05/06/2014

Governo mantém assessores especiais que nada fazem e não contrata concursados para o fisco

Shot003

O governo do Estado gaba-se de aumento da arrecadação como se isso fosse exclusivo mérito da sua pegada: não é. Há a inflação e o incremento do movimento mercantil que não são apartados do bolo propagandeado.

Há espaço para que a arrecadação agregue efetivo aumento: o governo precisa nomear os aprovados para auditores e fiscais da receita, no concurso público realizado em 2013, o que proveria a Secretaria da Fazenda de mais pessoal especializado, o que ainda resolveria a grave prática de desvio de função no órgão.

> Em tempos de Copa, governo nem dá bola

Os aprovados no dito concurso, debalde tentam audiência com o governo para reivindicarem a devida nomeação – se o governo fez o concurso é porque precisava do pessoal e se não os nomeia, ou os enganou dizendo que precisava deles, ou se enganou nas contas que agora alega impedir a contratação: o limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal para gastos com pessoal.

> Solução responsável 

Há uma solução para esmagar a linha de alcance do limite referido, cujo fundamento está na prioridade de um governo e na necessidade de dar eficiência à máquina arrecadatória.

O que deve ser prioridade para um governo?

1. Manter mais de mil assessores especiais que sequer aos seus locais de lotação vão para buscar o salário, pois esse é depositado nas respectivas contas bancárias;

2. Demitir assessores especiais tantos quanto sejam necessários para, com a economia feita, contratar auditores e fiscais da receita, para que a arrecadação aumente além da inércia da enxurrada, com o embarque de eficácia na fiscalização.

É claro que qualquer administrador responsável optaria pela opção 2, mas parece que não há responsabilidade no Palácio dos Despachos.

60 comentários:

  1. Parece deputado que o Barbalhao quando governador não tinha uma enxurrada de assessores. So os da família contava se a centena

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ledo engano seu. Procure e pesquise e você constatará que no primeiro governo de JB o número de assessores especiais era de 157. No governo de Hélio Gueiros esse número dobrou. No segundo governo de JB foram reduzidos para 270 os assessores especiais.
      A enxurrada começou com a era tucana. Almir Gabriel elevou o número de assessores para 3 mil. Depois dele, Jatene manteve o número. Com Ana Júlia, esse número foi reduzido para menos de 2 mil, e agora Jatene os reduziu pela metade o que ainda é um absurdo.
      Cargos de assessoria são necessários em qualquer administração. O que se faz, todavia, com tais cargos hoje, é uma irresponsabilidade.

      Excluir
    2. Deputado, essa sua informação não procede. É mentirosa. O governo Jatene não tem mil assessores especiais. Se o senhor não tivesse faltado ao trabalho no dia da votação e aprovação da lei 7543, sancionada pelo governador em 20/07/2011 e publicada no diário oficial no dia seguinte, saberia que há uma limitação de 600 assessores especiais para o executivo contratar. No mais, vejo como o senhor está bondoso com o seu guru Jader Barbalho, a ponto de reduzir drasticamente os números de assessores que o mesmo contratava, a torto e a direito, quando era governador. Não me surpreendo se, daqui a pouco, achares que ele nem é mais mil vezes o que dizias aos quatro ventos , pra todos ouvirem, o que até eu duvidava, mas , infelizmente, percebi depois que eras até generoso na tua multiplicação, embora hoje devas achar que o teu sinal de multiplicar não devesse se aplicar àquela conta.
      Coisas da vida, que só a classe política da pior espécie tenta explicar.

      Excluir
    3. A sua afirmação mal educada é risível e denota total ignorância de como se compõe a administração pública.
      Constitui, ainda, completa idiotice a sua cretina afirmação de que “se eu não tivesse faltado ao trabalho”: eu negociei, como líder do PMDB, juntamente com o líder do governo, a lei que você se refere e que não soube ler, e comandei a votação de liderança no momento da sua aprovação.
      A lei em pauta se refere à recriação das secretarias especiais e se remetia aos cargos de assessoramento especial dessas estruturas criadas e da governadoria do Estado, que foi reduzida de cerca de 1200 para a metade, cerca de 600.
      A máquina do Estado do Pará tem mais de 3 mil cargos de assessoramento especial: na última conta que fiz eram 3.547, mais os 600 da lei que você, um ignorante mal educado, acha que limita a 600 as assessorias especiais.
      Portanto, os DAS no Estado do Pará passam dos 4 mil. E por que eu fui generoso e disse mais de mil e não mais de 4 mil os assessores especiais que Jatene nomeou e não fazem coisíssima nenhuma e que poderia demitir para contratar os concursados?
      Aprenda – pois a pior espécie mesmo são os comentaristas ignorantes, cretinos e mal educados, como você: porque desses mais de 4 mil cargos de assessoramento, cerca de 3 mil são vinculados à funções, ou seja, são entregues para servidores que trabalham, mesmo que sejam apaniguados politicamente, e os outros mais de mil são meramente distribuídos entre cabos eleitorais do governador ou da sua base de sustentação e nunca sentaram em uma cadeira de trabalho, servindo apenas para inchar a folha e fazer campanha.
      Quando você achar que pode chamar alguém de mentiroso, aconselhe-se com quem entende das coisas, pois você poderá estar se arriscando a servir de um néscio apaniguado, e essa, sim, é a pior espécie de gente: o pior ignorante é aquele que acha que é sabido, ou seja, é um cretino.

      Excluir
    4. O pior mentiroso é aquele que acredita na sua mentira. Parece ser o seu caso. Falastes em assessor especial e, agora, estendes para os DAS, que são , sabes muito bem disso, diferente. Ou vais querer que a gente acredite na tua lorota de que o teu guru Jader Barbalho, que, de ladrão passou a ser a coisa mais linda do mundo na tua opinião, que muda de acordo com os teus interesses inconfessáveis, só tinha 250 assessores especiais incluindo os que colocas na conta como DAS?
      Não quero e não preciso aprender desse seu ofício.
      Mais cretinisse do que isso, meu caro, sinceramente eu estou por ver...

      Excluir
    5. Continua a sua idiotice ao tentar manter a sua cretinice. Eu já lhe falei: vá estudar, a não ser que a sua idiotice não o permita entender que tirado um gomo da laranja esse gomo não passa a ser limão.
      Todos os cargos de assessoramento são pagos através de DAS. O cargo é a assessoria e o DAS o nível em que ela se encaixa na estrutura financeira de pessoal.
      Vá aprender rapaz. Reserve só um pouco da sua psicotica fixação por Jader Barbalho, que há 20 anos não governa o Pará, para tentar aprender a estrutura da administração pública, pois você é o mais completo idiota no assunto e pensa que sabe a missa sem saber sequer segurar um conto do terço.
      Há 20 anos havia menos de 2 mil DAS no Estado e desses apenas 250 eram de livre nomeação da governadoria, o restante era vinculado à funções de servidores, que à época se chamavam funcionários.
      E não era porque a sua fixação, Jader Barbalho, assim queria e som porque a estrutura orgânica do Estado era mais enxuta mesmo.
      Como dizia Batista Campos, o patife é patife e o boi é boi. Você, se não estudar, no mínimo, uns 10 anos a evolução da estrutura administrativa do Estado, vai continuar na coluna dos patifes quando estiver de um lado e na dos bois quando estiver do outro.

      Excluir
    6. Sempre se precisa estudar, deputado. Mas dignidade e ética não se aprende na escola. Não está escrito em nenhum livro, que os sábios leiam ou os metidos a sábios dizem ler. Ou se tem ou não se tem. O que parece ser o seu caso. Que muda o rumo da prosa conforme o encanto. Dizias no primeiro comentário que o Jader tinha 270 assessores especiais e não incluías aí os DAS que, agora, inclues e chega aos 2000. Da mesma forma que antes dizias que o Jader iria roubar mil vezes mais se voltasse a ser governador em 1990, como acabou acontecendo, só que caístes no conto da sereia e passastes a ter outra consideração e avaliação do teu guru. Não tenho nenhuma fixação contra o Jader. Reconheço nele virtudes. Mas só que não tapei meus olhos, nem meus ouvidos, nem vendi meu posicionamento, nem minha consciência, para os muitos defeitos - alias, bem mais que as virtudes, que o dito cujo tem e vem, com isso, nfelizmente, prejudicando o nosso Estado.
      É isso que eu penso. E pronto. Mesmo que hoje lhe deixe aborrecido.

      Excluir
    7. Não sei quem tem razão, mas esconder-se atrás de um nick "anônimo" para corajosamente ofender quem, tendo ou não razão, está se portando de modo educado é coisa de moleque.

      Excluir
    8. Pronto. Agora você veio em uma forma na qual deveria ter vindo desde o início: civilizada e sem adjetivos desqualificativos, pois tal forma depaupera qualquer argumento.
      Apenas mais uma sugestão (veja que não é mais aula). Concentre seus argumentos em substantivos e não em adjetivos, ou esses serão a única coisa que serão lidas.
      Mantenho o que afirmei: JB tinha apenas 270 assessores na governadoria, porque os demais DAS não podiam ser nomeados sem funções por imposição legal.
      A permissão legal para nomear DAS sem função só veio com Gueiros, que usou o artifício pela prima vez para tentar eleger Xerfan.
      Daí pra frente a figura necessária do AE, desvinculada de função, avacalhou.
      A lei que você refere define o limite de AE, que são DAS de 1 a 5, na governadoria e secretarias especiais criadas.
      Na estrutura do atual governo, todavia, há mais de mil AEs sem função e isso é uma praga em qualquer governo, seja de que partido for.
      Quanto à JB, Insisto que você, como muitos outros, deveria procurar ajuda psicológica para curar a fixação, pois se eu falo que chove no governo, logo aparece argumentando que eu estou querendo é dizer que na época JB fazia sol.

      Excluir
    9. Não mudei. Não tenho esse péssimo costume de mudar de acordo com as preferências. Me mantenho firme no que penso. Sem me alongar, afinal, estamos começando um final de semana depois de muito trabalho - isso para quem exerce o ofício , é claro; mas, pra variar, em relação a sua defesa ao Jader, basta lembrar de quantos temporários o seu guru contratou antes de deixar o governo em 1994, problema que se arrasta até hoje. Foram quase 30 mil. E ainda vens dizer que outros governos contrataram mais que o Jader. Vamos cavuscar os arquivos de cada um pra comprovar o que eu digo: o Jader sempre foi campeão no que se refere a mal feitor do estado.

      Excluir
    10. E lá se mantém a fixação por Jader Barbalho...
      Mas já que você quer mesmo é abobalhar o jardim de infância e usar números ao relento como tentos, vou ficar de cócoras com você e me divertir um pouco:
      O Jader nomeou 30 mil assessores? E o Jatene, que nomeou 60 mil? Vamos "cavuscar" (esta palavra não existe) os arquivos de cada um pra comprovar o que eu digo: o Jatene sempre foi o bicampeão no que se refere a mal, mal, mal, feitos do estado.
      E tem mais, tudo o que você disse de lá eu dobro, o melhor, eu triplico.
      Pronto: quero ver você ganhar agora.
      Não é o cinema a maior diversão, mas certos comentários de um blog...

      Excluir
  2. Jatene tá com saldo. Segundo o seu post ele nomeou apenas mil assessores especiais para todo o Estado. O teu candidato Helder Barbalho, nomeou 4 mil para apenas um município, quando era prefeito de Ananindeua. Já imaginou quantos serão nomeados para todo Estado, caso ele venha assumir a governança do estado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você inventa o número. Jamais houve esse número de nomeações em Ananindeua por nenhum dos prefeitos do município. Se quer debater de forma série, estude os números que quer discutir. Inventar, embora não seja uma irresponsabilidade fiscal, que é o assunto aqui em tela, denota falta de caráter.

      Excluir
    2. 4 mil não, mas tinham pelo menos 1000 DAS's em Ananindeua! Isso te garanto

      Excluir
    3. Já se veio a um número mais sensato. De qualquer forma, seja de quem vier, assessores que nada fazem são um erro administrativo.

      Excluir
  3. Pela inteligência da sua postagem, podemos concluir que o seu candidato a governo, Helder Barbalho, é um político muito irresponsável. Pois ele usou a opção 1 com muita força quanto administrou a cidade de Ananindeua.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na administração HB não houve concurso público sem os aprovados serem chamados, portanto assessores especiais, que todos os governos nomeiam, jamais foram empecilhos para contratar concursados.

      Excluir
    2. Nobre Deputado Parsifal Pontes e nesses casos de protelamento de concursos, nesse específico caso um descaso com os concursados, com a Sefa, com as próprias finanças estaduais e principalmente com a população quais medidas devem ser tomadas pela falta de visão do governador em nomear tais servidores?

      Excluir
    3. Uma ação judicial de obrigação de fazer. Mas a medida mais eficaz pode ser tomada em 5 de outubro.

      Excluir
  4. Infelizmente o governador não vê a obviedade; que para Combater A Corrupção Materializada na Sonegação que se justifica a nomeação dos Concursados Na SEFA. O Aumento Da Arrecadação Que Os Auditores Irão Em Muito Contribuir É Essencial Para Que O Estado Amplie Seus Limites, Não Extrapolando A Lei De Responsabilidade Fiscal. O Discurso Dos Servidores Do Fisco, Tanto Dos Atuais E Dos Que Serão Nomeados, Sustenta-Se Nesta Tese Extremamente Simples De Ser Constatada.

    ResponderExcluir
  5. Nobre parlamentar, nós, os aprovados, agradecemos o seu apoio,pois realmente estamos precisando deste. O governo não entende que nossa nomeação é o melhor investimento para o Pará. Com isso poderemos aumentar sua arrecadação, que servirá para melhorar os investimentos em educação, saúde, segurança pública, infraestrutura das cidades,aumento de serviços. O estado do Pará é muito grande e sofre com uma carência de servidores CAT,que logo sofrerá mais um revés, a aposentadoria de muitos. Sr.Governador, o Pará precisa de TODOS os aprovados agora,e não parceladamente!!

    ResponderExcluir
  6. Caro deputado,
    Agradeço em nome dos 151 colegas, eu incluído, por essa manifestação apreço à nossa causa. São servidores preparados que lutaram muito para essa aprovação, abdicandodo convívio da família e amigos para enfrentar um dos concurso mais difícil do país. São pessoas de 22 estados da federação que estão dar sua parcela de contribuição para que esse grandioso estado possa aplicar uma distribuição de suas receitas em áreas que carecem de recursos: educação, segurança e saúde. Nós não somos despesas, mas sim garantias de aumento de arrecadação.
    Jus cerimônia Domingues - Fiscal de Tributos Estaduais aprovado.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. "É claro que qualquer administrador responsável optaria pela opção 2, mas parece que não há responsabilidade no Palácio dos Despachos." È claro que esse governo Esse governo não vai optar pela opção 2, pois está claro que prefere assessores e temporários, são votos garantidos. Basta Lê o Diário oficial. Todos os dias há contratação de temporários e assessores especiais, o que comprova que usar a desculpa do limite da LFR, para não contratação dos concursados é mais uma falácia dessa administração.

    ResponderExcluir
  9. São 151 aprovados em um concurso realizado com transparência, lisura e umas das provas mais difíceis do país. O que queremos é somente o nosso direito de assumirmos e ajudar o Estado do Pará a conseguir incrementar suas receitas para que possa ter melhor educação, segurança e saúde. Não somos despesas, somos a garantia, de que juntos com os valorosos colegas que labutam na secretaria da fazenda, garantir esses recursos para a realização desses objetivos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De pleno acordo Juscelino Domingues, muita gente não enxerga esse lado do fisco, mas a população deve saber das benesses que um Fisco pode trazer para um Estado, ainda mais um de dimensões continentais e que sempre foi crivado de atos que fizeram com que percamos bilhões em impostos, como a Lei Kandir, e que nunca fomos recompensados pelas nossas riquezas naturais que foram,estão e serão exploradas como nossos rios que geram a energia que o país precisa e nosso gigante pote de minério!

      Excluir
  10. O governo do Estado tem três opções nesse caso:

    1- ( ) Nomear imediatamente todos os aprovados

    2- ( ) Desativar unidades fiscais por falta de servidores CAT

    3- ( ) Permitir o funcionamento de unidades fiscais com servidores em desvio de função

    Dessas três opções, qual é a unica que atende aos princípios constitucionais da legalidade e da moralidade e que atende inclusive a recomendação do MPE?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, simples assim! A lógica é essa pronto e não tem o que discutir! Governador...

      Excluir
  11. É mais que evidente que um estado só se desenvolve quando há diminuição da sonegação. O estado do Pará, infelizmente, conta com um quadro na secretaria da fazenda totalmente reduzido e, pelo que dizem, ainda haverá grande número de aposentadorias nos próximos meses. Estados como SP e RJ fazem concursos periodicamente, trazendo resultados excelentes para arrecadação estadual. a única beneficiada de tudo isso é a população, com mais dinheiro em caixa, novos investimentos poderão ser realizados, propiciando uma melhora significativa na qualidade de vida. Parabéns ao Deputado pelo apoio à causa que significa muito ao povo Paraense! Grande Abraço!

    ResponderExcluir
  12. Em 2009 o Ministério Público do estado do Pará, após constatação de que servidores da carreira meio estariam, de forma absolutamente ilegal, exercendo funções exclusivas de auditores fiscais e de fiscais de tributos estaduais, recomendou que a Secretaria de Estado da Fazenda (SEFA) removesse tais servidores para seus locais de origem, recomendando ainda o preenchimento de tais postos com servidores legalmente investidos nos quadros específicos de servidores fiscais. Diante da recomendação ministerial, do gritante déficit de pessoal, bem como após a incansável luta por parte do sindicato, eis que “nasce” o tão esperado edital C-172 Publicado no DOE do dia 01/08/2013 tendo como objeto o preenchimento de 200 vagas (número ínfimo, se considerarmos a carência de pessoal e a imensidão do estado do Pará) para as Carreiras da Administração Tributária da Secretaria de Estado da Fazenda, sendo ambas carreiras exclusivas de estado conforme determina a Constituição Federal e o Código Tributário Nacional.
    As provas foram realizadas nos dias 28 e 29 de setembro de 2013, tendo seu resultado final publicado no dia 29 de novembro do mesmo ano. Devido ao extremo rigor das provas, dos 9.529 (nove mil quinhentos e vinte e nove) candidatos inscritos, apenas 151 (cento e cinquenta e um) foram aprovados. Logo, se o número de vagas ofertadas já era mínimo, conforme explicado acima, imaginem o preenchimento de apenas 151 (cento e cinquenta e uma) vagas? Tudo isso se deveu ao altíssimo grau de complexidade das provas realizadas, exigindo do candidato um conhecimento aprofundado de cada disciplina cobrada no Edital, conhecimento este que só se adquire com anos de dedicação, renúncias e apoio familiar. Tudo isso em prol de um grande sonho: tornar-se Auditor e Fiscal de Tributos do Estado do Pará.

    ResponderExcluir
  13. No mês de novembro de 2013 foi publicada a tão esperada homologação do concurso. Os 151 aprovados, imbuídos por promessas do próprio governo no sentido de nomeá-los no inicio de 2014, começaram a se preparar para a sonhada nomeação, posse, curso de formação e exercício do cargo. Mas, no meio do caminho desses 151 “soldados espartanos”, havia uma “pedra”: A má vontade por parte do governo do estado do Pará em nomear esse capacitado e imprescindível grupo de aprovados, que teria como difícil missão somar esforços para salvar as contas do Pará, através de um aumento de arrecadação decorrente da melhoria da eficiência arrecadatória, bem como da diminuição da sonegação fiscal.
    Prometida para março, adiada para junho e agora adiada mais uma vez, agora para um futuro incerto e não sabido, a procrastinação da nomeação dos novos auditores e fiscais parece não ter fim. Definitivamente, a nomeação desse importante grupo de aprovados não parece estar na agenda do governador que demonstra ter “fechado os olhos” para os desvios de funções e ilegalidades que se perpetuam dentro do coração de sua administração (SEFA), que de longe é a mais importante pasta de qualquer governo que se preze. Desculpas de todo tipo já foram utilizadas para justificar tal demora e, dessa vez, a desculpa utilizada é o Limite prudencial imposto pela lei de responsabilidade fiscal (lei complementar 101/2000), que teria sido atingido e impossibilitaria a nomeação dos novos auditores e fiscais.
    Os aprovados alegam que se o concurso ocorreu em 2013, com nomeações programadas para inicio de 2014, não se pode alegar questões orçamentárias, pois, se publicam um edital, necessariamente têm que existir as vagas e sua respectiva dotação orçamentária. “Esse caso só põe em dúvida a capacidade técnica da administração em lidar com o orçamento público” -desabafam os aprovados. “Se o concurso foi realizado dentro do que exige a legislação, a única coisa que poderia adiar suas nomeações seria uma queda na arrecadação, que não é o caso, pois os RELATÓRIOS RESUMIDOS DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA (RREO) publicados pelo próprio governo a cada 2 meses, mostram justamente o contrário: arrecadação bem superior à previsão orçada” -explicam.

    ResponderExcluir
  14. Os aprovados defendem também que, muito embora a arrecadação esteja tendo crescimento, o estado do Pará é muito susceptível à sonegação, pois seu imenso território e sua geografia favorecem a entrada de mercadorias por todo tipo de via: terrestre, fluvial, marítima e aérea; de maneira não declarada e que por conta disso, se faz necessário reforçar o quadro da SEFA para estancar essa verdadeira “sangria fiscal”. Imagina-se que milhões de reais deixam de ingressar nos cofres públicos todos os meses por conta da fiscalização deficitária. “o fato da arrecadação estar crescendo não significa que o sistema arrecadatório do estado está funcionando como deveria. Ao contári, a arrecadação do Pará esta muito aquém do que deveria estar. A sonegação fiscal no estado atinge índices altíssimos e milhões de reais deixam de ser arrecadados e aplicados nas áreas da saúde, educação, segurança e etc...
    O que se perde de arrecadação todo mês é muitas vezes superior ao que seria gasto com nossa nomeação. O fato é que empossar os novos Auditores e Fiscais representa uma solução e não um problema, tendo em vista que todos os estados que contrataram novos servidores na área de fiscalização tributária tiveram aumento da arrecadação muitas vezes maior que o aumento dos gastos com pessoal para referida contratação” -defendem.
    Os aprovados acreditam que o sistemático adiamento de suas nomeação só pode estar sendo gerado por questões políticas, e não por ignorância. “Fomos procurados por políticos da oposição que nos “ofereceram apoio”... Nos recusamos a receber tal apoio pois não permitiremos que nossa luta seja utilizada como viés politico, sobretudo em ano eleitoral. Nosso movimento é apartidário e a única coisa que queremos é nossa nomeação. Somos pais e mães de família que se preparam, disputaram de igual pra igual, foram aprovados e a únicas coisa que queremos é trabalhar e dar nossa contribuição ao estado do Pará.
    Dados do sindicato indicam que mais de 30 servidores se aposentaram desde a publicação do edital e que mais 100 (cem) estariam aptos a se aposentar e o fariam no mês de setembro. “Existe uma coisa dentro da administração pública chamada MEMÓRIA ADMINISTRATIVA, que são conhecimentos, técnicas e praxes que são utilizadas por servidores dentro das repartições que formam um conjunto de conhecimentos muito específicos e que não são ensinados em cursos nem universidades... São anos de conhecimento sedimentado que pode se perder. Teme-se pela perda desse conhecimento por conta de aposentadorias de servidores sem que estes façam a devida transmissão do referido conhecimento aos novos servidores.Por tal motivo a nomeação dos aprovados é tão urgente” explicam.
    Existem nesse exato momento milhões de reais em créditos tributários não levantados que precisam ser devidamente lançados. Esses créditos tributários, que são frutos de sonegação fiscal, vão acabar prescrevendo por falta de auditores e fiscais para cobrá-los. “Uma administração que fecha os olhos para uma perda de arrecadação dessas é, na mais branda adjetivação, irresponsável e descompromissada com sua população” apontam.

    ResponderExcluir
  15. São mais de 3 mil DAS e mais de 14 mil temporários. Que a Sead venha publ
    ico e diga qual é o real números desses servidores. Isso se chama transparencia nas informações

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Senhores aprovados não acreditem nessa desculpa furada de limite da LRF, se a nomeação de vcs fosse interessante para o governo a despesa com pessoal cairia facilmente. Outra coisa, principalmente para os aprovados de outros estados, algumas autoridades do governo do Pará são só capa...pesquisem por exemplo sobre o caso CERPASA.

      Excluir
  16. Parsi, estou com o Helder e o PMDB do Pará nessas eleições! Agora te peço que, quando ele se eleger (eu tenho certeza que ele vai), você esteja do lado dele para não deixá-lo cometer os mesmos erros do Simão! Poxa, não adianta nada criticar e depois fazer a mesma coisa! A SEFA precisa de mais auditores mesmo! Não só nós, que esperamos ser nomeados (passei no referido concurso) mas o déficit ainda é grande! Se faz necessário um novo concurso! Até porque das 110 vagas ofertadas (10 de cadastro de reserva), apenas 60 e poucos passaram!

    ResponderExcluir
  17. Se escolhermos de forma aleatória 10 funcionários públicos teremos o seguinte resultado: 03 deles servem população são os chamados ORGULHO DA CATEGORIA; 02 deles só sabem fazer e pensar em greve exclusivamente por melhorias salarias e mordomias esses são os SEMPRE EM ESTADO DE GREVE; 01 aparece ao trabalho/órgão, entretanto fica somente no computador navegando nas redes sociais, blog, face, etc..esse é o ESTOU AQUI,MAS NÃO FAÇO NADA; 02 só sabem apresentar atestado médico falso para justificar a falta ao trabalho esses são os DOENTES; e por fim outros 02 estão ali exclusivamente para furta o cofre público, montar quadrinha, falsificar licitações, ou seja são os LADRAVAZ.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se escolhermos de forma aleatória 10 pessoas que vivem de falar mal de servidores públicos teremos o seguinte resultado: 5 deles são invejosos que sonham com um cargo público e são incapazes se conseguirem uma aprovação; 3 deles são daqueles que trabalham na iniciativa privada, ganham uma miséria porque seu nível de qualificação e o grau de qualidade de sua mão de obra são péssimos e por isso vivem reclamando dos servidores e os chamando de marajás e os 2 últimos são de analfabetos funcionais que vão áreas das conversas dos 8 últimos que falei. Em qual categoria você esta Anônimo das 14:56?

      Excluir
  18. Caro Deputado, permita que eu discorde de todos os comentários aqui postados, o Estado NÃO precisa de mais Auditores com salários astronômicos, o que precisa mesmo é que os que lá estão (na SEFA) trabalhem e produzam mais. A administração deveria potencializar a produtividade dos atuais e não contratando mais e mais.Chega de encostados!! este Estado precisa mesmo é de CHOQUE de GESTÃO, poucos sabem o que é isso, buscar a eficiência e não é com quantidade e sim com qualidade do serviço público, argumentar que a nomeação fará com que a arrecadação suba é piada!!! a arrecadação sobe quando o mercado cresce isso é comprovado com estudos, com mais Auditores e Fiscais corre-se o risco de mais corrupção!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa foi a coisa mais idiota que eu já li em toda minha vida! Anônimo das 15;24, você me parece ser um especialista em macroeconomia de bando de praça com essa sua conversa. a única coisa que você acertou aqui é que a arrecadação cresce com o crescimento do mercado e olhe que você acertou isso EM TERMOS pois nem sempre isso é verdade mas não cabe aqui, nem o fórum se propõe a dar aulas de macroeconomia a leigos. Existem várias maneiras de se fazer a arrecadação crescer, diminuição da sonegação, aumento da carga tributária e não necessariamente o crescimento da arrecadação tem que advir do "crescimento do mercado" que foi o termo chulo e inadequado que expos de forma inequívoca o quanto o senhor é um leigo na disciplina economia da tributação. E ainda vem aqui dizer que com a contratação de novos auditores a corrupção vai aumentar sem nenhum nexo causal... Vá jogar dominó com seus amigos de cerveja que lá pode ser que o senhor tenha espaço para se mostrar como intelectual porque aqui o senhor não passa de ignorante.

      Excluir
    2. Por que essa raiva de auditores e fiscais? Só pode ser inveja.

      Excluir
    3. Infelizmente ainda há pessoas com essa mente tão atrasada quanto ao do anônimo das 15:24, não sabe o que falar então fala asneiras, essas pessoas que fazem com que municípios, estados e o país não cresçam. Não é vergonha não saber, não estou lhe julgando, mas pegue livros, jornais e revistas vai fazer bem para sua mente e para o corpo.

      Excluir
    4. A corrupção existe não apenas por que há o servidor corrupto, mas também por causa de sonegador corrupto. Quem tem medo de servidores corruptos é porque está sonegando, ou seja, o que quer, no fundo, é sonegar sem dividir com mais ninguém. Tem que aumentar o número de servidores BEM preparados e acabar com aqueles que só pensam em meter a mão. Espero que os novos auditores cheguem arrebentando os sonegadores. Que se acabe a festa do assalto aos cofres, tanto por parte dos servidores quanto parte dos empresários bandidos que infestam nosso país.

      Excluir
  19. Anônimo das 14:56, antes que esqueça, o termo FUNCIONÁRIO PÚBLICO não é mais utilizados desde a constituição de 1988. Isso só deixa ainda mais claro que você nada mais é que um ignorante. Quando você for se passar por intelectual diante de seus amigos, igualmente analfabetos, em uma mesa de bar, utilize o termo SERVIDOR PÚBLICO que assim parecerás menos despreparado ok?

    ResponderExcluir
  20. Aos homens que dirigem a máquina administrativa e tentam o poder na área política: ..."Maldito o Homem que confia no outro Homem". Tá na Bíblia! Vc já leu a sua Bíblia hoje ?

    ResponderExcluir
  21. CONCURSADO COM CÓDIGO DE BARRAS VIRA ASPONE!

    Meus camaradas, felizmente eu não sinto i a dor de vosso infortúnio, porem imagino que as coisas em termos de fiscalização e aspones funcionam um pouco diferente da que vocês pensam!

    Vamos SUPOR que funcione dessa maneira:

    Os políticos que fazem parte da base de apoio ao governador e que tem INTERESSE na área fiscal indicam uma pessoa dos quadros da SEFA para comandar a sua área de ação, o secretario da Fazenda chama os indicados e outros de sua confiança ( pode ser um simples motorista) para ocuparem as áreas sem indicação, só que ao fazer isso estabelece um montante a ser recolhido em cada posto fiscal, ( lembrando que X , Y e W não devem ser incomodados) meta alcançada o que sobra não entra nos cofres do estado!


    Quem recebe uma meta fixa duas a do governo e a sua meta própria a sobra novamente é subdividida para os que estão no plantão de cada área

    Quem não alcançar a meta será removido não interessando se é um indicado político ou não!

    Quanto aos assessores eles não tem uma função especifica, receberem salários durante o mandato para serem cabos eleitorais em época de eleição, para atender pedidos de amigos e familiares, exercerem defesa do governo, formar opinião favorável a gestão, denegrir a imagem de pseudo inimigo distribuindo panfletos etc., São inúteis úteis!

    Trocando em miúdos o governo arrecada apenas o que acha servir a seus propósitos caso contrario nem isso arrecadaria apenas ficaria fazendo rodízio de servidor em posto fiscal ou equipe de fiscalização o servidor honesto por mais dedicado que seja não fica 24 horas por dia, 7 dias na semana, 30 dias por mês no seu local de trabalho e o desonesto faz sua meta com os que sabe poder fazer acordos.

    Tem como resolver? Claro, basta usar tecnologia, dois códigos de barra nas notas fiscais, um identificando destinatário, valor, quantidade e conteúdo outro identificando o veiculo transportador que também teria um código de barra novo fixado a cada viagem!

    Como todos os dados seriam enviados e armazenados para um computador central o que entra ou sai do estado seria controlado bem com quem comercializa ou produz e a fiscalização não teria como ficar fora da lei ou caso ficasse imediatamente tal ato seria identificado, pois o valor recolhido é que liberaria o OK na operação!

    O governo não adota esse sistema de tolo, pois arrecadaria 99% do valor real, o numero de funcionários da Sefa seria estabilizado, sobraria mais dinheiros para contratar ASPONES !

    ((((MCB))))

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Mestre Chico Barão se fosse tão fácil do modo que falas, tudo nesse Estado se resolveria tão fácil assim, mas parece que você está em um mundo de rosas então não queria atrapalhar isso então não sonhe muito alto, tem gente lendo isso também...

      Excluir
  22. poxa Parsifal,tu queres enganar quem com este teu discurso fulero, me desculpe a expressaõ,mais Jader Barbalho no poder e tu vem me falar de ética voces naõ passam nem perto disso!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E onde se está falando de ética aqui?

      Excluir
  23. povo do Pará,com esse discurso do Parsifa ele ta falando de outro PMDB naõ esse que conhecemos e dispensa apresentações,falar que Elder Barbalho naõ tinha assessores especiais e brincadeira,nõs que já elegemos este senhor pra governo e nós arrependemos e muito das mazelas deixadas por este senhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E onde está escrito que o HB não tinha assessores especiais? Você deve ter lido a postagem errada.

      Excluir
  24. Esse governo fez a mesma coisa no último concurso da PM, demorou quase dois anos do concurso até o início do curso, a desculpa era que tinham muitas ações na justiça e teriam que ser esgotadas para que pudessem ser nomeados os novos policiais.

    ResponderExcluir
  25. Pelo visto tem muito assessor com medo de ficar desempregado em 2015! Sugiro que procurem padrinho no MP que está com seu trem da alegria engatilhado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente Luis Pontes, onde já se viu cargos no MP sem concurso???

      Excluir
  26. Deputado Parsifal Pontes, agradeço imensamente seu engajamento em nossa causa e peço que não pare por aí pois temos muito a contribuir com o Estado do Pará. Infelizmente hoje temos o instituto do desvio de função dentro da secretaria de fazenda, onde um motorista, por exemplo, (esclareço que em nada estou desmerecendo tal categoria) está fazendo a função de um fiscal ou de um auditor. Infelizmente tal servidor não fez o concurso público para preencher nosso cargo, e não sabemos o quanto esses desviados estão preparados ou não para tal feito. Estudamos e passamos num concurso em que sobraram vagas, ou seja, só passou quem realmente tinha conhecimento e instrução para assumir. Com isso quero dizer que somos 151 candidatos aprovados em um dos concursos mais difíceis do País, que são os concursos para a área fiscal, e que esperamos que o governo tenha responsabilidade em chamar todos nós como sempre nos foi falado e que os 151 comecem a ajudar o Estado a arrecadar mais e cumprir com suas funções, oferecendo à sociedade mais serviços essenciais. Mais uma vez muito obrigado pelo seu interesse não apenas em nossa causa, mas com o futuro do Estado e da sociedade paraense.

    ResponderExcluir
  27. Senhores Anônimos das 16:02 e 16:21, e o Sr. Vitor Hugo Galvão Vieira, entendo que vocês devem estar desesperados por uma boquinha, um salário que dê para pagar as contas, imagino que devam estar desempregados e muito nervosos, porém não precisa tanta agressividade. Todos vocês sabem que a SEFA está enfestada de pessoas encostadas e o senhores gostariam de engrossar este filão, e sabem também, pois, afinal devem ter alguma inteligência, subentende-se, foram aprovados num concurso "meia boca" mas que exige um mínimo de dedicação, então, Choque de Gestão não é encher de fiscais para fiscalizar apenas um tipo de receita, ICMS, precisamos de muito mais que isso, o Estado necessita ter qualidade nas despesas, que adianta correr atras de ICMS se o Governo gasta mais e mal. Fiquem calmos que a nomeação para a mamata vai chegar, mas por enquanto não fiquem gastando por conta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pelo nível do seu desespero sua boquinha deve ser muito boa, tão boa que você nem precisou prestar o referido concurso. Eu, apesar de já ser servidor público concursado não tenho boquinha e nem pretendo ter, por isso me submeti ao mesmo em busca de uma melhor remuneração. Outra coisa, de uma olhadinha na CF e na Lei Complementar nº 78/11 (Lei Orgânica da Administração Tributária do Estado do Pará) que aprenderá muita coisa sobre administração pública e fiscalização de tributos. Por último, fique calmo que faz bem a alma.

      Excluir
    2. Pelo nível do seu desespero sua boquinha deve ser muito boa, tão boa que você nem precisou prestar o referido concurso. Eu, apesar de já ser servidor público concursado não tenho boquinha e nem pretendo ter, por isso me submeti ao mesmo em busca de uma melhor remuneração. Outra coisa, de uma olhadinha na CF e na Lei Complementar nº 78/11 (Lei Orgânica da Administração Tributária do Estado do Pará) que aprenderá muita coisa sobre administração pública e fiscalização de tributos. Por último, fique calmo que faz bem a alma.

      Excluir
    3. Pelo nível do seu desespero sua boquinha deve ser muito boa, tão boa que você nem precisou prestar o referido concurso. Eu, apesar de já ser servidor público concursado não tenho boquinha e nem pretendo ter, por isso me submeti ao mesmo em busca de uma melhor remuneração. Outra coisa, de uma olhadinha na CF e na Lei Complementar nº 78/11 (Lei Orgânica da Administração Tributária do Estado do Pará) que aprenderá muita coisa sobre administração pública e fiscalização de tributos. Por último, fique calmo que faz bem a alma.

      Excluir
    4. Caro, a CF é, ou pelo menos deveria ser, leitura obrigatório, alguns candidatos, por terem lido se acham conhecedor de tudo, senhores do saber. Pela sua resposta vê-se que não há embasamento ético e princípios, uma coisa é você tentar defender sua nomeação, porém, caríssimo (e vai sair caro mesmo ao erário), como você mesmo diz: "me submeti em busca de remuneração", a discussão vai além, gostaríamos de discutir num nível acima, acho que será difícil você alcançar, pois sua cabeça pensa somente em benefício próprio. Encerraremos aqui e deixaremos que sua consciência reflita de forma que a população seja sempre considerada e não somente você e sua família. Servidor público deveria pensar assim. Observa-se que pessoas como você são capazes de tudo pra se dar bem. vá em frente!! siga seu caminho!! afinal o sistema sempre favorece os deficientes de alguma forma!!

      Excluir
    5. Caríssimo, a CF não é obrigatória mas o desconhecimento da lei é inexcusável. Impressiona-me que em poucas palavras (e em um bom português), vossa senhoria descreva toda a minha vida, além de descobrir minha capacidade mental(deve ser vidente nas poucas horas vagas que tem). Riquíssimo é o seu conhecimento quanto ao serviço público e sua abnegação chega a levar-ma às lágrimas. Minha consciência realmente pesa neste minuto, eu deveria ter estudado menos, trabalhado menos quem sabe um dia, se seguir seus passos, alcançarei seu nível intelectual, e viva a modesta vida, que com toda certeza o senhor desfruta (que Deus me guarde). Que minha vontade de ver o meu direito ser atendido e o resultado de minha luta e esforço(pela ganância, decerto) sejam recompensados a cada vez em que eu precise ler tão dignas palavras quanto às suas!

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.