01/03/2014

MPE requer a suspensão do #queremos ouvir o Pará

prop

Depois da suspensão das caravanas do “Pro-Paz” pelo Governo do Estado, o Ministério Público Eleitoral opina que o programa do PMDB “#queremos ouvir o Pará” é propaganda eleitoral antecipada e requereu à Justiça Eleitoral, ontem (28), que suspensa os eventos “que contem com a participação de não filiados do PMDB”.

O MPE requereu a suspensão liminar dos encontros e multa ao PMDB e ao seu presidente em exercício Helder Barbalho, no valor de R$ 975 mil cada um, devido a 39 eventos já realizados. 

Data vênia o entendimento do MPE, discordo que o #queremos ouvir o Pará seja propaganda eleitoral antecipada: trata-se de uma reunião partidária que colhe subsídios para o programa de governo do partido, o que a própria Justiça Eleitoral exige no momento do registro das candidaturas à cargos majoritários.

Todavia, se assim entende o MPE, o que falta para que a massificada propaganda eleitoral que o Governo do Estado faz há 3 anos, disfarçada de publicidade institucional, paga com o erário, sofra as mesmas restrições? Ou que se restrinja o descarado abuso de poder político e econômico praticado pelo governador e seu vice, com a festiva entrega de cheques moradia nos municípios?

Ou há uma borduna para bater no Chico e um fio de seda para acariciar o Francisco?

18 comentários:

  1. "trata-se de uma reunião partidária que colhe subsídios para o programa de governo do partido" ....

    me engana que eu gosto....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você gosta de ser enganado está no lugar errada: vá assistir a propaganda institucional do governo, que já gastou do seu, do nosso, dinheiro, desde o início do mandato, R$ 130 milhões.

      Excluir
  2. Pimenta no dos outros é refresco ....deputado. Vocês querem impor à Justiça Eleitoral a lei que não se aplica ao Estado. E querem por qualquer custo usar e abusar de campanha antecipada e que todos fiquem mudos e quietos. O que está acontecendo com os veículos do grupo RBA é um escárnio . E o senhor Hélder diariamente usa e abusa de um disfarçado programa de rádio pra se promover eleitoralmente. E ninguém faz nada. E ainda vens com essa de dizer que o pobre do PMDB e a família Barbalho são perseguidos. Mas por quem cara pálida ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você tem certeza de que sabe ler? Ou não leu a postagem errada? Onde está escrito que "o pobre PMDB e a família Barbalho" são perseguidos? Ações do Ministério Público não são perseguição: são ações do Ministério Público, que podem, ou não, procederem, a juízo da Justiça.
      O que está sugerido é que se o MPE opina que a conduta é irregular, que use o mesmo critério para restringir condutas similares.

      Excluir
  3. o grupo que acompanha os barbalhos só querem bater no governo, quando se senti acuado é injustica, pau que bate em francisco bate em chico, fora tambem vamos ouvir o para. isto só é o comeco de uma guerra politica de poder, criada pelo proprio jader barbalho que quer fazer politica como 20 anos atras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, você está enganado em tudo o que comenta: o "grupo que acompanha os Barbalhos" não se sente acuado e nem vítima de injustiça. O Ministério Público não acua ninguém e nem comete injustiças, apenas propõe ações judiciais que serão procedentes, ou não, conforme o que a Justiça decidir, e os acionados terão direito a ampla defesa.
      Também, o Ministério Público não pratica guerra política com ninguém: apenas propõe ações judiciais.

      Excluir
  4. Queiramos ou não, é quase ínfima ou inexistente a linha que separa o que é propaganda eleitoral de outro e qualquer tipo de propaganda, seja a do "governo" Jatene ou a do Helder, todos sabemos que o intuito é promover os seus nomes ou partidos. Agora um utiliza dinheiro público e detalhe, a agência que comanda a mídia do governo é a Griffo, que coincidência ou não, é a mesma que há anos comanda a campanha eleitoral tucana.
    Porque mesmo o "governo" trocou o mote da publicidade para "Pará em Obras"? foi para camuflar as parcas realizações de governo ou do "governador" é propaganda governamental ou eleitoral?

    ResponderExcluir
  5. Francisco Marcio01/03/2014 19:19

    Todos dois lados são farinha da mesma mandioca. E ambos, sao useiros e veseiros de "propaganda disfarçada", e essa retórica do Deputado é perfeitamente compreensível, afinal, atingiu o seu pupilo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesse caso a roça é que é mesma, mas a mandioca é diferente e a farinha vem em sacos diversos. Retórica não: preliminar de mérito.

      Excluir
  6. Mas Deputado, o PMDB não deve pedir ao MP que impeça a propaganda eleitoral do governo disfarçada de campanha institucional.
    Se barrarem a propaganda do Governo, não sobra nada, nem governo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a ultima frase deste anõnimo é perfeita...meus cumprimentos.

      Excluir
  7. acredito que esse andança do PMDB pelo Pará,tenha outro nome queremos enganar o Pará,e o deputado Parsifal e o defensor desse projeto,todos nós sabemos que quando essa familia Barbalho pegou o nosso sofrido estado deixou em frangalhos trocando em miudos.arrasou as contas prova disso e o jornal.radio,televisaó,que a familia conseguiu como naó sei fica no critério de quem tenha mente pra usar.

    ResponderExcluir
  8. Parsifal;

    Por quê NÃO!

    Caminha para o final o segundo mandato de Simão Jatene como governador do estado. Cada um cidadão deste estado tem o direito de fazer a sua avaliação, e eu tenho a minha.

    O governo é quem representa o estado; porém numa democracia como a que eu quero para o meu país, dele se espera um 'compromisso de servir' aos princípios constitucionais e democráticos, e não de ser servido por estes.

    Não está escrito que apresentar obras faculta ao chefe do poder executivo estabelecer um trono, que se sobreponha aos direitos constitucionais daqueles que não lhe são agradáveis.

    Simão Jatene não gosta de servidor público, então não faz concursos, não paga os direitos dos servidores, não recebe nem dialoga. Não reconhece aquilo que todos os outros governadores (com exceção de Almir Gabriel) reconheceram: a necessidade do estado ter seu quadro de técnicos.

    Obras e contratação de serviços são realizadas segundo conveniências que não se explicam; p.ex: se for dos correligionários (a oligarquia), o valor e altíssimo; se não a realidade é outra - vejam o exemplo do H. Regional de Tucuruí. O governador deveria zelar por todos com equidade, como preconiza o SUS, que lha manda o dinheiro.

    Do seu trono Jatene controla o estado com secretários com remuneração dupla (nada mal se estão servindo ao trono), construtoras especializadas em cobrar o dobro (que o governador paga feliz por estarem servindo ao trono); terceirizadas totalmente inúteis como UniHealth (pagas a preço de ouro por servirem ao seu trono); enquanto alega não ter dinheiro para a GDI dos servidores.

    Até o Ministério Público está comprometido com o trono.Seu atual procurador geral é um homem que se dispôs ser uma cópia de outro colaborador do trono.

    Isso não é saudável! O estado tem milhões de donos, não apenas o Jatene e o leão. Alguma coisa precisa ser feita para restabelecer uma forma de governo que atenda a pluralidade dos cidadãos. Jatene não é esse cara. Não voto nele!

    ResponderExcluir
  9. Perguntas que não querem calar.

    1. Por que o Helder Barbalho ainda é presidente do Frente de Municípios ou algo parecido se não é prefeito?
    2. Me mencione 10 obras estrat´gicas do Prefeito Helder Barbalho que tenham marcado seu governo.
    Não me peça que vai para o site dele, que já fui e não encontrei nada consistente.
    3. Que notícia importante difunde o locutor, não jornalista, Helder na Radio Clube?
    Fora da propaganda (auto) que transmite com essa voz imposta, tratando de parecer Jader?
    Não sou do grupo ORM.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1. O presidente da Famep tem um mandato, e o seu estatuto permite, textualmente, que o presidente cumpra o mandato até o final, mesmo tendo encerrado o seu mandato de prefeito.
      2 . Não é possível fazer alguém enxergar o que não deseja ver.
      3. Ouça o programa e tire as suas conclusões, que deverão ser similares àquelas da visita à página., pois também não é possível fazer alguém escutar o que não quer ouvir.
      Eu não tenho nada contra o grupo ORM.

      Excluir
  10. O SUJO FALANDO DO MAL LAVADO!

    Francamente Parsifal, guarde essa postagen - como as de mas - para ser usada de 2015 a 2018. Pq pelo que eu vejo, vcs (PMDB) levam essa.

    Não com o meu voto! Que fique bem claro! Para que, durante o próximo pleito, eu tb me lembre!

    ResponderExcluir
  11. Eh desespero!!! Helder Governador doar a quem doer....

    ResponderExcluir
  12. Os maiores interessados em parar o QUEREMOS OUVIR O PARÁ, sem dúvida é o DESGOVERNADOR PREGUIÇA Jamente Jatreme que não anda pelo PARÁ, Não ouve o Pará, não executa obra no Pará.Aliás, nunca foi nem a metade dos municípios paraenses, Mais tem o Marqueteiro que engana o Pará a custa de milhões de reais em Propaganda, tem Pro Pai Prof filha, tem o filhinho distribuindo combustível...enfim QUANTA ops quantos motivos para manter o POVO sem opção..nem mesmo ouvindo o IPIRANGA as margens...A deputado o sr. sabia que a rede de postos Ipiranga esta com super projetos de postos que especializados em motos para a nossa região metropolitana? Será o primeiro da região norte.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.