem licitados, com previsão de até 2016.

    Como os abrigos são propriedade privada da empresa, a Prefeitura de Belém, portanto, não pode se pronunciar sobre o destino dado a eles pela proprietária dos equipamentos.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.