01/02/2014

Eu, um cego

Shot010

Como eu não consegui enxergar, em nenhum lugar do mundo onde se realizou a Copa até hoje, algum benefício para o país que a sediou, e nem antevejo que isso possa ser diferente no Brasil, e preferiria ver os bilhões gastos para rolar a bola, investidos, com a mesma expediência, em saneamento básico, por exemplo, devo ter a visão tão pequena que passo a me considerar um cego.

Fique claro que nada tenho contra o futebol.

30 comentários:

  1. Nem tanto ao mar nem tanto ao sol. A copa não é a salvação, mas também não fará ao Brasil nem a população

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro que não fará mal. Mas R$ 30 bilhões investidos em escolas, saneamento básico, transportes públicos e hospitais fariam bem.

      Excluir
  2. A pergunta que não quer calar: Se a copa não traz nenhum beneficio, porque os países brigam e disputam tanto para sediar o evento?
    Os EUA disputou com o Brasil para sediar a copa mesmo estando em crise econômica.
    A Inglaterra se prontificou a sediar o evento (era o plano B da FIFA), caso o Brasil não de conta do recado.
    Muito estranho, se é ruim porque o mundo todo mundo quer?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Observe que os EUA e a Inglaterra, para ficar nos dois que você citou, têm qualidade de vida milhas à frente do Brasil, as cidades dos dois países têm 100% de saneamento básico, lá a água que sai das torneiras, em 100% dos domicílios é potável, a saúde está a anos luz à frente do Brasil, a infraestrutura de portos, aeroportos e transportes públicos de massa são as melhores do mundo, e o cidadão não troca voto por cesta básica.
      Mas o pessoal que está colocando a metade desses R$ 30 bilhões no bolso está achando ótimo. A FIFA também acha uma maravilha. Como eu disse na postagem, eu é que sou cego mesmo e fico com esse negócio de querer saneamento básico: cegueira pura.

      Excluir
    2. Não foi só os EUA e Inglaterra que disputaram com o Brasil, Chile e Uruguai (entre outros) também foram candidatos.
      O Problema é que estes 30 bilhões "poupados" com certeza não seriam utilizados para saneamento básico, pois 90% destes recursos como sempre iriam para as contas dos políticos e empresários financiadores de campanha eleitoral.
      Se o problema fosse só copa o Brasil seria um país de primeiro mundo, faz sessenta e quatro anos que o Brasil não sedia uma copa e nem por isso a questão do saneamento básico foi resolvida durante este período, em que o Brasil foi governado pelo PMDB, PSDB e PT.
      O grande problema do Brasil não é sediar copa do mundo ou falta de dinheiro, o que falta no Brasil é político honesto e com vergonha na cara, falta também o brasileiro deixar de eleger l@ápios e aprender a votar.
      Pelo menos com a copa parte deste dinheiro é empregado em infraestrutura mesmo que localizada, construção e reforma de estádios e turismo. Além do mais a copa trás um pouco de alegria ao brasileiro e ameniza o desgosto e a infelicidade de ser tão mal representado, e de ter que conviver com a maldição da corrupção endêmica no Brasil.

      Excluir
    3. Duvido que se estes 30 bilhões fosse distribuído entre Estados e Municípios mais que 20% efetivamente seriam empregados em infraestrutura, hospitais e escolas. Sendo assim se 50% vai para ''este pessoal'' ainda estamos no lucro.

      Excluir
    4. Já que estamos frente a uma encruzilhada de incongruências, vamos combinar assim: peguemos todo o orçamento de investimento do Brasil e coloquemos em espetáculos de entretenimento pois, dessa forma haverá "um pouco" de alegria ao brasileiro e puxadinhos serão feitos em aeroportos.
      É verdade: falta ao Brasil políticos honestos, mas não os haverá enquanto houver por parte da população o aval para elaboração de políticas desonestas.
      A desonestidade do político tem pasto fértil em opções como as que acabo de ler acima, o que pode ser traduzido aos miúdos das seguinte forma: "já que é para roubar deixemos roubar fazendo a Copa".

      Excluir
  3. Parabens anonimo das 09:30. fostes de uma precisão cirurgica na analise e conclusão.

    ResponderExcluir
  4. Mesmo assim, em outubro, o senhor votará nessa apedeuta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, votarei e pedirei voto por achá-la a menos pior: eleições sempre, em qualquer parte do mundo, é escolher o menos pior, pois o melhor não existe.
      Dilma não é apedeuta: ela tem formação superior, pós-graduação e mestrado em Ciências Econômicas, além de um doutorado inconcluso na área. Demonstre, e defenda, o seu ponto de vista, mas não invente predicados inexistentes nas suas argumentações.

      Excluir
    2. Rapaz, o que tem de apedeuta dentro da própria USP não é brincadeira não!!!

      Excluir
    3. Deputado, jpa que o Sr. pedirá votos a ela, lanço um desafio!

      Se alguem me mostrar onde está a coerência em alguem (Dilma) ter "lutado" contra a "ditadura" militar do Brasil e apoiar um DITADOR que se perpetua no poder a trocentos anos (OS CASTRO), eu voto no 13 pra presidente!!!

      JURO POR DEUS que votarei nela se o Sr. me mostrar a coerência nisso! =)

      Excluir
    4. Deixe Deus fora disso: a política é a parte de César. Dê uma volta pelo mundo e pela história da humanidade e você não encontrará coerência nisso: o ser humano é incoerente. Se decide o seu voto por coerência dos candidatos apresentados, rasgue-o e prefira pagar aquela multa de R$ 9,0 por não ter votado e ficar em dias com as suas obrigações eleitorais.
      Eu também não sou coerente. Você já deve ter lido, mais de uma vez, eu criticando a Dilma e o PT, duramente aqui, e eu voto nela e peço voto para ela. Idem, procure e você encontrará duras críticas ao Fidel e ao regime cubano, mas eu adoro o Fidel.
      Tem gente que é assim: imperfeito. Eu sou uma dessas gentes.

      Excluir
    5. é cult gostar de cuba e do fidel mas morar lá ningm quer nem a dilma e nem o deputado!

      Excluir
    6. Seria prudente não falar pela Dilma e nem por mim. Ela talvez jamais lhe envie uma resposta, mas eis a minha:
      Não confunda as ditaduras com os povos e os países que estão sob o julgo delas, pois são coisas totalmente diferentes: eu adoro o Brasil e sempre o adorei até quando era uma ditadura.
      Cuba é país adorável e o seu povo idem. Havana é uma cidade hospitaleira. Nesse ponto eu comparo os cubanos com os brasileiros: são amáveis e extrovertidos. À primeira conversa já são capazes de dividir a ração que têm com o interlocutor e de sair dos seus quartos e irem dormir na sala para que a visita tenha um pouco de conforto.
      Se um dia eu decidir sair de Belém e puder opinar por outra cidade do Brasil escolho São Paulo. Se tiver que sair do Brasil, considero duas cidades para morar: Chicago, nos EUA e Havana em Cuba. Às duas vou sempre e me sinto em casa em ambas, por um motivo simples e profundo: fiz amizades sinceras em ambas e como não mais tenho tempo para construir novas amizades sinceras, coisa que demora cerca de 20 anos para se consolidar, prefiro preservar as já firmadas e quero morrer acalentado pelos amigos sinceros, que para mim são poucos, mas de uma vida.
      Sou do tipo do meu amigo (sincero) André Nunes, o Marquês do Uriboca, que diz que quando morrer quer ir para o inferno porque é lá que devem estar os seus mais queridos amigos que já partiram. Chegando lá, nós juntos, eu e meus amigos, damos um jeito de fugir do satanás e procurar o caminho do paraíso.

      Excluir
  5. Parsifal, desiste. O Brasil é o país do carnaval, do futebol e das bundas. Para essa coisas pode roubar à vontade. O pessoal até prefere. O brasileiro é mais ou menos como aquele latifundiário que é favor da reforma agrária desde que não seja nas terras dele. Somos uma sociedade de psicopatas morais.

    ResponderExcluir
  6. Mais uma vez não posso abandonar o pensamento lógico: Como uma coisa pode ser ruim se todo mundo a quer e luta por ela? Isso não faz o menor sentido.

    Olá anônimo das 16:07 sei que você não gosta do Brasil e dos Brasileiros, mas convenhamos, não é só o Brasil que quer sediar a copa, são todos os países do planeta, você e o Parsifal estão certos, o resto do mundo é que está errado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você seguisse o pensamento lógico descobriria que querer sediar a Copa nada tem a ver com lógica, mas com finanças e entretenimento remunerado: assim se realizam espetáculos, que seriam ótimos se não fosse realizados com dinheiro público. Nos países sérios e com responsabilidade fiscal não há entretenimento com dinheiro público e todos os templos de espetáculos são construídos, bancados e mantidos pela iniciativa privada.
      A sua base está errada: não são todos os países que querem sediar a Copa, mas apenas o países que se sujeitam aos acordos com a FIFA, ou você acredita mesmo que os EUA, "se quisessem" sediar a Copa "perderiam" para o Brasil. Por favor, ingenuidade argumentativa precisa ter limites fáticos para não parecerem ridículas.
      Mas onde está escrito que eu estou certo? Manifesto uma opinião e sustento-a a cada contra-argumentação e isso não é índice algum de que eu esteja certo.
      Aliás, desde o início, e já prevendo as contra-argumentações, eu afirmei, na verdade, que sou cego, exatamente por não enxergar o que todos aqueles que têm os dois olhos veem.

      Excluir
    2. Meu amigo 6, realmente a lógica não é o seu forte. E até para adivinhar você é ruim para danado. O fato de eu concordar que Copa não é prioridade e achar que os brasileiros não têm senso de oportunidade e prioridades, não quer dizer, sem forçando todas as barras, que eu não gosto do Brasil e dos brasileiros. Isso é uma conclusão tão sem nexo que chega a ser cretina.
      Calma aí cara. Todos os países do planeta?!!! Não, claro que eu posso estar errado e você certo, vice-versa ou nenhuma das resposta anteriores, mas não beba nada antes de postar comentários, por favor.

      Excluir
    3. Calma. O comentarista demonstra o seu ponto de vista e tenta fundamentá-lo. Predicados como "cretinice" ou "ébrio", idem, desculpe-me, não são argumentos e sim indelicadeza. Concordo com as suas argumentações, mas elas ficariam melhores sem as ofensas.

      Excluir
    4. E outra, não é o Brasil que quer a Copa. Quem briga pela Copa são os políticos e integrantes de comitês esportivos. Que líder de um governo não gostaria de dizer para todos que ele conseguiu trazer a copa? Todos sabem o que aconteceu com a Ana Júlia e como ela foi acusada de ter perdido a Copa em Belém. Ou seja, aqueles que lutam pela copa, são os verdadeiros beneficiados dela.

      Excluir
  7. Voltamos ao ponto G (rs), note que em se tratando de dinheiro público, no Brasil por mais voltas que damos em se tratando de desperdício e mau uso do dinheiro público sempre somos obrigados a abordar o assunto político e corrupção.
    O que estou querendo dizer é que a copa em si não é ruim, não é um problema e não prejudica o desenvolvimento e as finanças do Brasil, a copa não é a responsável pelos problemas do nosso país. Sediamos a copa em 1950, nestes 64 anos sem copa o que foi que mudou? Com copa ou sem copa os problemas vão continuar, e sem dúvida alguma o maior problema do Brasil é a corrupção, não há dinheiro que chegue, o Senhor sabe muito bem que a maior parte destes 30 bilhões se não fosse para a copa também não iria para a infraestrutura, escolas e hospitais, assim como não foram empregados em infraestrutura, hospitais e saúde os recursos que deixamos de gastar em sessenta e quatro anos sem sediar a copa.

    Com certeza a maior parte destes recursos iria para as contas dos parlamentares, governadores, prefeitos e aderentes e para compra de sentenças judiciais.

    Fizeram um escândalo dos diabos quando o Pará não foi escolhido para ser um dos Estados a sediar a copa, agora reclamam porque copa veio para o Brasil, vai entender esta turma, isso sim não tem lógica alguma, ou melhor, tem sim, quem está falando do barco é porque não embarcou.

    Tem razão, o Brasil é um país tão pobre e miserável que vai à falência por sediar a copa, não importando a infraestrutura, o turismo e os empregos gerados, deveríamos ter deixado que o Chile o Paraguai e o México, países de primeiro mundo, ricos, poderosos e muito mais desenvolvidos que o nosso sediassem o evento, como podemos comparar o Brasil miserável com o Paraguai desenvolvido e rico por exemplo?

    Pelo menos a diversão da copa é democrática já que é para todos, como o Senhor sabe, 90% dos Brasileiros não tem condições para se divertir com recursos públicos em Miami ou nos paraísos fiscais do Caribe, como por exemplo, as paradisíacas ilhas Cayman, assim temos que nos virar por aqui mesmo e com o que temos.

    Bom deixando as ironias de lado, acredito que as críticas à copa é somente mais uma forma de desviar a atenção do povo para o Real (rs) problema do Brasil, o câncer da corrupção, que corroí nossas riquezas e infesta as nossas instituições, não interessa se o povo é culpado ou não, o mal está ai e precisa ser combatido, o resto é só cortina de fumaça e ilusionismo.
    A propósito, pelo menos quase a metade de 30 bilhões (13,3 bilhões) foram gastos só pelo Estado do Pará (um dos mais pobres do Brasil) sem licitação só nos últimos três anos, agora imaginem no resto do Brasil?
    A propósito Deputado, fique tranquilo, com certeza o senhor não está cego, penso que o Senhor enxerga e muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso não é o ponto G e sim o Z, o final do alfabeto. Mas fique claro: esse abecedário eu jamais declamei.
      Quase fui jogado da tribuna da Alepa quando me manifestei contra a Copa e quando festejei, de novo da tribuna, por Belém não ter sido escolhida. Recuso-me a fazer parte da milenar dualidade pão e circo como forma de satisfazer as massas, pois tudo o que consegue restar disso são ruínas, como as do Coliseu, em Roma, que aliás, como tais, gera hoje muito mais divisas a Roma do que quando a multidão vibrava com o sangue dos gladiadores e dos cristãos.
      E ruínas já começam a ser todos os estádios da África do Sul, por exemplo (um pais tão desigual como o Brasil), que se meteu a fabricar entretenimento com dinheiro público. Essa coisas devem ser disputadas quando as necessidades básicas já estão cumpridas, a renda per capita não é vergonhosa, o IDH não mais é sofrível, o analfabetismo está erradicado, e o sistema educacional não mais é um dos piores do mundo. Tungar o erário em R$ 30 bilhões para fabricar estruturas apartadas de todo um sistema e em desacordo com as prioridades da Federação é pura desfaçatez fiscal o que, aliada à corrupção, passa a ser um crime de lesa pátria qualificado.
      O Brasil faria muito mais pelo futebol enquanto esporte e diversão de massa, se empregasse o recurso em soluções sistematicamente domésticas ligadas ao esporte como elemento de estrutura social e educação de base através dele. Mandela, por exemplo, deu um espetacular exemplo, de como o esporte pode mudar o modo de agir e pensar de uma nação, através do esporte, sem gastar um tostão para construir estádios. Anos depois, com uma África já sem as mazelas do apartheid, foi custoso convence-lo ir à abertura da Copa na África do Sul, exatamente por discordar dos bilhões que o país gastou para sediar um espetáculo que em nada ajudaria a África do Sul.
      Desculpe, mas soa demasiadamente obliquo para mim esse argumento de que se há corrupção em tudo então que gastemos bilhões em uma Copa, apesar da corrupção, pois nela aqueles bilhões estarão mais bem empregados porque o povo gosta. Com esse pensamento constatamos a nossa incompetência, enquanto povo, para construir uma pátria eficaz e voltamos ao Coliseu.
      Observe ainda que a sua lógica não procede pelo verso e sim pelo inverso: não são as críticas à Copa que são “mais uma forma de desviar a atenção do povo para o Real (rs) problema do Brasil”. É o ufanismo da Copa que é uma forma de desviar a atenção para outros pontos crônicos que o brasileiro precisaria estar preparado para discutir tanto quando está para opinar sobre a escalação do time.
      O ilusionismo é a Copa! E os que querem continuar com a “cortina de fumaça e o ilusionismo” apostam todas as suas fichas nela, porque está provado sociologicamente que em sociedades mal informadas e de pouca massa crítica para debater as grandes questões nacionais, o pão e o circo são o melhor fermento para inflar as iniquidades.
      Além de cego sou pecador, pois a voz do povo é a voz de Deus e eu sou uma das poucas vozes destoantes. Para a cegueira não há cura, para a rendição dos meus pecados, acho que devo começar a rezar umas 100 mil ave-marias, pois, pelas mesmas razões, sou contra o Brasil gastar outros bilhões para sediar as Olimpíadas também.

      Excluir
  8. Parsifal, eu já lhe disse. Quem avisa amigo é... Eu discuti muito isso, mas desisti. O Brasil é o país do samba, do futebol e da bunda. Temos que encontrar uma maneira de resolver todos os nosso problemas com essas três tecnologias: samba, futebol e bundas, mesmo que nelas estejam a corrupção porque nelas, POR INCRÌVEL que pareça, o "povo" tolera a corrupção: diverte meu amigo!.
    Bem, eu desisti. Você nem imagina quem escreve isso aqui. Mas eu desisti! Ora bolas, estou velho. Passei a vida lutando pela educação, brigando contra a corrupção, mas o povo brasileiro não adquire a tal massa crítica meu amigo. Esqueça. Vamos torcer pelo Brasil e pronto!! Relaxei. A droga é que só fui relaxar depois de velho e quando não mais tenho capacidade de gozar. Assim como você conclui que é um cego eu concluo que sou um imbecil!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como dizem os meus amigos do baixo Tocantins, tu jura mesmo que eu não sei quem és? Não adianta tentar borrar o texto, meu caro, pois a expressão escrita, como sabes bem, é como impressão digital: cada um tem a sua e ela é única.
      Eu sei que você aposentou a empreitada. Quem sabe, quando eu estiver na altura dos seus 80 eu também desista...
      Por enquanto vou assistir "A menina que roubava livros".
      Salut!

      Excluir
  9. Grande debate de ideias, em que prevaleceu a educação e o respeito mútuo, apesar do calor da discussão e da defesa ferrenha dos pontos de vista conflitantes.
    Difícil e raro isso, ainda quando o debate envolve questões políticas.
    Isso mostra que é perfeitamente possível discutir política sem ofender, afrontar, sem gaiatice ou apelação.
    Todos ganham com isso, ganham os debatedores que tem a oportunidade de conhecer opiniões diversas das suas e assim tem a chance de poder avaliar e reavaliar posições, e ganham os espectadores que podem avaliar e conhecer as várias faces de uma mesma verdade e então escolher uma delas, ou com maior conhecimento e informações sobre o tema pode formar a sua própria opinião.

    Sinto-me feliz de poder participar de um debate de tal nível.

    Quanto às questões levantadas pelo anônimo das 20:12, que aparentemente para o deputado não é tão anônimo assim, acredito que todo problema do anônimo seja apenas baixa autoestima como pessoa e como brasileiro. Pensar que um povo muda radicalmente em apenas uma vida é no mínimo ingenuidade.
    As mudanças sociais são lentas e gradativas, o Brasil é um país jovem, e quem já é velho como também o sou sabe que nestes 50 anos muita coisa mudou, e mudou para melhor, uma prova disso é este debate, neste meio democrático de comunicação, e a certeza de que apesar do debate crítico não seremos presos e torturados amanhã.
    Alguns políticos poderosos até já foram julgados, condenados e presos, coisa inimaginável há poucos anos atrás. Eleições livres e diretas, Ficha Limpa, levante de junho e por ai vai, falta muito, mas estamos caminhando e um dia a gente chega lá.
    Graças a Deus eu não desisti e nem vou desistir do meu país porque gosto dele, e porque meus filhos e netos moram aqui e quero que eles vivam em um país melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Correto. O Brasil avança a passos largos e se eu não o ver como o desejo minhas filhas, ou netos, o verão e até lá já terão outras ansiedades que não serão mais as nossas.
      O meu amigo anônimo é assim mesmo, bipolar como todo velho rabugento: mas ele torcia contra a polícia nos levantes de junho como o mais ferrenho torcedor do Remo o faz quando joga contra o Paysandu. Aconselhei-o a por uma máscara e ir às ruas e, embora ele negue, acho que foi.

      Excluir
  10. João Farias03/02/2014 19:49

    Esses passos largos, devem ser para quem chega na frente para roubar mais, não é mesmo Parsifal ? Vendo o nobre deputado dizer, que vota em Dilma, não será nenhuma novidade fazer campanha para eleger o filho do maior **** do Pará, ao governo do Estado. Tô certo ou errado ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está errado: não sabe fazer contas. Se soubesse descobriria que o maior é outro há bastante tempo. Mas se você quer ficar nessa cantilena atente que você mesmo acaba entrando nela ao locupletar a sua própria identidade o que é uma corrupção chamada de falsidade ideológica.

      Excluir
  11. Tem gente dizendo que os países brigam pela copa! é verdade quase todos brigam mesmo mas quem os escolhe são a FIFA e nenhum de voces tocou no ponto central, a FIFA.
    É uma entidade que visa o lucro e o "roubo" é isso mesmo, o roubo. só analisar que a ultima copa e as proximas copas são campos férteis de roubo e de pobreza são os BRICS, a proxima copa será na russia e a outra no catar.
    Se a fifa realmente quisesse um evento de qualidade ela escolheria USA, inglaterra ou algo que o valha. Portanto, a fifa é quem manda no roubo

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.