05/11/2013

Professores acampam na Alepa e só saem depois de recebidos pelo governador

Os professores estaduais deitaram ao chão o portão da Alepa, que não estava fechado, e tomaram o Palácio da Cabanagem. Eu não preciso dizer para vocês que acho isso o máximo, principalmente porque o governador não sou eu.

IMG-20131105-WA0001

O presidente da Casa, e deputados de vários partidos, recebeu os diretores sindicais que expuseram as reinvindicações da classe, reportando que apelavam à Alepa porque não mais confiam nos negociadores do governo, a secretária de Administração, Alice Viana, e o secretário especial Alex Fiúza, pela condução desrespeitosa com que se têm portado no impasse.

> Tática equivocada

A dureza e a intransigência estabelecida pelos secretários é justificável, pois governos são duros e intransigentes quando a linha do limite prudencial é vislumbrada. Mas o alegado desrespeito é injustificável e labuta politicamente contra o próprio governo.

É desinteligente um governo tratar o outro lado da mesa com desdém: o interlocutor aceita dureza e intransigência, mas indelicadeza e má educação, traduzidas em chistes mal elaborados, acaba com qualquer desejo de transigir.

Shot002

No momento em que Alex Fiúza comete a declaração acima, desqualifica-se como negociador: a frase, se proferida pelo governador - que jamais cometeria tal desatino - poderia até soar pertinente. Mas dita por um secretário soa pernóstica e extrapolada.

Os professores, da mesma forma que eu, ou você, desejariam trocar os seus respectivos carros todos os anos, mas isso nunca esteve, não está, e jamais estará na pauta de reivindicações da classe.

> O que querem os professores?

Em apertada síntese, querem o pagamento retroativo do piso, o que resulta em uma despesa extraordinária, com pessoal, de R$ 72 milhões, que o governo alega não poder despender sem romper o limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal para a dotação.

Reivindicam ainda o reescalonamento da carga horária em efetiva sala de aula e trabalho extra classe, o que de fato, é uma providência que, mais tarde ou menos cedo, o governo terá que enfrentar.

> Engasgando com mucuim 

O tamanho do problema causado com os dois pontos é índice de que o governo se entala com um mucuim, pois uma decisão política de redefinir o perfil da folha de pagamentos para recepcionar R$ 72 milhões em 12 parcelas, por exemplo, não é uma Hydra de incontáveis cabeças.

> Daqui eu não saio

IMG-20131105-WA0002

Os professores não deixarão as dependências da Alepa enquanto não forem recebidos pelo governador, único interlocutor por eles agora credenciado, que deveria recebê-los, enquanto a classe ainda nele confia para dirimir o imbróglio.

> Outra história

Quanto ao secretário Fiúza, custei a acreditar que dele tenha saído tão insensato questionamento.

Quando eu era prefeito, demiti, durante uma entrevista em uma emissora de rádio, um secretário por muito menos que isso, pois para alimentar-me a enxaqueca, eu já tinha, de sobra, os adversários e correligionários: secretários são para ajudar e não para atrapalhar.

29 comentários:

  1. Sugiro algumas medidas para que o governo reduza sua despesa com pessoal e com isso demonstre que realmente está se esforçando para pagar o retroativo dos professores:
    1º- Devolver o pessoal cedido(requisitado) de outras esferas de governo, empresas publicas e etc. com ônus para o Estado. Em 2013 o governo já teve que devolver quase 3 milhões aos órgãos de origem desses servidores;
    2º- Substituir servidores que possuem somente cargos em comissão por servidores efetivos que recebem somente 80% do D.A.S.
    3º- Diminuir o número de Assessores. Quantos são somente na casa civil?
    4º- Diminuir o numero de secretários especiais e extraordinários. Alguém sabe qual é a função desses?
    5º- Fazer uma auditoria na folha e divulgar o resultado para a população, demonstrando objetivamente a real situação do gastos com pessoal do estado.

    ResponderExcluir
  2. Gostar de gracejo ou chiste parece ser um fundamento não somente do governo do Estado, o seu parceiro na Prefeitura de Belém, através de seus secretários também. O alagamento em toda a cidade na tarde de hoje para o titular da Sesan, foi apenas uma coincidência com as marés altas. Junto com o Alex Fiuza deveria formar uma dupla caipira só para contar "causos cômicos". Esses desgovernos já estão caindo de podres.

    ResponderExcluir
  3. O Governador já era pra ter demitido matade de seu secretariado, seja por incompetência, seja por intransigência ou por corrupção. Mas ´movido por um comportamento omisso, prefere arrastar seu falida gestão até o próximo fosso eleitoral.

    ResponderExcluir
  4. Que a Alice Viana exonere os mais de 14 mil temporários impregnados no serviço público, que servem de cabos eleitorais do jatene e pare de enrolar os servidores públicos.

    ResponderExcluir
  5. Parsifal;

    E Deus fez o homem...

    Quando li a notícia de que o Alex Fiuza havia sido convidado para fazer parte deste governo, ainda que conhecendo quem seria o governador, cheguei a pensar que o ex-reitor pudesse desenvolver 'magníficas ideias' (as que não teve na UFPA) dentro do serviço público estadual. Hoje vejo que os homens são feitos de barro mesmo, e que o poder dispõe de uma forma para remoldá-los como um clone de aproveitadores subservientes e patéticos dos quais nem o nome de batismo, nem o curriculum vitae nos sugere algum diferencial.

    ResponderExcluir
  6. Parabens deputado pelas palavras, o Pará não precisa desse tipo de agente público.

    ResponderExcluir
  7. Deputado,
    Quem lhe garante que o secretario Alex fez tal declaração ????
    Até procurei encontrar em algum lugar, mas não encontrei. Procurei saber com pessoas que são próximas ao ex reitor, também não confirmaram. Pro último, pra tirar a prova dos noves, tive uma informação de quem conversou com ele, que garantiu nunca ter dado tal declaração.
    Particularmente quero dizer que estranhei a frase, dai a minha duvida, pelo que eu conheço do secretario Alex Fiuza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os professores, ontem, na Alepa afirmaram que ele deu tal declaração. Tentei falar com ele, para confirmar, ou não, mas não fui atendido. É muito mais fácil falar com o governador do que com algum dos seus secretários.
      Se ele não proferiu a frase, e enviar ao blog essa declaração, será feita uma postagem com o desmentido.

      Excluir
    2. Engraçado tem gente, que se presta a defender um cara que em nada colabora, pelo contrario atrapalha, ´mais é assim mesmo tem os HOMENS E A CRIATURAS, não tem mais jeito a eleição está perdida para o PSDB, não tenho duvidas .

      Excluir
  8. Agora só falta mandar os professores comerem brioches.

    ResponderExcluir
  9. Personagens históricos são lembrados por seus feitos outros por suas frases absurdas.A declaração do secretario Alex Fiuza em relação aos professores é uma coisa que vai navegar Rio abaixo,rio acima e nos boatos.

    ResponderExcluir
  10. Boatos e rumores são fatos que acontecem em grandes contendas. Portanto, um bom jornalista deve sempre ouvir o outro lado antes que fatos como a "Escola Base", surjam para manchar a história de quem escreve, e de quem pode ser inocente. A guerra é um lugar em que as mentiras são mais evidentes e no Brasil é assim. Como os milhares de dossiês que surge em todas as campanhas políticas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1. Não sou jornalista. Este é um blog pessoal.
      2. A postagem não se baseou em boatos ou rumores. Eu estava presente na reunião onde o sindicato dos professores afirmou não mais aceitar a intermediação com os secretários e apontou as razões.
      3. Tentei falar com o secretário, mas ele deve ser extremamente ocupado, ou troca o número do celular uma vez por semana para não ser incomodado. Aliás, conseguiu-se falar primeiro com o governador, ontem.
      4. Este blog é brifado, diariamente, 3 vezes ao dia, pelos governos federal e estadual e pela prefeitura de Belém. Portanto o secretário já leu a postagem e se não enviou nota desmentindo-a, aceita-a como verdade.
      5. Todos os secretários de Estado possuem os celulares de todos os deputados. No meu caso particular, tenho apenas 1 número de celular e atendo a todas as chamadas independentemente de estarem ou não na minha agenda.
      6. Sim, política é uma guerra constante e soldado que fica dando tiro a ermo, acaba acertando o seu próprio general.

      Excluir
  11. Um oficial chegou a puxar o revólver na sacada da ALEPA mas, foi contido por outro oficial desesperado com a atitude do colega. Isso ninguém contou.

    ResponderExcluir
  12. Francisco Marcio06/11/2013 14:48

    Deputado, quando algum anônimo ( geralmente ) lhe chama de pedante, tento me convencer de que nao é verdade. Mas Vossa Excelência acha mesmo que o Gov Federal vai brifar seu blog, e ainda 3 vezes por dia?
    Como acompanho seu "interesse" no movimento paredista, pergunto: acompanhou a comissão da ALEPA junto ao Governador? Ou preferiu continuar alimentando o fogo com gasolina? Perceba que há vários comentários que nao se alinham a sua apologia.
    Agora vou parafrasear um erudito Deputado Estadual: e você acha mesmo?!?...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fique tranquilo e pode, idem, achar-me pedante. Eu já disse aqui que não faço a menor questão de parecer o que não sou ou de não parecer o que sou.
      O governo federal, e o estadual, brifam todos os blogs de políticos com mandato, de articulistas políticos e de sindicatos, além de todos os jornais do país e os mais importantes do mundo.
      Devolvo-lhe a pergunta: você é tão deslocado da contemporaneidade midiática para achar que o governo federal, e o estadual, não brifam um blog assinado pelo líder do PMDB, a maior bancada da ALEPA, 3° vice-presidente do PMDB regional, membro do diretório nacional do PMDB, onde tem voz e voto? Deve ser porque você não tem conhecimento do jogo bruto que é uma convenção partidária: a turma tem que saber o que eu penso, como eu penso, e do que eu gosto, para, caso necessário, convidar-me para um café e pedir-me o voto.
      No meu caso, são três briefs por dia porque há três postagens por dia e se tivessem 10 seriam 10 briefs. A questão aí não sou eu, mas o que represento.
      Isso não quer dizer que a presidente Dilma, o governador Jatene e mais quem o valha, leiam as brifagens, mas elas chegam ao destinatário sempre que os assessores de comunicação que brifam decidem que assim deve ser.
      A brifagem é hoje um dos departamentos mais importantes dos gabinetes governamentais e empresariais. Há empresas especializadas na varredura do seu nome na rede e sempre que ele surgir, o texto que o contém é brifado. Há alguns dias recebi um e-mail de Paris, da assessoria de imprensa de Jean-Charles Naouri, gentilmente pedindo que eu trocasse a fotografia dele em uma postagem na contenda com Abílio Diniz.
      Eu já lhe respondi o que penso do movimento e não acompanhei a comissão que foi falar com o governador por um motivo bem simples: na frente dos diretores do sindicato, eu respondi que eu não iria pois já sabia tudo o que o governador ia nos dizer, e aí exerci o meu pedantismo, propondo-me a escrever em uma folha de papel tudo o que o governador ia dizer e eles iriam acompanhado o escrito por mim para corrigir algo que eu pudesse ter errado, mas que não precisariam corrigir além de uma vírgula fora de lugar, pois eu sou péssimo com vírgulas.
      Devolvo-lhe, novamente, a pergunta: e você acha mesmo que ele disse algo diferente do que eu disse que ele ia dizer?
      O blog é livre para quem quiser pregar as suas apologias: eu prego as minhas.

      Excluir
    2. Francisco Márcio06/11/2013 18:05

      Pela extensão da resposta o brio de Sua Excelência foi afetado. Mas fique tranquilo, sinceramente não compartilho com a grande maioria dos anônimos, sua habilidade vai além de ser pedante.
      Quanto ao deslocamento, desculpe-me, plebeu sempre é deslocado. Pare de sofismar, referir-me ao Gov. Federal, o Estadual já foi por sua conta. Quanto a essa oblação da maior bancada da ALEPA, deixe disso, Vossa Excelência sabe, essas recentes acomodações tem um porquê. Eleição de 2014.
      Não devia, mas vou lhe ajudar... pare de vangloriar-se: 3º vice- presidente... vice já em nada manda, imagina o 3º.
      Pois devia acompanhar a comissão, "por tudo que Vossa Excelência representa", devia participar ativamente da solução, pois os que estão sendo afetados há mais de 40 dias, são os que mais precisam. Justifique para a sociedade esse gordo salário.
      Saiba que essa apologia (livre, o que eu agradeço) é gratuita, plebeu não é funcionário público, e muito menos tem DAS a defender.

      Excluir
    3. Você não tem condição de mexer-me os brios porque não estamos disputando nada e extensão de caracteres não é índice de brios mexidos: o meu maior trabalho nas postagens e comentários não é redigi-los e sim diminui-los o tamanho depois.
      Não há sofisma: o governo federal, além do estadual, brifa os blogs de todos os políticos com mandato. E, independentemente das circunstâncias, o PMDB tem a maior bancada da Alepa.
      Não paro de me vangloriar e tenho motivos para isso: sei de onde vim e onde estou, e ainda bem que o PMDB não pensa igual a você. As vice-presidências são entregues por grau de importância partidária.
      Jader (presidente), Helder (1° vice), Priante (2° vice), eu (3° vice). Mas, como eu me adoro, eu não me julgo o último e sim a 4ª pessoa mais importante do partido que tem a maior bancada na Alepa e o maior número de filiados no Pará e no Brasil. Como ensinou o Einstein, tudo depende do referencial, e o meu é colocar o ângulo onde eu me enxergue melhor, pois para me avacalhar já há os adversários e comentaristas do blog.
      Não, a gordura do meu salário não azeita disputas sindicais com governos: eu já lhe disse que o meu mandato não transita nessa seara. Apenas defendo o direito de greve como instrumento legal do trabalhador e faço questão de que ambos obedeçam as regras.
      Portanto, a participação ativa demandada deve ser endereçada aos deputados que que labutam no movimento sindical.
      A greve já está solucionada pelo governo que, independentemente de deputados, desde o início, estabeleceu o script. Eu já andei por essa estrada:
      1. Designe interlocutores que devem extenuar os demandantes (secretários citados).
      2. Use as instituições de Estado, devidamente cooptadas pelo governo, para colocar cunha nos paredistas (Ministério Público)
      3. Após extenuar os paredistas com o 1 e acocha-los com o 2, passe para a segunda fase que é desdenhar do movimento (declarações dos 1) pois isso tira dos paredistas o raciocínio lógico e os faz tomar decisões passionais (ocupação da Seduc e depois da Alepa).
      4. Os paredistas, catatônicos, recusam-se a negociar com os 1 e não mais confiam no 2, ou seja, perdem a mesa e procuram um terceiro elemento (deputados).
      5. Os deputados, para parecer que estão ajudando, e se credenciarem com os paredistas, que poderão lhe render votos, criam uma comissão e vão ao governador.
      6. O governador lhes explica as razões do porquê da intransigência e acena que liberará algumas emendas para eles deixarem disso.
      7. Os deputados retornam e dizem aos paredistas que o governador está intransigente, repetem-lhe as razões, e deixam no ar que é melhor ceder, mas que podem contar com a Alepa (esta fase ocorreu hoje de manhã)
      8. Os paredistas sentem-se desamparados e as divisões internas do movimento (na caso há duas facções) começam a travar uma luta intestina: uma querendo sair da greve e outra querendo manter.
      9. O movimento enfraquece.
      10. O governo cede 10% do que a classe demandava, que era a sua intenção desde o início, mas no início ninguém aceitaria.
      11. Os paredistas voltam as salas, repõem as aulas e o governo, para provar que é sensato e magnânimo, não corta o ponto.
      12. E todos são felizes até a próxima greve.

      É fácil lidar com a neurologia das massas, quando se tem os instrumentos corretos e a metodologia pertinente: todos os seres humanos sobre a terra têm apenas 9 tipos básicos de personalidade.
      Vou parar por aqui senão você vai pensar, de novo, que os meus brios estão dançando rumba.

      Excluir
    4. Francisco Márcio07/11/2013 12:21

      Deputado, Vossa Excelência tem certeza que esse é o organograma do PMDB: Jader (presidente), Helder (1° vice), Priante (2° vice), eu (3° vice). Isso não é árvore genealógica? Pai, filho, sobrinho... Longe de mim querer acentuar a sua malograda dor de cabeça, mas preocupe-se, ainda falta incluir aí a ex-companheira e a atual, e...
      O Deputado, com essas acomodações vai deixar de ser o "4º" homem do PMDB e seu grau de importância não será visto a olho nú. Quem avisa amigo é...

      Excluir
    5. O Einstein era um gênio mesmo: tudo depende do referencial. Veja como eu enxergo o que você acaba de relatar: eu sou tão importante, mas tão importante mesmo, que na linha sucessória do PMDB paraense (o maior partido do Pará e do Brasil), o único da linha sucessória que não é da família do presidente, sou eu. Ponha importância nisso, pois até três deputados federais ficaram de fora para que eu entrasse.
      Isso é assim mesmo: há pessoas que se recusam a receber um buque de rosas porque têm receio de se ferir nos espinhos e há aquelas que recebem apenas o caule com os espinhos e plantam, para colher rosas.
      Você vê a vida de forma tão negativa assim, ou está apenas brincando?

      Excluir
    6. Francisco Márcio07/11/2013 16:59

      Deputado, sinto em lhe dizer, mas Vossa Excelência já relatou inúmeras vezes, que seus 'amigos' lhe dizem coisas só para não lhe desagradar... pois sua Excelência tem fama de teimoso... assim sendo, estão lhe deixando como 4º, assim, Vossa Excelência não atrapalha.
      Mas não é só: para de sofismar, desconsiderando como exposto acima, o sobrinho e a ex. Só sobrou um Deputado Federal, que está inelegível, ou seja, Vossa Excelência tem de se apoiar no Einstein, se não a frustação pessoal lhe ceifará.
      Fique tranquilo quanto a mim: um humilde plebeu, QI bem menor que o seu ( segundo informação do próprio >150 ) e ainda consegue relatar ao Dr. o que ele não quer enxergar.
      Vivo de bem com a vida e de forma positiva, ainda mais com a opção de discussão com um 'Dr'.

      Excluir
    7. Continuo firme com o Einstein e o meu referencial, pois o seu não é bom para mim. E como o meu ângulo já dura 55 anos, não posso mudar para o seu agora, pois não tenho mais tempo para recomeçar. Tenho que morrer vangloriado e não frustado como você me aconselha.
      Mas espere um pouco: você até já vaticina a inelegibilidade do meu amigo Asdrúbal (ele é um dos que eu defendo com unhas e dentes, pois é um daqueles que ainda está vivo). Calma, pois nós já decidimos que ele vai pleitear o registro e só sai do páreo quando não tiver mais para onde recorrer, pois, pelo nosso ângulo, ele não está inelegível.
      Você, que vive de forma tão positiva, gosta mesmo de tentar jogar os outros para baixo ou está só brincando?

      Excluir
    8. Francisco Marcio07/11/2013 21:45

      Erudito Deputado, nem que eu queira, nao consigo jogar nenhum membro de sua súcia para baixo. Vossas Excelências vivem como monarcas e como sou plebeu falta-me informações do reino...
      Quanto ao seu 'amigo' da hora, não o iluda, Vossa Excelência pode girar a roda por todos os ângulos, mas o sol ( urna ) nao o alcançará em 2014. Deixe registrado, depois conferiremos.

      Excluir
    9. Já estou quase denunciando você por preconceito com os plebeus, pois sempre justifica a sua falta de informação com o adjetivo, o que dá o tom pejorativo. Acho melhor encontrar outro adjetivo para se qualificar.
      Não, o Asdrubal não é meu amigo "da hora". Eu o conheço há cerca de 30 anos e não temos mais, eu e ele, o direito de nos entregar à ilusões, é que ele, como eu, entende que quem desiste já está derrotado, portanto, nunca teve conosco essa história de só entrar se for para ganhar: entramos em campo. O resultado conferimos no final do jogo e isso não se trata de referencial, mas de destemor. No jogo bruto da política os fracos não têm vez.
      Você sempre projeta a sua súcia nos outros ou está apenas brincado?

      Excluir
    10. Francisco Marcio08/11/2013 05:58

      Nao. O poderoso Deputado nao vai perder seu precioso tempo denunciando um plebeu, ate porque, essa é a minha realidade, por todos os ângulos que se olhe.
      Quanto ao amigo da hora, sao suas palavras, "o inimigo de agora pode ser o amigo da proxima eleição".
      Tem mais, se eu for denunciado, pedirei auxilio para a minha defesa lá no seu gabinete na ALEPA...

      Excluir
    11. Eu não sou poderoso, apenas importante. E continuamos discordando quanto ao plebeu, mas aí volta a ser uma questão de referencial.
      O Asdrúbal está entre aqueles que sempre foi amigo e nunca será meu inimigo, porque como eu já lhe disse, pretendo manter todos os que restam vivos.
      Fique tranquilo, eu destacarei um ótimo advogado para você.

      Excluir
  13. bom mesmo era o jader que terminou o mandato de governador com tres meses de salarios atrasados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, você está errado. No primeiro governo Jader deixou a folha em dia. No segundo governo, quando ele renunciou para ser candidato ao Senado, também deixou a folha em dia. Quem deixou a folha atrasada foi Carlos Santos.

      Excluir
    2. Anônimo;

      A bem da verdade, não só o Jáder deixou a folha em dia, mas em folha suplementar no meio daquele mesmo mês ele pagou algumas diferenças salariais que derivaram do corte de algumas gratificações (ocorrido após mudança na constituição estadual). Está no DOE, e se não me engano, nem deu tempo para ser digitado (ou datilografado), pois saiu como foi escrito pelo ex-governador, em cima de um parecer jurídico do Dr. João Batista CM. O Carlos Santos atrasou, porém muito pior viria a ser feito em Janeiro por Almir Gabirel.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.