05/09/2013

PSOL protagoniza o seu primeiro escândalo

A edição de hoje (5) de “O Globo” publica gravações nas quais a deputada estadual do Rio de Janeiro, Janira Rocha (PSOL), líder do partido na Assembleia Legislativa do Rio, declara “ter havido desvio de dinheiro do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde, Trabalho e Previdência Social (Sindsprevi/Rio) para fins eleitorais”.

Shot024

A deputada declara ainda que “parte dos recursos desviados teria sido usada para a fundação do PSOL”, ou seja, o partido já teria nascido contaminado.

“Nós sentamos lá nas finanças. Pegamos o relatório do Conselho Fiscal e fomos atrás de todas as informações. O que foi e não foi. Não tem nenhum companheiro de regional que tenha roubado nada, que tenha ficado com dinheiro. Tem companheiro que está levando pecha de coisas com o dinheiro. Mas ele nem ao menos chegou a ver o dinheiro. Ele assinou, mas o dinheiro foi usado para ações políticas que nós fizemos. Ou viajar de avião para o Acre é barato? Ou fazer eleição na Bahia é barato? Ou fundar o PSOL foi barato? Ou dar dinheiro para o movimento classista foi barato? Foi para ação política”, fala a deputada na conversa gravada por dois dos seus assessores.

“Nós fizemos merda. Contratamos uma porrada de gente para esse sindicato. O sindicato tem orçamento de R$ 1,5 milhão e temos R$ 800 mil de folha de pagamento. Pegamos dinheiro emprestado por fora das regras do mercado. Porque pegamos direto com agiota. O que temos que fazer. Tem roubo? Não tem roubo. Mas quem tá de fora não entende, não quer saber que é para ação política. Para eles é merda, é golpe”, argumenta adiante a deputada.

O que se vê aqui é, em escala menor, a prática do mensalão: usar uma estrutura orgânica arrecadadora para desviar recursos com a finalidade de prover a ação política. Nessa esteira, os agentes facilitadores do peculato cobram as respectivas comissões e enriquecem ilicitamente, alimentando o sistema.

O regime está disseminado a tal ponto na República, que um partido ideológico como o PSOL já surgiu com o vício no qual já foram pilhadas a maioria das siglas nacionais.

Ou se muda o sistema, faz-se uma reforma política e profissionaliza-se a administração pública em carreiras de Estado em todos os níveis administrativos, ou a sangria não estanca, pois quem quiser o pote vai sempre ter que pegar na rodilha.

5 comentários:

  1. Todos os partidos tem bandidos e o PSOL não seria diferente. Coisas de politicos!

    ResponderExcluir
  2. Fugindo do assunto em pauta, li no blog da Franssinete: "...a minirreforma do secretariado, feita discretamente pelo governador Simão Jatene(PSDB), pode ainda se estender, se houver o desembarque do PMDB. Ou não, como diria Caetano Veloso. A conferir."
    Já não houve o desembarque?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há muito tempo. Eu, por exemplo, sequer embarquei.

      Excluir
  3. Será que essas coisas acontecem também nos sindicatos do norte do Brasil ou é coisa do sudeste? Seria interesse o SEPUB-PA disponibilizar em seu site(não encontrei) informações sobre a gestão financeira da contribuição sindical descontada compulsoriamente de todos os servidores do Estado do Pará em 2012 e 2013.

    ResponderExcluir
  4. aqui no pará não é diferente. é só olhar no sintepp e sinditifes, pois, os organicos do psol usam e abusam dessa estrutura para eleger: vereadores, deputado estadual e tentar eleger governador, prefeito e senador.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.