08/04/2014

Os negócios do barão

O industrial francês Jean-Marie Kuhn, membro da ONG francesa Anticor, que denuncia casos de corrupção na França, faz carga sobre o bilionário belga Albert Frère, o barão que se tornou conhecido no Brasil por ter sido um dos polos – o que ganhou US$ 1 bilhão – no episódio “Petrobras-Pasadena”.

Jean-Marie patrocina, nas justiças francesa e belga, ações contra um outro negócio de Frère, em tudo similar à operação Petrobras-Pasadena, o que pode evidenciar um padrão nos bem sucedidos negócios do barão: a venda, segundo Jean-Marie, superfaturada, da rede de hamburguerias belga Quick para o Estado francês.

jean

A venda teria envolvido toda a República francesa em uma rede de corrupção: a Quick, depois de comprada por Frère, foi vendida ao Estado francês com um ágio de 500 milhões de euros em uma operação que envolveu o então presidente Jacques Chirac, o seu primeiro ministro, Dominique Villepin, e o então candidato Nicolas Sarkozy, que eleito, cumpriu a sua parte do acordo.

quick

A corrupção na França não me surpreendeu. Surpresa foi saber que a França comprou uma rede de hamburguerias. Isso soa como se o Brasil resolvesse comprar o Habib’s.

O simpático barão Frère, segundo Jean-Marie, de bom velhinho só tem a cara e “usa políticos para lucrar nas suas negociações”.

Sobre os políticos Jean-Marie tem a mesma percepção de todos os que não são políticos, ou não fazem negócios com eles: "Os políticos nunca são enganados ou iludidos, eles agem com conhecimento de causa e, naturalmente, acabam recompensados por Frère", recitou Jean-Marie em uma entrevista ao Portal Terra, que é leitura obrigatória para quem quer conhecer o modus operandi de Frère. Para ler clique aqui.

5 comentários:

  1. A justiça Belga não costuma tolerar esse tipo de "brasileirismos". O Governo não precisa fazer nada, até por que não dará em nada, mas poderia acionar a Justiça Belga e ver o que acontece.

    ResponderExcluir
  2. O que o nobre deputado tem a dizer sobre estes comentários na Folha de Tucuruí?

    Folha de Tucuruí4/05/2014 7:12 PM
    Aquele que não conhece a verdade é simplesmente um ignorante, mas aquele que a conhece e diz que é mentira, este é um criminoso.
    (Bertold Brecht)

    Responder

    Folha de Tucuruí4/06/2014 1:50 PM

    Quer mais uma prova de que o Sancler já fez acordos com o PMDB? Pois bem, o Wellington do JT não faz mais matérias e denuncias contra o prefeito, e o Wellington é correspondente de qual jornal?
    O Diário do Pará, e o Diário pertence a qual família?
    Família Barbalho dona do PMDB no Pará.

    Portanto isso demonstra que para Tucuruí e talvez para o Pará Jatene (PSDB) e Helder (PMDB) são seis e meia dúzia, tanto faz para o povo de Tucuruí quem seja o próximo governador.

    Quem pensa que haverá alguma mudança pode tirar o cavalinho da chuva, o mesmo grupo continuará mandando em Tucuruí como tem feito há décadas, eles podem até divergir e se estranhar de vez em quando, mas eles têm muitos interesses em comum e vão continuar a se ajudar e a se proteger mutuamente seja qual for o resultado das eleições, são rivais em alguns aspectos, mas acima de tudo são cúmplices.
    É triste dizer isso, a verdade é medonha, mas o povo de Tucuruí vai continuar ferrado e tem de saber disso. Agora é só vitória.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem pode mudar a política de Tucuruí não sou eu, nem o Helder, nem o Jatene e nem o Sancler, mas somente os eleitores de Tucuruí.

      Excluir
  3. deputado, o seu pronunciamento de hoje na Alepa sobre os PM foi o mais bonito e duro que eu já ouvi em 20 anos que trabalho lá. O pessoal aqui para para ouvir quando o senhor vai falar, mas o de hoje pra mim foi o melhor. É uma pena que o senhor não vai mais ser candidato. O senhor exerce um mandato que não faz varejo mas esse é o verdadeiro mandato. Parabéns. Sou uma admirado sua. Não se empolgue. Eu já tenho 58 anos e estou quase para me aposentar...rs...rs..

    ResponderExcluir
  4. Nobre deputado, você não desmentiu os comentários espalhados por toda Tucuruí de que o "Sancler fez acordos com o PMDB", o que só confirma que realmente existiu alguma "negociação". Agora é só vitória!

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.