09/02/2014

O nego tá moiádo de suor…

Terminei de ler “No tempo de Ary Barroso”, que narra a vida de uma das estrelas mais brilhantes da constelação da MPB.

ary

Aos oito anos (1911) Ary ficou órfão de pai e mãe e foi adotado pela avó materna, que mesclou a sua educação tradicional com estudos musicais.

A facilidade de Ary para a música era enorme: aos 12 anos já ganhava uns trocados tocando piano no Cinema Ideal, em Ubá (MG), sua terra natal. Aos 15 compôs a sua primeira música: o cateretê "De longe".

O falecimento de um tio, Sabino Barroso, que fora ministro da Fazenda, mudou o fado de Ary Barroso quando ele tinha 17 anos: a parte que lhe coube da herança do tio levou-o ao Rio de Janeiro, para estudar direito na Universidade do Rio de Janeiro, onde ingressou, por aprovação no vestibular de 1921.

Meteu-se na boemia carioca e largou o curso de direito no segundo ano. A herança acabou e ele arrumou emprego, como pianista, no Cinema Íris. Dali em diante, a efervescência carioca se encarregou de apresentar-lhe ao Brasil.

Voltou à faculdade em 1926. Em 1930, bacharel em direito, já era consagrado nos musicais de teatro e no final da década de 30 conheceu a glória com o que é a sua mais conhecida composição: “Aquarela do Brasil”, que veio a ser parte da trilha sonora do longa-metragem de Walt Disney, “Você já foi à Bahia?” (1944). Pela trilha sonora desse filme Ary Barroso recebeu o diploma da Academia de Ciências e Arte Cinematográfica de Hollywood.

Shot010

Barroso foi um dos mais versáteis compositores nacionais. Compôs choros, xotes, marchas, foxtrotes e sambas. Além de “Aquarela”, são espetaculares os seus sucessos em “Tabuleiro da baiana”, “Os Quindins de Yayá”, “Boneca de piche” e “No rancho fundo”.

Em 1964 faleceu, no Rio de Janeiro, de cirrose hepática, foice comum com a qual a indesejada das gentes levava os artistas das noites cariocas do século passado.

aryb

Ouvi, em uma entrevista de Mario Lago, que um dia estava em casa com um amigo, quando Barroso entrou, com a sua “voz esgarçada e estridente”, dizendo que acabara de escrever uma música e precisava de um piano para completar o talento.

Lago apontou o piano e Ary sentou-se, procurando notas que traduzissem o que ele compusera na cabeça, e cantava, acompanhando o tom: “O nego, tá molhado de suor. A mão do nego tá que é calo só...”.

Enquanto ele batia as teclas com a mão direita, Lago notava que a esquerda trabalhava um tom diverso, nos intervalos das estrofes.

Ao final, Lago e o amigo bateram palmas e Lago sugeriu que Ary deveria dar palavras às batidas da mão esquerda. Ary pensou um pouco, repicou os tons da esquerda umas três vezes e soltou a voz na última batida: “trabáia, trabáia, trabáia nego!”

Isso foi em 1943, e ali composta estava o que, para mim, foi a mais bela composição de Ary Barroso: “Terra Seca”, com a Ângela Maria.

Um comentário:

  1. Que tocante!
    É uma pena que a nossa juventude tem se esbaldado em rimas como: "...Agora fiquei doce igual caramelo, tô tirando onda de camaro amarelo..."
    Vou mostrar aos meus filhos a beleza dessa letra, voz e melodia.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.