02/12/2013

Datafolha: prisões do mensalão têm apoio de 87% dos petistas e Alckmin vence em 1° turno

O discurso de injustiçados dos políticos do PT, condenados no mensalão, precisa ser revisto: a esmagadora maioria dos filiados ou simpatizantes da sigla concorda com as prisões e com a forma como elas foram executadas.

É o que aconselha a pesquisa do Datafolha publicada no sábado (30), que também mediu a intenção de votos para a corrida presidencial de 2014.

Shot003

Critico a forma como, em alguns momentos, conduziu-se o processo do mensalão,  e o modo como a execução das sentenças foram iniciadas, mas, repito, a forma como os condenados se comportam, acaba deitando ao chão quaisquer argumentos que se erijam à tese.

Ou seja, já está bom dessa turma parar de choramingar e cuidar de purgar as respectivas penas com resignação, pois o esperneio só serve para fazer tipitinga no corgo.

> Alckmin vence em 1° turno em São Paulo

A pesquisa do Datafolha também mostra que, se a eleição fosse hoje, o atual governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), se reelegeria no 1° turno:

Shot001

Como ainda há águas para rolar no Tietê, o candidato do ex-presidente Lula, atual ministro da Saúde Alexandre Padilha (PT-SP), espera que o seu santo opere o mesmo milagre que elegeu o atual prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), que começou a corrida à prefeitura, em 2012, com os mesmos 4%.

> Haddad mal avaliado

Haddad, aliás, mostra o Datafolha, passa por maus pedaços na pauliceia, com um índice de aprovação de meros 18%, similar a Kassab e Pita, no final do primeiro ano de governo:

Shot002

4 comentários:

  1. deputado, o índice não é similar ao de Celso Pitta. Isso foi a manchete da Folha e é o que os analistas da Folha (que muito frequentemente erram) querem. A taxa de aprovação de Haddad, que de fato não é boa pra ele, estaria, se se pudesse comparar, acima daquela de Pitta e de Kassab, fora da margem de erro da pesquisa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, de 15 para 18, é possível dizer que o Haddad, se considerada a margem de erro de 2 pontos percentuais, poderia estar 1 ponto percentual menos pior que o Pita e o Kassab. Mas mesmo em se considerando os números absolutos e abandonando a margem de erro, o menos pior continua a ser a única classificação possível, o que, em termos críticos, é melhor sustentar o similar, pois não faz diferença alguma na percepção do contribuinte.

      Excluir
  2. OLHA AÍ PARSIFAL
    Escândalo em cima de escândalo, a obra paga e não executada, e o dinheiro pelo Ralo. Onde está o Ministério Público?

    Após o governador do Estado, Simã Jatene, perder compostura durante a entrega da “reforma” da escola estadual Rio Tapajós, em Santarém, no oeste do Pará, quando questionado a respeito da qualidade das obras por duas alunas do 3º ano, eis que surge outra bomba no colo do senhor governador e que merece uma resposta. Onde está a quadra que foi paga com recurso do povo na escola Rio Tapajós?
    Durante a reportagem os alunos reivindicaram, dentre outras coisas, a reforma da quadra da escola. O governador, tirando a responsabilidade que é sua, transferiu a culpa para os cidadãos. Disse que o dinheiro é só um e que o dinheiro que paga os professores, também é o dinheiro que compra carteiras, merenda, constrói quadra, reforma e constrói escolas.
    Depois de toda essa situação deplorável provocada pela má qualidade da obra realizada na escola, agora os alunos estão revoltados com a notícia que a Escola já recebeu a cobertura da quadra. Em consulta ao portal da transparência http://www.portaltransparencia.pa.gov.br/sites/all/themes/transparencia/sistema/consulta2.php?id=160101000012013NE04907&pag=&registroInicial=consta que foi realizado pagamento da cobertura da quadra da Escola no dia 07.11.2013, ou seja, 20 dias antes da visita do governador inaugurar a escola, como mostrado abaixo.

    ResponderExcluir
  3. Vai ter segundo turno e vai ser entre Padilha e o Alckimin. Anotem.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.