16/04/2014

Graça Fortes não passa nos noves fora

O Planalto despachou ontem (15) Graça Foster, a presidente da Petrobrás, até a Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, na tentativa de abaçanar a instalação da CPI mista para apurar irregularidades no caso Petrobras-Pasadena.

foster

A situação, para embaralhar o carteado, emendou a proposta da oposição para que a CPI apure desde o assassinato de Abel no Éden que, segundo o PT, teve o PSDB como coautor.

CPIs são pelejas ensaiadas entre situação e oposição, pois ambos sabem até onde foram no passado para decidir até onde podem chegar no presente, disto dependendo-lhes o futuro.

> Mesmo do mesmo

Graça Foster embutiu derivados em três quartos das seis horas de depoimento, e desfilou obviedades no quarto restante. O seu conhecimento na área petroleira impressionou a audiência, mas não era essa a peça de resistência do circo.

> Culpando Sergio Gabrielli e Nestor Cerveró

Foster falou o mesmo do mesmo e, pelo visto, Sergio Gabrielli, presidente da Petrobras e Nestor Cerveró, então diretor da área internacional da empresa, foram os escolhidos como o Zé Dirceu e o Delúbio Soares do caso: levarão a culpa de tudo.

nestcerv

Gabrielli e Cerveró, segundo Foster, teriam omitido importantíssimas informações no relatório resumido da compra ao Conselho, então presidido pela presidente Dilma, que já declarou que as cláusulas “Put option” e “Marlin”, consideradas as vilãs da compra, não foram mencionadas no relatório como parte do contrato principal.

Foster declarou, como o fez a presidente Dilma, que se tivesse conhecimento que o contrato continha aquelas cláusulas, o Conselho não autorizaria a compra.

> A prova dos noves

Shot009

Foster afirmou que a compra “não foi um bom negócio” – obviamente este juízo só vale para a Petrobras – mas declarou um detalhe, ao qual eu já me referi aqui, que se comprovado pode deitar ao chão os argumentos de superfaturamento desferidos pela oposição: a Astra, de quem a Petrobras comprou Pasadena, teria pagado por ela mais do que os alegados US$ 42,5 milhões e nela investiu US$ 112 milhões antes da operação com a Petrobrás.

"A Astra pagou no mínimo US$ 360 milhões por Pasadena", afirmou Foster, o que não bate com as mais generosas contas que faço.

Li na imprensa belga que o barão Albert Frère teria pagado por Pasadena US$ 76,5 milhões e investido nela US$ 126 milhões, o que totaliza US$ 202,5 milhões. Onde estão os outros US$ 157,5 milhões que me faltam na conta para chegar aos US$ 360 milhões alegados por Foster?

Desfilar números sem lhes demonstrar as origens das grandezas é uma reles maneira de tornar prosaica a álgebra. O que convence é a aritmética e, como demonstrado acima, faltam alguns pedaços para a prosa de Foster passar na prova dos noves.

9 comentários:

  1. Adorei a frase "de cara, montar um governo sem corruptos" É assim que o povo gosta, direto e decidido, o problema foi o repórter perguntar do porto de suape...

    http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2014/04/14/dez-perguntas-para-eduardo-campos-por-gabriel-garcia-531030.asp



    Clarinática (Clara & Marina)

    ResponderExcluir
  2. as PECs 297/2013 e 327/2013 que já foram aprovadas no dia 12/03/14 na ccj do congresso, que querem fazer um novo plebiscito para dividir o Pará em que SÓ VOTARÁ OS ELEITORES DAS REGIÕES QUE QUEREM SER DIVIDAS e ninguém escreve uma linha sobre o assunto porque?

    http://g1.globo.com/pa/santarem-regiao/noticia/2014/03/ccj-aprova-pec-que-propoe-plebiscito-apenas-no-oeste-do-para.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O assunto foi tratado no ano passado, quando as PECs foram apresentadas. A aprovação na CCJ é normal, pois elas não são inconstitucionais: apenas definem o que é "população diretamente interessada". O mérito será discutido em plenário, quando um dia, que eu espero estar vivo para ver, elas lá chegarem.

      Excluir
  3. Abdias Sênior16/04/2014 15:02

    Ora, por favor, "professor" Parsifal. A isso se chama casuísmo. O povo do Pará já disse NÃO e NÃO à Divisão. Respeitem o povo paraense, vocês que vivem com mandatos parlamentares sustentados por ele.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já que você me honra com a alcunha, deixe-me lecionar: o casuísmo legal ocorre quando um fato jurídico se encontra deflagrado e se aprova uma lei que o afeta o andamento.
      No caso, não há um plebiscito deflagrado e não existe nenhum projeto de decreto legislativo em apreciação em nenhuma das Casas legislativas, portanto as PECs não podem ser taxadas como casuísticas.
      A qual povo paraense você se refere? Porque pelo seu tom há mais de um: eu sou paraense, de pai, mãe e avós paraenses, casado com uma paraense, com três filhas paraenses e sou a favor da divisão porque creio que será melhor para o Pará, de onde eu não tenho a menor intenção de me mudar: caso houvesse, ou haja a divisão, eu ficaria, e fico no Pará.
      Portanto, assim como eu devo respeitar a sua opção como um paraense, respeite a minha como tal.
      Não, o povo paraense não me sustenta: eu exerço um mandato parlamentar e sou pago por isso, como milhares de servidores públicos.
      Pela sua visão de "sustento" todos no Pará são sustentados pelos paraenses, desde o gari da menor prefeitura, ao dono do Grupo Líder, inclusive você, pois todos somos pagadores de Impostos. E para sua observação, eu pago, por ano, de Imposto de Renda, mais do que recebo, por ano da Alepa. Não vivo, e nunca vivi, de política e nada tenho contra quem dela vive, pois a política é uma profissão. Infelizmente, a maioria de nós, políticos, não a honra.

      Excluir
  4. Abdias Sênior16/04/2014 15:05

    Essa matrona Graça Foster lembra aquelas "madres superioras" dos conventos de freiras do século passado, que vigiavam as "meninas" dia e noite para evitar que usassem a banana nos banheiros. A banana , na época, funcionava como "vibrador" sem pilhas. Junto com Serveró, ela bem que poderia protagonizar um Caso especial, chamado "A Noite dos Horrores" na Petrobras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro Abdias, esse blog é censura livre. Libidinagens explícitas só no Cine Ópera, lá em Nazaré. Principalmente protagonizadas pelas duas personagens citadas.

      Excluir
  5. Mas na imprensa do sul do estado já saiu a noticia e o deputado autor da pec já foi entrevistado em todas as emissoras mas aqui em belém ninguém nem sabe o que é essa pec

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A grande imprensa paraense (Belém), deu apenas uma nota e desdenhou do potencial da notícia. É assim que a imprensa da capital trata tudo que ela acha que não diz respeito à metrópole.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.