08/06/2014

Veterano da II Guerra foge de casa para participar da comemoração dos 70 anos do Dia D

No dia 06 de junho de 1944, o general norte-americano Dwight Eisenhower, comandante em chefe das tropas aliadas na “Operação Overlord”, mais conhecida como “Dia D”, falou aos guerreiros que lutariam na maior operação de guerra da história:

"Soldados, marinheiros e aviadores da Força Expedicionária Aliada! Vocês estão prestes a embarcar em uma grande cruzada rumo àquilo para o qual nós nos esforçamos nesses últimos muitos meses. Os olhos do mundo estão sobre vocês. As esperanças e orações das pessoas de todo lugar que amam a liberdade marcham com vocês".

Shot024

> O veterano Jordan

No dia 01 de junho de 2014, Bernard Jordan, 89 anos, que participou do desembarque na Normandia, pediu permissão à casa de repouso onde vive para se fazer à Normandia. O médico da casa não o autorizou, devido a sua debilitada saúde.

Shot026

> A maior invasão de força bruta da história

A “Operação Overlord”, composta por exércitos dos EUA, Reino Unido e França Livre, é até hoje a maior invasão de força bruta da história: três milhões de soldados cruzaram o nervoso Canal da Mancha desde a Inglaterra rumo à Normandia.

O objetivo era libertar a França das garras do Führer, fazendo-o recuar à Alemanha, onde seria encurralado por baixo pelas forças aliadas e por cima pelo destemido Exército Vermelho, da Rússia.

Shot027

> Foge de casa

O veterano Jordan não se resignou com a ordem médica. Aos 89 anos e saúde frágil, pensou que talvez 2014 pudesse ser o seu último ano de vida: na madrugada do dia 05 de junho vestiu o uniforme cravejado de medalhas, cobriu-se com uma capa de chuva e fugiu da casa de repouso.

Após uma viagem de balsa de 7 horas, Jordan, já no dia 06 de junho - 70 anos depois do dia em que, aos 19 anos pulou de um anfíbio - pisou nas areias normandas e rumou ao paço onde chefes de estados de vários países comemorariam os 70 anos do Dia D.

Shot033

Shot028

> 150 metros bailando com a morte

Os três milhões de guerreiros da coligação denominada “Força Expedicionária Aliada” desembarcaram ao longo de 80 quilômetros da costa normanda e imediatamente após o desembarque convergiram para uma zona delimitada entre Cherbourg e a foz do Rio Sena, o que os tornaria uma massa de ataque tão densa, que seria impossível represar.

Mas no trágico espaço de 150 metros desde o desembarque dos anfíbios, em praia aberta, até a primeira trincheira, o contra-ataque alemão fez a ceifadora bailar sobre a marcha dos aliados  arrebatando cerca de 48 mil guerreiros.

Shot029

Shot031

> Os paraquedistas

O Dia D começou na véspera, quando paraquedistas da coligação foram lançados para tomar posições alemãs ao longo do percurso dos exércitos que chegariam a partir da madrugada do dia 6.

Foi o maior lançamento de paraquedistas da história: cerca de 20 mil soldados caíram do céu sobre a Normandia.

Shot032

As baterias antiaéreas do Führer abateram mais da metade dos 20 mil paraquedistas lançados, mas os que conseguiram formar os seus comandos em terra, tomaram as principais posições que guarneciam o litoral, estabelecendo as cabeças de ponte necessárias à proteção dos exércitos que desembarcariam no dia seguinte.  

> Missão cumprida

Bernard Jordan deu um bom trabalho aos diretores da casa de repouso onde mora, que ocorreu à polícia para participar o seu desaparecimento e distribuiu fotografias dele pelas vizinhanças.

Um veterano que participava com Jordan das comemorações, ao ler os anúncios do seu desaparecimento, telefonou à casa relatando que ele estava bem.

Diante da repercussão do caso na imprensa inglesa, Sua Majestade, a rainha, pediu à Marinha Real que aguardasse o final da comemorações e conduzisse o veterano para casa.

Shot030

Para ver fotografias do Dia D e o mesmo local da tomada nos dias de hoje, clique aqui.

5 comentários:

  1. "que se fazem além mar" "para se fazer à Normandia" o verbo fazer é onipresente nos textos... não dá para usar outros com o sentido pretendido?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até dá, mas quando eu escrevo de uma só sentada, com pressa e não leio, pelo menos uma vez, o que escrevi, é isso que sai, no piloto automático.

      Excluir
  2. a verdadeira batalha da segunda guerra foi travada no leste e a urss foi quem segurou a temivel maquina de guerra nazista por mais de 4 anos.onde a waffen-ss matavam sem discriminaçao o povo sovietico com o bjetivo de esterminar aquele povo.mas foram detidos plo grande general zurkov e vastutin e aniquilado as suas forças no grande cerco perto korsum-shevechkovskiy onde começou a derrota dos nazista.portanto as grandes batalhas aconteceram no leste europeu e não na normandia como querem fazer acreditar os americanos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Houve grandes grandes batalhas na segunda guerra. Os russos e os ingleses foram firmes ao rechaçar as investidas de Hitler.
      O Dia D não foi, na verdade, uma batalha, mas um desembarque que se espargiu em várias frentes. E a retomada da França foi uma grande inflexão aos aliados como o foi a sua tomada para Hitler.
      O mérito do Dia D foi o movimento de tropas, algo jamais havido no mundo.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.