09/12/2013

IASEP: pagamentos de prestadores estariam sendo pagos com atraso de 3 a 4 meses

Shot002

Na postagem “Muita calma nessa hora” recebi o comentário que, por ser de interesse de milhares de funcionários públicos estaduais, resolvi trazer ao FrontPage:

“Eu, minha mãe e minha esposa, somos usuários do plano de saúde IASEP/PAS do Estado e estamos nos deparando com situações que mostram que esse instituto está em situação difícil, pois há procedimentos que estão deixando de ser atendidos, como dermatológicos, otorrinos, dentre outros, pelo fato de além de serem valores defasados, ainda são pagos com atrasos de 3 a 4 meses.

Há médicos que estão deixando de atender pelo plano por não verem mais vantagens. Será que se avizinham calotes?! Creio que o presidente do Instituto deva ser chamado para prestar esclarecimentos.

Falta de dinheiro não deve ser, já que os descontos são feitos no contracheque do servidor . Ou será a velha e condenável prática neoliberal do PSDB de sucatear pra depois terceirizar (privatizar) o IASEP?!”

Com a palavra o presidente do IASEP.

15 comentários:

  1. Parsifal, no perfil da Deputada Ana Cunha, diz que as acõrs dela são em favor das mulheres. Por favor, peça para que ela tome as providências em relação ao seu Assessor Parlamentar Lauro Sérgio Nogueira da Silva para este venha a público esclarecer o ocorrido com a estudante Fernanda Andrade no seu jetsky no Rio Pará na última sexta-feira. Será que por ser a deputada do PSDB o caso vai ficar impune.

    Veja o perfil da deputada.

    >> Breve Histórico
    ..................Antes de chegar ao parlamento estadual, Ana Cunha foi secretária municipal de Ação Social em Barcarena, nos anos de 1995 e 1996 e, posteriormente, de 2000 a junho de 2002, quando decidiu tentar uma vaga no Legislativo Estadual. Conseguiu 35.449 votos, no seu primeiro mandato; um número expressivo, para quem enfrentou uma campanha estadual pela primeira vez. Já na segunda candidatura ao mesmo cargo, foi reeleita em 2006, com 47.468 votos, sendo a mulher mais votada para assumir o cargo de deputada estadual. Na Assembléia Legislativa, estão entre as principais bandeiras políticas de Ana Cunha: o incentivo aos programas sociais; qualificação e extensão dos programas de saúde; políticas públicas para mulheres, combate e prevenção à Gravidez na Adolescência, e ao abuso sexual infantil. Neste mandato, Ana Cunha é a segunda vice-presidente da Alepa e também a vice-presidente da Comissão de Saúde, Educação e Cultura. Além da participação estadual, ela representa os legislativos paraenses na União Nacional dos Legislativos Estaduais (Unale), onde ocupa o cargo de Presidente da Secretaria de Mulheres.

    ResponderExcluir
  2. Passarei o comentário à deputada.

    ResponderExcluir
  3. Duvido que deixe de pagar o esquema com o zogby no saide da mulher, uma bagatela de 6a 8 milhoes por mes,enquanto o medico recebe 38 reais por consulta.todo mundo saabe disso e nao faz nada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você falou tudo amigo, há um esquema pra desviar tudo pro Saúde da mulher há anos. O problema que o IASEP não é um plano de saúde e por isso não é regido pela ANS. E o ministério Público como sempre não apura, então o povo sofre enquanto a direção faz seus esquemas.

      Excluir
    2. E vc como deputado tem pider pra oficiar o mp e a assembleia pedindo apuração, se ja sabe, é omisso, Nao está cumprindo o dever de legislador. Se um representante eleito, com condições de fazer a denúncia e ser levado a serio nao o faz, imagina o usuario sem projeção na midia e proteção jurídica tentar faze-lo

      Excluir
    3. esqueceram de dizer, são ****, da ou não pra ficar milionário em 36 meses, pobre do usuário. e o presidente da ALEPA participa, pode fuçar que vão encontrar.

      Excluir
  4. Em qualquer outro hospital ha demora pra aprovar ortese e proteses ortopedicas, vasculares e outras, a orientacao que o paciente recebe e que no hsm ta tudo pre autoriAdo, senao vai esperar meses pra liberaapr material.so nao contam que e material chines de pessima qualidade

    ResponderExcluir
  5. Em Tucuruí tem muto tempo que a IMIMI não atende o IASEP e o Hospital santa Angelica tem que complementar com R$ 30,00 reais a consulta. Não tem atendimento mas o desconto no contracheque é sagrado todo mês.

    ResponderExcluir
  6. Vamos dá nomes aos boi .
    O presidente do IASEP se chama kleber miranda, irmão do presidente da alepa dep. marcio miranda aquele que se diz arrojado e competente n° 25.123-, ex secretário de saúde de Castanhal, condenado por impropriedade na justiça federal por desvio de recursos federais, recursos esses que eram para atender a população carente do município de Castanhal, porém como já disse, irmão do presidente da alepa, pergunta que não quer calar, quem vai encarar ?
    A todos que lá trabalham sabem pra onde vai o dinheiro.
    Quero registrar que guando o mesmo assumiu foi deixado pela antiga presidenta SANDRA , um caixa com 8 milhões de reais, porem colocaram a raposa pra tomar conta do galinheiro, esses irmãos vieram pra enganar o povo do pará digo isso pq são mineiros, chegaram aqui puxando a carrocinha e hj estão milionários , a custa do povo do PARÁ que precisa aprender a votar, metade a assembléia legislativa é formados por forasteiros oriundos de outros ESTADOS, como se por aqui não tivesse gente competentes e comprometidas, já estava na hora de alguém apontar o dedo para esses irmãos metralhas, um já está condenado pela justiça e o outro está a caminho. ou será que ninguém desconfia que lá na ALEPA não tenha licitações fraudulentas ,
    Lá em castanhal essa turma não se cria, levaram uma surra. agora vai ser o PARÁ que vai dá-lhe, é melhor o marcio miranda se aposentar tem um dossiê dele ai rolando e nos municípios que ele tem voto vão conhecer, pode esperar o bicho vai pegar.

    JPC

    ResponderExcluir
  7. No Governo do Ana Júlia tiveram muitos erros, entretanto, a administração do IASEP foi exemplar, tirou o Instituto do buraco, ampliou, e muito os serviços oferecidos. Aos sábados ela visitava os principais hospitais que atendiam o IASEP para ver se estava tudo bem e, por fim ficou dinheiro em caixa no Instituto, quase R$ 10 mihões e, sem dívida.
    Os médicos corriam para se credenciar no Instituto, que pagava, à época, mais que a UNIMED e todos recebiam em até 45 dias.

    Antes o instituto atendia, além dos servidores, a clientela dos políticos do PSDB, tinha contrato com as empresas do Dourado, essas foram algumas causas da quase falência do Insituto. O filme se repetirá?

    ResponderExcluir
  8. Então é por isso que o saúde da mulher construiu aquele império, mas continua prestando atendimento ambulatorial aos usuários do IASEP numa casinha improvisada ao lado do suntuoso prédio, que mais parece uma lata cheia de sardinhas, enquanto que os usuarios de planos como a unimed são atendido num espaçoso e novo ambiente pelo lado do Chaco.

    ResponderExcluir
  9. Realmente, podem apedrejar a Ana Júlia, mas em seu governo o IASEP funcionava e honrava com os pagamentos aos prestadores de serviços. Agora é só atraso e valores ridículos. médico precisa ganhar dignamente pra prestar um serviço digno. Isso não tá ocorrendo e o quadro é preocupante. os comentários negativos sobre esse instituto são muitos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso era porque o pas era administrado pela dra sandra. Extremamente competente e seria O dinheiro da saúde era **** pelo beto carepa atraves de superfaturamento de insumos vendidos direto as o. S. Como a do metropolitano

      Excluir
  10. infelizmente os comentários acima não podem ser ignorados, para nós que somos segurados do IASEP é visível a queda de qualidade do plano de saúde dos servidores estaduais, em várias clínicas e hospitais já não aceitam mais o PAS ou temos que nos contentar com a "explicação" que a cota de atendimento da especialidade "x" já foi atendida no hospital, clínica ou consultório.



    Reginaldo

    ResponderExcluir
  11. Agora me deu medo! Até material cirúrgico é Chinês?!

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.