08/11/2013

Propinoduto tucano: Justiça Federal bloqueia os bens dos investigados

propi

Embora a imprensa continue silente e só cubra os pontos inocultáveis das investigações do “Propinoduto Tucano”, o caso continuam a todo vapor.

A Justiça Federal decretou ontem (7) o bloqueio dos bens dos investigados no inquérito policial. Os bens bloqueados somam cerca de R$ 60 milhões e constam de contas bancárias, títulos de investimento e ações.

> Relembre o caso

Shot003

> Nomes dos donos dos bens não são publicados

Os nomes dos investigados não foram publicados - se fossem do PT ou do PMDB estariam em negrito e caixa alta -, mas sabe-se que os bloqueios recaíram sobre cinco pessoas físicas, três ex-diretores da CPTM, e duas pessoas jurídicas.

> Suíça

As peças enviadas pela Justiça suíça apuram que, apenas em S. Paulo, a Alstom pagou cerca de R$ 45,5 milhões em propinas. O inquérito suíço cita dois tucanos da alta plumagem paulista: Jorge Fagali Neto e Andrea Matarazzo.

> Os contratos suspeitos e empresas denunciadas

Shot005

> Alemanha

As peças da Justiça alemã, que já multou a Siemens, apuram que o propinoduto atravessou três governos tucanos em São Paulo desde 1998, cujos contratos somam R$ 1,75 bilhão em valores não atualizados.

> Penalidades

Shot006

Os infográficos foram elaborados pelo UOL

Um comentário:

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.